Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

FÁTIMA DE NOVO DIANTE DA ESFINGE DA «ORU»

Capa do Livro do P. Alonso. Fátima sobre o Kremlin de Moscou. Por fim os católicos terão que decidir entre a Cidade de Deus e a cidade dos homens, a Babilônia, a Prostituda do Apocalipse.

Bergoglio + Masdu

Quando a idéia perversa do conluio de religiões unidas volta a ser ventilada em Roma pelo novo amigo de Bergoglio, Shimon Peres, então é a hora de lembrar que isto já está em curso na Capital do Catolicismo há anos. Só de nome diverso: ao invés de ORU (organização das religiões unidas) seria a URI (United religions intention), e reunindo diversas ‘amizades’.

Eis que por fim os católicos terão que decidir entre a Cidade de Deus e a cidade dos homens, a Babilônia, a Prostituda do Apocalipse, onde habita muito clero e potentados conciliares hoje chefiados por Bergoglio!

Dissemos antes; ainda há quem pense que a Mensagem de Nossa Senhora de Fátima fosse, mais que tudo, para prevenir dos erros e horrores da esfinge soviética. É verdade que num certo momento histórico os «erros da Rússia» pareciam ter, com a aventura soviética, concentrado todos os males da primeira Besta do Apocalipse.

Havia que considerar, porém, aquela segunda Besta com a «tiara» do Cordeiro, mas que falava com a voz do Dragão demoníaco.

Vivemos este segundo interregno tenebroso.

Entre a Fé católica e a maçônica com suas cidades e monumentos.

Limitamo-nos aqui a documentar a iniciativa dita das «religiões unidas», que é pela sua própria natureza divulgadora da teoria do campo unificado de toda fé. E isto quer dizer que se ocupa da promoção das muitas religiões humanas de modo que os homens deixem de discutir sobre conversões a uma Religião da Verdade. Ora, esta é, nada mais nada menos, que a Fé para a qual Nossa Senhora de Fátima pedia a conversão de todos e invocava uma consagração para a conversão da Rússia.

Falamos, pois, de duas posições opostas diametralmente. Portanto ou se é por uma ou pela outra; ou pelo sim ou pelo não, o resto vem do demônio.

Beijo do Corão, que nega a Cristo e a Santíssima Trindade. Apreço por todas as Religiões do Sr. KW

Vejamos então, no mercado de influências mundialistas, quem vamos encontrar ao lado da iniciativa das «religiões unidas», que deveria chamar-se O.R.U., mas que para escandalizar menos recebeu o nome de U.R.I., e tem mais que um pé no Vaticano.

United Religion Initiative - LOGO

Tilac sinal Hindu

Para os católicos tudo isto pode parecer fantasia ou um pesadelo de noite mal dormida, mas existe e vamos seguir algo da sua «saga».

Anexo U.R.I. A iniciativa das re­ligiões unidas (United Religions Initiative, U.R.I.) resumido de Epiphanius, Massoneria e Sette Segrete: La Faccia Occulta della Storia»

Simbolos da Teosofia

Simbolos da Teosofia

Simbolos da Teosofia

Simbolos da Teosofia


“A URI representa a mais recente tentativa de amplo alcance da Teosofia para unir as religiões com fins mundialistas. Tudo começou em 1993 numa sessão do “Parlamento das Religiões” de Chicago. A idéia de formar uma autoridade internacional dedicada a unificar as religiões do mundo e constituir um ramo espiritual das Nações Unidas, foi proposta por Sir Sigmund Sternberg, na sua qualidade de diretor do I.C.C.J., Conselho Internacional dos Cristãos e Judeus, conjuntamente a Robert Muller, ilustre representante New Age junto às Nações Unidas.

Sir Sigmund Sternberg Cavalheiro da Ordem Pontifícia Equestre de S. Gregório Magno

Sir Sigmund Sternberg Cavalheiro da Ordem Pontifícia Equestre de S. Gregório Magno


“O húngaro Sternberg foi um dos organizadores do primeiro encontro de João Paulo II com a Sinagoga e empenhou-se para a solução (anti-ecumênica) da “crise” de Auschwitz desencadeada pela presença, considerada ultrajante, do convento carmelita dentro do perímetro do campo e que terminou, como se sabe, com o seu afastamento dessa área em 1986.

Sternberg empenhou-se em seguida intensamente para o reconhecimento de Israel da parte do Vaticano, que se realizou nos anos 1993-1994.

“João Paulo II, tomando conhecimento do impulso conferido às novas relações judeu-cristãs por Sternberg, em 1982 o nomeou Cavalheiro da Ordem Pontifícia Equestre de S. Gregório Magno, cuja Grã Cruz já havia sido conferida, por méritos de serviço, a Maurice Lever da loja «Moses Gaster» do B’nai B’rith.

“No dia 13 de Abril de 1986, Sternberg, em uniforme de Cavalheiro da Ordem, acompanhou João Paulo II na visita à sinagoga de Roma. Por isto recebeu em 1988 as insígnias da Ordem maçônica de S. João de Jerusalém. Em 1990 Sternberg estendeu também à Comunidade de S. Egídio de Roma essa obra de promoção do diálogo inter-religioso, patrocinado pelo Vaticano.

“Em 1994 Sir Sternberg esteve no Vaticano guiando a delegação britânica em ocasião do concerto, na presença de João Paulo II e do Presidente italiano, para a comemoração da Shoa. E em 1996 sua segunda mulher (havia divorciado em 1970) foi decorada no Vaticano por João Paulo II como Dama da Ordem Pontifícia de S. Silvestre, tornando-se assim a primeira judia com tal título. Devido à essa sua obra a favor do sincretismo inter-religioso, Sternberg em 1998 foi também condecorado com o prêmio maçônico Templeton para o Progresso da religião.

Em Julho do mesmo ano a Open University do bilionário Soros lhe conferia o diploma honoris causa. Sir Sternberg é o patrocinador, junto com Gorbachev, do Dalai Lama e da mulher do fundador da Scientology, Bárbara Marx Hubbard, da “Comissão mundial para a Consciência e a Espiritualidade globais”, que reúne leaders mundiais com o fim declarado de «cultivar a visão global e a sabedoria para o novo milênio» e que foi presidida por R. Muller.

A ideia de Muller e de Sternberg já havia avançado e no dia 25 de Junho de 1995, na ocasião de uma cerimônia sincretista na catedral de S. Francisco para o 50° aniversário da Carta da O.N.U., quando o «bispo» presbiteriano William Edwin Swing havia anunciado a intenção de fundar a United Religions. Foi uma cerimónia deveras estranha com dezenas de orações diversas, salmos e… «encantos». Para a Grace Cathedral de S. Francisco esses espetáculos não eram novos: no Outono de 1994, de facto, um dominicano apóstata que se tornou estreito colaborador de Swing e Matthew Fox, oficiou uma ceia protestante dita «Missa Planetária» cujo «rito», celebrado num «altar» para «adoração dirigida ao ambiente», projetado em ecrãs vídeo, foi animado com «tecno-música». Tudo isto foi repetido na presença de Swing em 1995 em Dallas: «um misto de rito cristão, ocultismo, teosofia, em honra do Deus e da Mãe natureza». Em seguida Swing publicou o livro «O advento das Religiões Unidas», que evoca as «Nações Unidas» e um parlamento de religiões. Swing em 1996 visitou João Paulo II.

Todas as Religiões pela Paz em Assis 1986

Todas as Religiões pela “Paz” em Assis 1986


«bispo» presbiteriano William Edwin Swing

As conferências U.R.I. foram em breve estendidas aos cinco continentes, com a participação de cristãos, judeus, muçulmanos, budistas, baha’i, hindus, zoroastrianos, sikh, seguidores do New Age e da Wicca (movimento neo-pagão de cultores da bruxaria), etc. Ali se decidiu elaborar «mapas» para a metade de 2000, envolvendo políticos conhecidos pelas suas iniciativas de «orações» comuns – no estilo de Assis – para proceder enfim à fundação oficial da nova organização, a U.R.I., que tinha no seu plano de ação o objetivo de «promover uma durável cooperação inter-religiosa e criar uma cultura de justiça e paz». Para isto era necessário induzir religiosos e leigos à gradual aceitação dessa «Nova Religião» derivada de uma filosofia e ecologia espiritual. […] Para contribuir a esta iniciativa alguns bispos católicos fundaram, com o apoio de João Paulo II, a World Conference on Religion and Peace (W.C.R.P), Conferência mundial para a Religião e a Paz, acreditada junto à O.N.U., e presente em mais de 100 países e cujo primeiro presidente foi o arcebispo de Nova Dehli, Angelo Fernandes. Presidente da secção italiana do W.C.R.P. é Lisa Palmieri Billig, representante para a Itália da Anti Defamation League do B’nai B’rith, com sede em Roma. A sexta assembléia-geral da Conferência no dia 3 de Novembro de 1994 teve seus trabalhos de abertura na sala sinodal da Santa Sé. Era a primeira conferência inter-religiosa no Vaticano, com a presença pessoal de João Paulo II na veste de presidente de uma assembléia de quase mil representantes de quinze crenças diversas, inclusive as religiões indígenas da África, Austrália e Oceania.

“Sob a cúpula vaticana ecoaram por duas horas, na presença de João Paulo II, na veste de presidente da assembléia, versos hebraicos e do Alcorão, bem como invocações para a paz dos xintoístas, budistas e hindus., entremeados por blues africanos.

URI

Imagem obtida no site oficial da URI

“A «Declaração final» das Conferências afirmava: «Dominamos a natureza como se essa fosse nossa, e esta arrogância é uma causa primária da atual crise ecológica. Na nossa obra de restauração da harmonia e da vida normal, devemos começar por arrepender-nos das nossas ações destrutivas e efectuar uma mudança desde um modelo antropocêntrico a um bio-cêntrico eco­cêntrico».


URI

“O W.C.R.P. é o intermediário oficioso do Vaticano com os grupos inter-confessionais de projetos mundialistas, como a U.R.I., enquanto o canal oficial resta o Pontifício Conselho para o Diálogo inter-religioso. O quartel-general da W.C.R.P não reside em Roma, mas no número 777 da Praça das Nações Unidas de Nova York, onde opera em estreito contacto com a O.N.U., com a U.N.E.S.C.O. e com a U.N.I.C.E.F.

“Pode-se concluir aqui com uma citação tirada de um significativo livro, publicado por uma editora maçônica, do conhecido padre Rosário Espósito, professor de várias universidades pontifícias e extremado adepto da aliança da Igreja com a Maçonaria, diz: «(visto que) duas realidades idênticas a uma terceira são idênticas também entre si, e as três realidades são, neste caso, justamente a Maçonaria, a Sociedade das Nações, a ONU e a Igreja; é, portanto forçoso deduzir que a Igreja do Vaticano II e a Maçonaria constituem agora uma só coisa» (Rosario F. Esposito, Le grandi concordanze tra Igreja e Massoneria, Florença, Ed. Nardini, 1987, p. 197) ”.

Só pergunto agora como esta «simbiose» do Vaticano com a Maçonaria para anular a Religião única de Jesus Cristo poderia ter-se realizado e difundido com a presença de um Papa católico?


Paulo VI na ONU, onde visitou a sala de meditação para se "recolher em silêncio", como o fez também o Srs. Wojtyla e Ratzinger

Paulo VI na ONU, onde visitou a sala de meditação para se “recolher em silêncio”, como o fez também o Srs. Wojtyla e Ratzinger (Cf. http://www.zenit.org/article-18064?l=portuguese)

Sala de Meditação da ONU, onde os anti-papas conciliares fizeram “piedosa visita”

Impossível realizar tal «síntese» absurda. Então a resposta deve vir da mesma Mensagem de Nossa Senhora de Fátima. De fato, na sua terceira parte, no Terceiro Segredo, o Papa católico foi eliminado com o seu inteiro séquito fiel. E isto seria mais claro em 1960 quando até os cegos podiam perceber que no Vaticano havia um «papa mação e modernista».

Roncalli e Cardeal Bea, maçon denunciado pela lista do Jornalista Italino Mino Picorelli, assassinado por divulgar a famosa lista com cardeais maçons. Bea foi nomeado por João XXIII para presidente do Conselho para promoção da Unidade dos Cristãos.

Era João XXIII que, enquanto convidada todos a olhar para a lua, traçava seus pauzinhos para a abertura e entrega da S. Sede aos seus cupinchas da nova ordem mundial. E a ele seguiram seus comparsas clericais.

Cruz Peitoral de João XXIII - Publicada pelo Jornal The Pilot de Boston, 1970

Cruz Peitoral de João XXIII, usada por ele enquanto cardeal – Publicada pelo Jornal The Pilot de Boston, 1970

Cruz Peitoral de João XXIII, réplica "comemorativa".

Cruz Peitoral de João XXIII, réplica “comemorativa”. A original foi doada por ele quando foi eleito ilicitamente papa católico à Basílica de St. Ambrósio em Milão.

Cruz peitoral de João XXIII com símbolo maçônico

Cruz Peitoral de João XXIII – Vendida na Basílica de St. Ambrósio em Milão – Itália.

Isto é o que vivemos até hoje, quer seja descrito em linguagem castiça, quer em gíria.

Mas esta última é mais própria para falar deste fundo brejo da «inteligência católica», mesmo deixando de lado a questão do atentado conciliar contra a Fé íntegra e pura.

Nossa Senhora de Fátima

Por Fim Meu Imaculado Coração Triunfará!

Para nós católicos vale a esperança em Deus que fará triunfar essa Fé ao Sinal da Consagração ao Imaculado Coração de Maria, que celebramos neste domingo.

Uma resposta para “FÁTIMA DE NOVO DIANTE DA ESFINGE DA «ORU»

  1. Pingback: Leão XIII x João XXIII | Pro Roma Mariana

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: