Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

A PAIXÃO DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Nossa Senhora de Fátima

Neste mês de Setembro, em que lembramos as dores de Nossa Senhora, é mister ouvir o que os Papas católicos, exortaram a propósito.

Na Carta Encíclica «Adiutricem Populi» de Leão XIII (5 de Setembro de 1895), sobre o Rosário de Nossa Senhora, Sua Santidade ensina e invoca o recurso a Nossa Senhora:

«É coisa boa celebrar com louvores sempre maiores e implorar com sempre mais viva confiança a Virgem Mãe de Deus, poderosa e misericordiosíssima auxiliadora do povo cristão. Com efeito, os motivos desta confiança e destes louvores são multiplicados por esse rico e variado tesouro de benefícios sempre mais abundantes derramados em toda parte por Maria para o bem-estar comum.

«A Nós apraz recordar aqui de modo especial que, entre as múltiplas formas de piedade para com Maria, a mais estimada e praticada é a, tão excelente, do santo Rosário. Isto, dizíamos, é de grande alegria para nós; porquanto, se temos dedicado parte notável das Nossas solicitudes a propagar a devoção do Rosário, tocamos com a mão a realidade de com que benevolência a Rainha do Céu, assim invocada, tem correspondido aos Nossos votos; como esperamos que Ela quererá também amenizar as dores e as amarguras que os próximos dias nos preparam. Orar pelo retorno dos dissidentes. Mas é sobretudo para a difusão do Reino de Cristo que esperamos do poder do santo Rosário um socorro mais eficaz.

«Ora, já que a fé é o fundamento e princípio dos dons divinos pelos quais o homem é elevado, acima da ordem da natureza, aos bens eternos, com toda a razão se celebra a mística influência de Maria para fazer adquirir e frutificar a fé. Maria, com efeito, é aquela que gerou o “autor da fé”, e que, em razão da sua fé, foi saudada “Bem-aventurada” “Ninguém, ó Virgem, tem pleno conhecimento de Deus senão por ti; ninguém se salva senão por ti, ó Mãe de Deus; ninguém, senão por ti, recebe dons da misericórdia divina” (S. Germano Constantinopolitano, Oratio II in Dormitione B. M. V.). E, certamente, não poderá parecer exagerada a afirmação de que especialmente pela sua guia e pelo seu auxílio foi que, mesmo entre enormes obstáculos e adversidades, a sabedoria e as ordenações evangélicas se difundiram tão rapidamente em todo o mundo, instaurando por toda parte uma nova ordem de justiça e de paz. Consideração esta que sem dúvida devia estar presente ao ânimo de S. Cirilo de Alexandria quando, dirigindo-se à Virgem, lhe dizia: “Por ti os Apóstolos pregaram aos povos a doutrina da salvação; por ti a santa Cruz é louvada e adorada no mundo inteiro; por ti os demônios são afugentados e o       homem chamado de novo ao céu; por ti toda criatura, detida pelos erros da idolatria, é reconduzida ao conhecimento da verdade; por ti os fiéis chegaram ao batismo, e em toda parte do mundo foram fundadas as Igrejas” (S. Cirilo de Alexandria, Homilia contra Nestorium).

Maria, cetro da verdadeira fé

Além disto, consoante o louvor do mesmo Doutor, ela foi vigorosíssimo “cetro da verdadeira fé” (S. Cirilo de Alexandria, Homilia contra Nestorium), pelo contínuo cuidado que teve de manter firme, intacta e fecunda, entre os povos, a fé católica. E disto existem provas       numerosíssimas e assaz conhecidas, confirmadas às vezes por acontecimentos prodigiosos. Sobretudo nas épocas e nas regiões em que se houve de deplorar a fé esmorecida por causa da indiferença, ou atacada pelo pernicioso contágio dos erros, foi que o clemente socorro da Virgem se fez particularmente sentir. Foi então que, graças ao seu impulso e ao seu apoio, surgiram homens, eminentes por santidade e por zelo apostólico, prontos a repelir os ataques dos perversos, a reconduzir as almas à prática e ao fervor da vida cristã. Sozinho, mas poderoso como muitos juntos, Domingos de Gusmão consagrou-se a esta dupla tarefa, tendo posto com êxito a sua confiança no Rosário de Maria. E ninguém poderá pôr em dúvida que grande parte tenha a Mãe de Deus nos serviços prestados pelos veneráveis Padres e Doutores da Igreja, que tão notavelmente trabalharam em defender e ilustrar a doutrina católica. De fato, é a ela, sede da divina sabedoria, que eles atribuem com gratidão a fecunda inspiração dos seus escritos; foi por obra da Virgem Santíssima, e não pelo mérito deles, conforme eles mesmos atestam, que a malícia dos erros foi debelada.

«Enfim, príncipes e Pontífices Romanos, guardas e defensores da fé tiveram o costume de recorrer sempre ao nome da divina Mãe: uns na direção das suas guerras sagradas, outros na promulgação dos seus solenes decretos; e sempre lhe experimentaram o poder e a proteção.

«Por isto a Igreja e os Padres dirigem a Maria estas expressões não menos verdadeiras do que esplêndidas: “Ave, ó boca sempre eloqüente dos Apóstolos; ó sólido fundamento da fé; ó rocha inabalável da Igreja” (Do hino dos Gregos Theotokion). “Ave: por ti nós fomos computados entre os cidadãos da Igreja, una, santa, católica e apostólica” (S. João Damasceno, Oratio in Annunciatione Dei Genitricis, n. 9). “Ave, ó divina fonte da qual os rios da eterna sabedoria, correndo com as puríssimas e limpidíssimas águas da ortodoxia, prostram a multidão dos erros” (S. Germano Constantinopolitano, Oratione in Dei Praesentatione, n. 4).

“Alegra-te, já que só tu conseguiste destruir todas as heresias no mundo inteiro!” (no Ofício da B. V. M.).

Maria e a unidade na fé verdadeira fé

«Esta parte tão importante que a Santíssima Virgem teve e tem no curso de expansão, nos combates, nos triunfos da fé católica, torna mais luminoso o plano divino a seu respeito, e deve despertar em todos os bons uma grande esperança para a consecução de todas as finalidades que estão hoje nos anseios de cada um. É preciso confiar em Maria; é preciso invocar Maria! Oh! quão eficaz será o seu poder para a solícita realização do novo e tão desejado triunfo da religião, isto é, que no meio dos povos cristãos uma única profissão de fé deva manter unidas as mentes, e um único vínculo de perfeita caridade estreite os corações! Que não estará ela disposta a fazer para que todas as nações caminhem unidas “na maravilhosa luz de Deus”, quando com tanta insistência o seu Unigênito pediu ao Pai a união delas, e, por meio do batismo, as chamou a participar “da herança da salvação”, adquirida com imenso preço? Poderá ela deixar de demonstrar a sua amorosa providência, quer para aliviar os longos trabalhos que para tal fim a Igreja, Esposa de Cristo, enfrenta, quer para realizar na família cristã esse dom da união que é o fruto precioso da sua maternidade?

«Um sinal de que o augúrio não está tão longe de verificar-se está na opinião e na confiança, tão ardentes nas almas piedosas, de que Maria será o feliz laço que, com a sua força, unirá todos aqueles que amam a Cristo, onde quer que estejam, formando deles um só povo de irmãos, prontos a obedecer, como a um pai comum, ao Vigário de Cristo na terra, o Pontífice Romano. Aqui o pensamento reporta-se espontaneamente, através dos fastos da Igreja, aos magníficos exemplos da primitiva unidade, e com mais gosto se detém na recordação do grande Concílio de Éfeso. Porquanto a plena concórdia da fé, a participação nos mesmos sacramentos, que então unia o Oriente e o Ocidente, aqui parece realmente afirmar-se com singular firmeza e brilhar de nova glória, quando os padres do Concílio anunciaram autorizadamente o dogma da divina Maternidade de Maria: a notícia de tal acontecimento, promanando daquela cidade religiosíssima exultante, encheu o mundo católico da mesma incontida alegria.

A oração para a unidade e o culto de Maria

«Todas estas razões, que sustentam e aumentam a confiança de ser ouvido pelo poder e pela bondade da Virgem, devem ser, para os católicos, outros tantos incitamentos para a rogarem – como Nós vivamente recomendamos – com fervoroso empenho. Reflitam os fiéis em quanto é para eles decoroso e útil, e ao mesmo tempo quão aceito e grato para a Virgem Santíssima, este empenho. De fato, possuindo eles a unidade da fé, dessarte manifestam que justamente têm grandíssimo apreço o valor deste benefício, e que querem guardá-lo com todo escrúpulo. Nem podem eles manifestar de melhor forma o seu amor fraterno para com os separados, do que ajudando-os eficazmente de modo que possam reencontrar o maior de todos os bens. Tal afeto fraterno, verdadeiramente cristão, sempre operoso em toda a história da Igreja, achou sempre a sua força principal na Mãe de Deus, excelente fautora de paz e de unidade. S. Germano de Constantinopla assim a invocava: “Lembra-te dos cristãos, que são teus servos; ah! recomenda as orações de todos; conforta as esperanças de todos; reforça a fé; estreita as igrejas na unidade!” (S. Germano Constantinopolitano, Oratio Hist. in Dormitione Deiparae).     

«E ainda hoje os Gregos lhe dirigem esta oração: “Ó Virgem toda pura, que podes sem temor aproximar-te de teu Filho, roga-o, ó toda santa, para que Ele dê a paz ao mundo e inspire um mesmo sentimento a todas as igrejas; e todos nós te aclamaremos!” (Men., 5 maii, post oden 9 de S. Ireneu V. M). E aqui se junta aos outros um motivo especial pelo qual é lícito esperar que a Santíssima Virgem escutará com maior benignidade as nossas preces em favor dos povos dissidentes, e esse motivo é o dos insignes méritos que eles – mas especialmente os orientais adquiriram para com ela. Porque é a eles que muito se deve se a sua devoção tanto se difundiu e cresceu. Entre eles surgiram grandes apologistas e defensores da sua dignidade; panegiristas célebres pelo fogo e pela delicadeza da sua eloquência; “imperatrizes diletíssimas a Deus” (S. Cirilo de Alexandria, De Fide ad Pulcheriam et Sorores Reginas) que imitaram os exemplos da puríssima Virgem e lhe tributaram homenagens com a sua munificência; e, por último, igrejas e basílicas erguidas em sua honra com esplendor régio.

 

O Papa faz um pedido «profético: – Mostra-te Mãe!

Agora, ó Veneráveis Irmãos, a Nossa exortação volta ao ponto do qual partiu. Eia, pois! que todos, pastores e rebanhos, especialmente no próximo mês, se coloquem, cheios de confiança, sob a proteção da augusta Virgem. Em público e em particular não cessem, com cantos, orações e votos, de invocar e suplicar concordemente a Mãe de Deus e Mãe nossa: “Ah! mostra-te Mãe!”. Que a sua clemência maternal queira preservar de todo perigo sua família inteira: que a conduza a uma verdadeira prosperidade, e sobretudo a estabeleça na santa unidade. Guarde ela com benevolência os católicos de todas as nações, e, unindo-os pelos vínculos da caridade, torne-os mais ativos e mais constantes em sustentar a honra da religião, da qual promanam, mesmo para os povos, os bens mais preciosos. Guarde, depois, com uma benevolência também os dissidentes: essas grandes e ilustres nações, essas almas eleitas, que sentem a dignidade cristã. Suscite nelas salutares desejos, e depois os alimente e os leve a cumprimento. Redundem em vantagem dos dissidentes orientais a ardente devoção que eles professam para com Nossa Senhora, e os numerosos feitos realizados pelos seus antepassados para a glória dela. Depois, em vantagem dos dissidentes ocidentais redunde a lembrança do salutar patrocínio com que ela teve como cara e recompensou a extraordinária piedade que todas as classes sociais lhe professaram por muitas gerações. Para estes dissidentes e para todos os outros, onde quer que se achem valha a voz unânime e suplicante de todos os povos católicos, e valha a Nossa voz, que até o último alento invocará: “Mostra-te Mãe!”.

Note-se como nesta Encíclica sobre nossa Santíssima Mãe, o Papa está preocupado com a divisão na Cristandade e a desastrosa falta de unidade dos separados ortodoxos.

Lembra então que o remédio está na comum devoção a Ela, no apelo a que a Mãe se «mostre» para ajudar a humanidade.

Tendo vivido na época terrível em que a Revolução tentava abater a Igreja e a Cristandade, e no tempo que Nossa Senhora aparecera em Paris (Rue du Bac) e na montanha deLa Salette, com as espantosas profecias que conheceu, é como se pedisse a volta da Mãe para indicar a solução.

Podemos dizer que isto aconteceu em Fátima em 1917? O fato é que Nossa Senhora veio ali para indicar ao Papa uma solução que passava pela consagração da Rússia, o Império de uma ortodoxia de ruptura, ao Imaculado Coração de Maria, que encerra a sublime ortodoxia Católica.

Nossa Senhora «mostrou-se» e Deus autenticou Sua aparição com o explêndido e único Milagre do sol. Mas sua mensagem profética não foi atendida; continua arquivada em muitos espíritos como mera «revelação privada»!

Rezemos para que chegue o dia em que os católicos compreendam que é a letra da lei e da disciplina que serve ao espírito da Fé, e não o contrário, quando é a lei, justamente como ensina o Apóstolo, que mata com os tiros e setas de seus soldados. É essa «lei», que ab-roga o espírito, a reconhecer «autoridade» em modernistas que destroem a Igreja e Fátima.

Que nos valha a voz, que até o último alento invocará: “Mostra-te Mãe, para socorrer-nos!”.

2 Respostas para “A PAIXÃO DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

  1. Pro Roma Mariana março 26, 2012 às 11:02 am

    Sim, é como se um último papa, antes da hecatombe papal vista no Terceiro Segredo, pedisse a volta da Mãe de Deus para indicar à Igreja a solução. Mas Ela já havia respondido com um pedido que proporcionaria um grande milagre na ordem das Nações: a conversão da Rússia!

    Podemos dizer que isto aconteceu em Fátima em 1917? O fato é que Nossa Senhora veio ali para indicar ao Papa uma solução que passava pela consagração da Rússia à Fé Católica.
    Deus autenticou o pedido com o incomparável Milagre do sol. Mas a mensagem profética não foi atendida; a conversão da Rússia deve ser precedida pela conversão «católica».
    Hoje até os bispos da FSSPX continuam a pedir a consagração, mas continuam esquecidos que essa segue e não precede a conversão de Roma. Nada pode vir de «papas conciliares», que devem ser exorcisados. Rezemos para que chegue o dia em que os católicos entendam ique o poder aparente deste mundo não é de Jesus Cristo, mas do espírito que suscitou a «autoridade» de modernistas que destroem a Igreja e Fátima. Na «fé ecumenista» não pode haver conversão alguma. Que nos valha a voz suplicante “Mostra-te Mãe, para socorrer-nos!”, mas conscientes que os católicos devem testemunhar a verdade para merecê-lo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: