Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

2012 – O Segredo de Maria e o Mysterium iniquitatis

A festa religiosa que abre o Ano Novo é a da Circuncisão de Jesus.

O Único que não precisava de circuncisão, não deixou de recebê-la.

Era o Messias, o Desejado das Nações, mas «Sinal de Contradição» para o mundo, que Simeão descreve segundo o Evangelho de São Lucas:

«Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão. Era justo e piedoso. Esperava a consolação de Israel e o Espírito Santo estava com ele.  E o Espírito Santo tinha revelado a Simeão que não morreria sem primeiro ver o Messias prometido pelo Senhor. Movido pelo Espírito, Simeão foi ao Templo. Quando os pais levaram o Menino Jesus, para cumprirem as prescrições da Lei a seu respeito, Simeão tomou o Menino nos braços e louvou a Deus, dizendo: «Agora, Senhor, conforme a tua promessa, podes deixar o teu servo partir em paz. Porque os meus olhos viram a tua salvação, que preparaste diante de todos os povos: luz para iluminar as nações e glória do teu povo Israel».

«O pai e a mãe estavam maravilhados com o que se dizia do Menino.

Simeão abençoou-os e disse a Maria, mãe do Menino: «Eis que este Menino vai ser causa de queda e ressurreição de muitos em Israel. Ele será um sinal de contradição. Quanto a Ti, uma espada transpassará a Tua alma, a fim de que sejam revelados os pensamentos de muitos corações» (Lc 2, 25-35).

Os pensamentos secretos de muitos

O impulso natural da consciência é pensamento simples, para fora, ao encontro do Pensamento de Deus. Nele o pensamento guia às retas ações.

Porém o corpo suscita outro pensamento; de felicidade própria voltada para dentro.

Todo homem aspira à felicidade e no fundo de sua alma sabe que esta só se encontra na Verdade, no plano divino para a sua história humana: na Fé em Deus, que é o Amor infinito de Criador. Verdade una que desce sobre toda consciência humana que a procura.

Se esta pensa criá-la e possuí-la, eleger o seu messias e seus profetas com o próprio pensamento incorre em fatal desvio.

A Verdade, mesmo negada pelo mundo moderno, é Uma e Una.

Falhados os pensamentos humanos, pelos quais “todos se extraviaram” (Rm, 3,12), com êxito espantoso, que se volte para a Verdade sem contradições do Pensamento de Deus encarnado. Foi o seu repúdio que transpassou o Imaculado Coração de Maria. E isto aconteceu ao longo da história humana, e continua no presente, o que pede católica reparação.

 

Um conhecimento revelado, de verdade e de bem, é o modo com que o Senhor manifesta ao homem o seu poder e amor absolutos. Não Se quis manifestar com a tremenda energia com que criou do nada o universo, mas com a força da Palavra suave que faz entender aos homens a Verdade; esta nos fará livres e nos conduzirá a Ele.

Nossos primeiros pais caíram ao falhar no Seu reconhecimento.

E nós? Como recebemos hoje os sinais deste conhecimento que estão em forma essencial na Revelação e nas mensagens divinas?

Vamos lembrar brevemente a sua história nos tempos modernos, porque vivemos hoje o epílogo da corrupção do Pensamento Católico.

A falsa reforma protestante do pensamento religioso – Verdade, Ordem, Autoridade, Amor, o que fez o livre exame se não tornar incompatíveis estes termos essenciais para a formação da consciência de cada homem? O Princípio revelado do Bem e da Justiça é um só, como o da autoridade e da ordem, que derivam da Verdade de Deus, que é Amor. De qual outro princípio podem derivar as leis humanas?

O princípio da justiça concerne à natureza da verdadeira autoridade, não só para as almas, mas para as sociedades de todo tempo e lugar; transcendem a ordem humana e definem uma hierarquia de valores. Estes princípios revelados são guardados na Terra no lugar estabelecido por Deus: na sua Igreja. A Igreja mesma e a sua autoridade são um princípio divino.

Estes princípios são como realidades; podem ser negados para desgraça dos desviados, mas não podem ser «reformados» ou aggiornati por ninguém. Eles são o que são, como tudo o que vem do Pensamento de Deus. Todavia, o orgulho dos reformistas tentou reformá-los e a Igreja para a desgraça da vida humana na Terra. Negaram o poder divino do Papa.

Mas a corrupção luterana ainda não estava completa.

A nova formação cristã das consciências, seguindo os desígnios da infinita sabedoria divina, se realiza à luz da Redenção sobrenatural e do Sacrifício que ela custou a Nosso Senhor Jesus Cristo.

Assim sempre ensinou a Igreja, que suscita os homens à imitação do divino Redentor.

Inversamente, vê-se que o processo de desvio na formação da consciência religiosa, moral e mesmo civil das gentes – que leva à grande apostasia – parte de uma «nova idéia de redenção». Pudera, o Inimigo maligno é o «macaco de Deus»!

Eis pois como situar a idéia de «redenção universal», a «redenção» automática de todos; «redenção ecumenista» sem necessidade da conversão à Palavra e ao Sacrifício de Jesus Cristo. Isto foi introduzido pelo Vaticano 2 e seus pedagogos, nutridos pelo «pensamento secreto» de aproximar e modernizar os protestantes.

É o que se vê com os «papas conciliares» que, como autores e promotores do Luterano 2, se empenham a superar os reformistas. Negam a soberania divina sobre a Sociedade humana. Mas há uma multidão, até de consagrados, que tem a fé posta nestes renegados!

O exórdio e o epílogo dos pensamentos secretos

Eis nos de novo no livro da Gênese onde nos é dito que será a Mulher a vencer o inimigo de Deus e dos homens. Inimigo que, na nossa era conseguiu suscitar um medonho leviatã para impor pensamentos de ideologias letais, produto de erros filosóficos nefastos, que infiltraram-se em todo o mundo minando até a vida da Igreja.

Para ajudar a humanidade Nossa Senhora, em 1917, nas vésperas da revolução bolchevista, confiou a três pastorzinhos de Fátima a Mensagem que avisava contra os erros esparsos no mundo pela Rússia e contra os perigos crescentes que pairavam sobre o mundo, se os homens não tivessem seguido o caminho reto: depois da devastadora I Guerra mundial viria “uma outra guerra pior”. Se nem assim o mundo mudasse, viria um terceiro flagelo, mais desastroso que as guerras e com uma natureza de tal modo enganosa que então pareceria incompreensível e portanto, devia ser mantido secreto até 1960.

A Mensagem era porém mal vista pelos clérigos racionalistas e modernistas que, enquanto reconheciam pelas inegáveis evidências a aparição e o milagre do sol, presenciado por dezenas de milhares de pessoas (e testemunhado também por jornalistas ateus), negavam toda a parte respeitante a Mensagem. Parte que chamavam Fátima 2 para distinguí-la daquela “aceitável”, Fátima 1 (P. Dhanis SJ.).

Um aviso celeste, segundo eles, só podia pedir orações e penitência. Eles negavam a possibilidade de uma intervenção divina na história humana: milagres e aparições seriam sinais pirotécnicos para animar a religiosidade popular, nunca sigilos extraordinários para avalizar a divina Vontade. E este foi o «pensamento» dos que apareciam como «papas» católicos, para melhor reduzi-los e liquidá-los com o pensamento do mundo e dos protestantes!

Eis o epílogo dos «pensamentos secretos» que a dor de Maria revelou em Fátima.

A Intervenção da Santíssima Virgem Maria na história é um fato escritural confirmado pelos Papas. A fé cristã se funda na intervenção de Deus na história através de Jesus Cristo, seu único Filho, concebido pelo Espírito Santo e nascido de Maria Virgem.

E a intervenção divina na terra continua através da Igreja, na medida da necessidade de ajuda que têm os homens de boa vontade. Se manifesta pelos Sacramentos, pelo Magistério, e pelos eventos proféticos reconhecidos pela Igreja.

Característico na linguagem papal de todos os tempos são as invocações e a gratidão pela continuidade das ajudas sobrenaturais decisivas, sinais de alcance histórico desde o início do Cristianismo para sustentar a Fé, constantemente ameaçada pelo mundo, onde aumenta a ação de seus poderes sobre as almas.

Pio XII, 26/4/1958, 1518: “Nenhuma circunstância, especialmente nenhuma hora de trepidação e de choro, passou para a Igreja, – podemos pensar – sem que se sentisse a assistência materna de Maria. Toda vez que pareceu iminente a descida da noite sobre o mundo, viu-se aparecer no céu Maria, estrela da manhã. Quando o suor das enormes fadigas molhou a fronte da Igreja, quando os olhos dela se molhou de lágrimas, quando as suas carnes, como as carnes de Jesus, foram atormentadas até a cruz, a Igreja teve sempre perto Maria, Mãe dolorosa.[…] Pela sua intervenção não faltou nunca a proteção à Igreja, quando foi alvo de assaltos violentos ou de insidiosas traições. Assim a história dos triunfos da Igreja é a história dos triunfos de Maria.”  Por isto declarou em agosto de 1958, nos seus últimos dias a um grupo de peregrinos americanos conduzidos pelo padre Leo Goode: “Acreditais em Fátima?.. O tempo de duvidar de Fátima já passou. Agora é o tempo de agir.” (FGS, p. 73) Mas a ocasião propícia passara para o Papa.

 

O sentido das intervenções de Maria é de revitalizar nos fiéis a Fé pela qual morreu na cruz seu Filho. Estas intervenções não se realizam nunca sobrepondo-se a decisões da Hierarquia católica, mas em ajudá-la na missão de defesa da fé e da identidade católica.

Nenhum povo está excluído destas atenções maternas, que porém assumiram relevo extraordinário em nações que foram veículos da difusão da Fé e vivendo no centro de reviravoltas históricas, passaram por particulares perigos.

Trata-se hoje da descristianização do Ocidente.

Eis que a aversão do mundo anticristão à devoção mariana, e especialmente à Fátima, é emblemático. Nossa Senhora apareceu em Portugal em 1917, às vésperas da Revolução bolchevista, para avisar do perigo mundial dos “erros espalhados pela Rússia”.

Pode-se negar a urgência desse aviso? Mas para os modernistas o perigo era a devoção à uma “Madona política”!

Porque um segredo para 1960? Porque então será mais claro!

O que é que começava a ser claro então senão uma reviravolta na vida da Igreja depois da morte de Pio XII?

Na encruzilhada da história, ao invés de manter a rota da Igreja, tentava-se desviá-la com «pensamentos secretos» noutra direção.

Pelo que se viu acima não se trata de dilema real, pois a Igreja existe para guiar os homens e as sociedades segundo o mandato recebido.

E as intervenções marianas foram sempre um estímulo e um exemplo dessa missão indicada por Deus. Portanto, agora se trata de verificar, também à luz das Aparições marianas, a mutação que se quis operar na missão da Igreja, sabendo que à uma outra missão corresponde uma outra igreja.

Sobre o Trono de Pedro subira depois de Pio XII alguém que não considerava, na sua mente, necessário defender a missão da Igreja, mas abri-la ao mundo.

Hoje conhecemos o alcance deste aggiornamento. E isto demonstra ainda mais a oportunidade e a natureza profética do Segredo, sinal de contradição da hora presente.

Simeão havia profetizado a Maria: “Este menino é destinado a ser causa de ruína e de ressurreição de muitos em Israel; sinal de contradição; e uma espada transpassará a tua alma, a fim de que sejam desvelados os pensamentos (secretos) de muitos” ( Lc 2,35).

A história de Fátima e o Papado – Cada sinal profético tem a força do uso que dele se fez. “O que acolhe um profeta na qualidade de profeta, receberá a recompensa do profeta”(Mt 10, 41). Ao contrário, se não há autoridade que entenda os perigos que a profecia denuncia, estes “chegam como um ladrão!” Então será tarde.

Se o Aviso divino que denunciava a perda da fé foi seqüestrado em nome da autoridade, uma coisa de certo esta demonstrou, que esta mesma «autoridade, que se pronuncia em nome do Papado e da Hierarquia católica, está no centro da «profecia de desgraças»!

Porque se pode e se deve crer que virá o esplendor de uma restauração da sociedade humana? Porque esta esperança deriva da Revelação; está nos planos divinos, como a final conversão dos Judeus.

Depois da desgraça o esplendor 

Porventura desviaram (os Judeus) de maneira a caírem para sempre? Não, certamente. Pelo seu delito, veio a salvação para as Gentes, incitados à emulação.  Ora, se o seu delito foi a riqueza do mundo, e a sua declínio a riqueza das Gentes, quanto mais a sua plenitude?… Se a perda deles foi ocasião para a reconciliação do mundo, que será a sua restauração (a conversão à Fé), senão uma ressurreição dentre os mortos?

Esse duplo testemunho é necessário, porque há que saber como se deve agir.

O homem deve operar guiado pelo Bem. Muito mal foi feito e continua sendo feito devido a «pensamentos secretos» desligados do Bem, principalmente em matéria religiosa.

Ora, até os mais fiéis hoje estão desnorteados porque, já tendo sido foi dada por Jesus Cristo a missão de conversão à Igreja, haveria que continuar a fazer o que sempre foi feito sob a direção de papas e bispos católicos. Mas que fazer quando o ‘pastor foi ferido e a grei se dispersou’, por culpa humana? Que fazer diante de uma «nova igreja ecumenista-conciliar» que dispensa a conversão à Igreja Católica?

Há que remover a causa dessa culpa, para merecer o retorno ao Pensamento precedente.

Há que voltar ao testemunho essencial da Fé, à razão porque o Senhor morreu crucificado. Há que voltar ao testemunho da dupla verdade relativa à vida humana, ontem, hoje e sempre:

– a perfídia da decadência de todos os homens, que tem seu ponto culminante no nosso tempo com a perfídia conciliar;

–  a Redenção divina da decadência pessoal e social dos homens.

Esta atinge um ponto culminante no nosso tempo.

A intervenção de Maria, a Mulher forte, por fim triunfará segundo os planos de Deus.

Nasceu sem mancha e sua alma foi trespassada pelas manchas de todos nós e o Povo eleito que não recebeu Jesus.

A Ela foi confiado o poder de operar o grande milagre que assombrará toda a Terra para a conversão geral ao Pensamento de Deus, no triunfo da Rainha da Paz.

Nossa parte está no duplo testemunho da verdade sobre a miséria humana e a glória divina.

Nele confiamos a causa de nossa conversão e da Rússia e dos Judeus e de todo o gênero humano, por meio do Imaculado Coração de Maria com Suas lágrimas de sangue sobre nós. Só a Mãe puríssima nos pode ajudar a responder ao amor do Sagrado Coração de Jesus.

E só no Sinal de Seu Nome seremos salvos da letal contradição dos pensamentos do mundo.

Louvado seja o Nome de Nosso Senhor Jesus Cristo e de Maria!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: