Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

FATHER OSWALD BAKER, DEFENDER OF THE FAITH

Arai

 

The Telegraph, 15 Jul 2004

Father Oswald Baker, who has died aged 89, attracted national attention in 1975 when he insisted on using only the traditional Tridentine Latin Mass in his Roman Catholic parish of Downham Market, Norfolk, instead of the new liturgy imposed following the Second Vatican Council.

A significant number of priests was distinctly tepid about the pedestrian modern English substitute for the rite which had been introduced by Pope St Pius V in 1570; and some discreetly obtained permission to continue using the traditional Latin on the grounds that they were too old to change. But the authorities in Northampton diocese felt that they had to act against Baker because he declined to offer the new Mass in a rural area where it was otherwise unavailable; they found themselves confronted by a steely rebel.

It quickly became clear that Baker enjoyed strong backing from the majority of his parishioners, who formed a “1570 Society” to support him. Catholics started coming from all over the country to hear his Sunday Masses; and lay people throughout the English-speaking world wrote in their hundreds to assure him of their wholehearted agreement with him.

At a time when toleration was supposed to be in vogue, the Catholic Church was particularly embarrassed to find itself looking both narrow and tyrannical.

As the situation developed Baker showed every sign of enjoying himself. He made barbed remarks about Masses which made use of pop music and “sensuous dancing girls”. The Daily Telegraph, which often had a reporter in the congregation, recorded one sermon in which he pointedly referred to St John of the Cross, who was jailed by his superiors for his beliefs in the 16th century, then was released to become Vicar General of Andalusia.

To general laughter from his parishioners, Baker continued: “There is something about them, these priests who gain a misleading reputation for disobedience.” He then added: “These bishops. They will have their little joke.” Meanwhile, the new parish priest dispatched by Bishop Charles Grant was celebrating the new liturgy for a minority of Downham Market Catholics in the town hall.

After politely refusing twice to obey his bishop’s orders to celebrate the new rite or to resign, Baker was formally suspended as parish priest of St Dominic’s by a decree of removal. The couples he married from then on had to have a civil service before they came to his chapel, but there was no attempt to deprive him of his faculties to celebrate Mass.

Baker eventually gave up the church, too, though he was allowed to keep the presbytery; and benefactors bought, for £15,000, a house in the town to serve as his chapel. From there he continued his ministry, which intensified his fight against the Vatican II reforms.

Oswald Charles Baker was born on May 1 1915 in the Angel Hotel at Clowne, Derbyshire, where his father was the landlord. The family moved to Great Yarmouth, where he attended the grammar school. Young Oswald soon lost his provincial accent. He went to the Jesuits’ Campion House in Middlesex before going to the prestigious French seminary to become “a gentleman of St Sulpice”; but, in 1938, he was asked to leave after publishing an article suggesting that the Treaty of Versailles had been too severe on Germany to be the basis of a lasting peace. “I was always a rebel,” he later recalled. On returning home Baker offered himself to the Jesuits, but this was in the days before the Society of Jesus looked kindly on rebels; and Baker was earning a living selling books in Glasgow when a Dominican he met suggested that he become a friar. But that did not work out either, and he eventually met a secular priest at Hyde Park, who recommended he go to Oscott seminary at Birmingham. After being ordained priest in 1942, Baker served as a curate at Luton, High Wycombe and Wyndham, Norfolk, before going to Downham Market in 1949.

After the battle with his bishop, he initially rejoiced when Archbishop Lefebvre’s Society of St Pius X sent young priests to England. Like Baker, these die-hards considered that in refusing the new Mass they were following in the footsteps of the Reformation martyrs who had refused to accept the introduction of Protestantism.

But when Lefebvre visited Baker, the latter thought that the nominal recognition granted the Frenchman by Pope Paul VI and Pope John Paul II was a sign of weakness. Firmly adhering to Cardinal St Robert Bellarmine’s teaching that a heretical pope automatically loses his office, Baker found himself branded a “sedevacantist” (one who believes that the see of St Peter was vacant).

In 1984 he explained to an astonished reporter that the present Pope was “no more a Catholic than Ian Paisley – and no more a pope than Billy Graham”. He added that “the new Mass is a sacrilegious parody of the true Mass: it is sinful to take part in it.”

He maintained to the end that, despite what any bishop might say, he still occupied his office of parish priest.

As an assiduous reader of The Daily Telegraph, he would write letters to correct what he judged to be faulty grammar or faulty theology. He was convinced that the one led to the other. One letter, which attacked an article about the Pope and contraception, informed the editor that this had contained the paper’s most erroneous statement since it had criticised Catholic objections to a visit to Britain by President Tito of Yugoslavia in 1953.

Gradually Baker’s congregation dwindled to about 20, though it would swell when the film producer Mel Gibson, who bought a house nearby, appeared for Sunday Mass and stayed for coffee afterwards. Seven years ago, Baker vacated the presbytery; and though crippled by spinal trouble, he continued to stagger to the altar to mutter a rapid Mass. A quiet, kindly man who had been a practitioner of martial arts in his younger days, on July 2 Father Oswald Baker declared: “I am ready to die” – which he then did.

Nestes dias que precedem a alegria do Santo Natal, temos também tristezas a lembrar.

Dia 18 completa-se um mês do falecimento do Rv. Sacerdote Doutor Luigi Villa, Diretor de Chiesa Viva, revista católica que, em 42 anos e 454 números regulares, procurou formar uma resistência clerical à revolução conciliar dos «anticristos na Igreja de Cristo». Tendo colaborado com ele nos anos Oitenta , posso testemunhar sua coragem, que era porém condicionada pelas «autoridades romanas»… que contestava. Quando morreu, um amigo canadense que o havia visitado junto aos Gibson contou-me que ele se dirigiu a Hutton repetindo saber que ele considerava inválida a missa que celebrava. A mim dissera que celebrava as duas, apesar de publicar artigos nossos contra o Novus Ordo de Paulo 6! Resultado: teve um funeral todo conciliarista. Dia 18 próximo Padre Floriano Abrahamowicz vai a Brescia para que, por fim, tenha o póstumo conforto da Santa Missa Católica.

Dia 19, faz um ano do falecimento do querido amigo Tom Chapman, que foi sempre um destemido católico sem compromissos. Amigo do valente Padre Oswald Baker, o grande resistente da Tradição católica na Inglaterra. Como editor do «Catholic Crusader», publicava regularmente seus artigos na parte da «Cartas de Downham Market». Deve ter sido por essa razão que a FSSPX baniu a distribuição do periódico nas suas capelas. Foi também curador do que restava da «Britons Catholic Library», que hoje está em nossa Casa de Nazareth em Aljustrel. Tom veio morar em Portugal com a família, no Algarve, onde estive para o casamento das duas filhas, celebrados pelo nosso capelão P. Hermann Adam. Tom era membro da nossa Fundação Pro Roma Mariana, e na última reunião em que esteve presente contou-nos de suas duas viagens à China, à procura de um bispo que entendesse o que acontecia em Roma. Lamentamos não ter conseguido para ele um funeral tradicional, como mereceu. Mas sabemos bem que é Nosso Senhor o único que pode compensar além de todas as névoas deste mundo.
Ao renovar nossa sentida homenagem a este grande católico, vamos falar do grande amigo comum, o exemplar lutador da Igreja na Inglaterra que foi o Padre Baker.

Com este fim, publicamos o obituário da sua morte pelo insuspeito jornal «The Telegraph» acima.

Eis nossas breves observações, também relativas à foto do Padre com Mgr Lefebvre, que retrata bem uma meditada perplexidade, que tentaremos explicar.

Como ficou logo claro, «a mais horrível blasfémia» dos heresiarcas protestantes, que não eram reformistas mas revolucionários, foi a prioridade que deram à destruição da Missa, antes mesmo que ao abatimento do Papado. A derribada da Missa seria a derribada da Igreja. Os mesmos escritos desses «reformistas», provam que estavam unidos no ódio à Missa. São palavras do livro «Liturgical Revolution – Cranmer’s Godly Order» de Michael Davies que constituem o Vº capítulo do livro que este autor dedicou ao Father Oswald Baker, Defender of the Faith. Como se sabe, este foi o 1º da série de três, que bem documentam a maldita revolução, descrita por outros como «The Great Sacrilege» (Fr. James Whaten), entre outros em diversas línguas, que apareceram até hoje sobre o novo «sacrifício de Caim».

A verdade histórica é que com a derribada do Papa católico em 1958 na eleição do modernista filo-maçom Ângelo Ronalli – que assumiu o nome do antipapa João XXIII – se completou a derribada vista na hecatombe do Segredo de Fátima: o Papado católico foi aberto para a tomada de posse de artífices da protestantização de uma nova missa para a tal «religião mais universal»!

Johannes XXIII

Era o velho plano dos inimigos da Igreja: obter um papa segundo o que mira o tal mundo moderno que, come se sabe, inclui a série de revoluções, reformas e conspirações anti-cristãs de vinte séculos.

Ora, seu alvo final sempre foi o sacrilégio de introduzir na Missa católica uma transformação radical. Esta foi, por exemplo a sedição litúrgica de Cranmer, ao gosto do apóstata Henrique VIIIº. Mas isto ficaria tão evidente para os fiéis ingleses que o Vaticano de Paulo 6, informado disso pelo card. Heenan em 1969, adiou a operação por cinco anos. Esse cardeal dizia abertamente que era loucura introduzir logo o novo ordo (similar ao de Cranmer), sem fazê-lo aos poucos com muito cuidado. Claro, para melhor enganar os ingleses que há séculos, mesmo a custa da própria vida, recusaram a celebração anglicana.

Diversos consagrados reagiram duramente pelo mundo afora à missa protestantizante de Montini-Bugnini. Na Inglaterra a real resistência veio do Padre Oswald Baker. Por isto Mgr Lefebvre foi encontrá-lo (foto), mas as suas descrições do grande mal não acusavam a causa mesma da derribada; descreviam efeitos sem causas e isso não podia edificar muito alguém que tinha por objetivo toda a verdade sobre a autoridade na Igreja; sobre a ilegitimidade de um eleito papa, com fé alterada.

O Padre passou pois a tentar fazer reagir os católicos ingleses com essa dura mas inevitável verdade: “The present «pope» is «no more a Catholic than Ian Paisley  [o pastor da Irlanda do Norte que depois chamaria em público JP2 de anticristo] – and no more a pope than Billy Graham». And added: «the new Mass is a sacrilegious parody of the true Mass: it is sinful to take part in it.»”

Não se referia à multidão que ignora e é completamente enganada sobre a Missa; posso testemunhar ser também o que pensava Mgr Lefebvre, isto é, que frequentar a missa nova, sabendo o perigo que representa para a Fé. é pecado mortal. Isto sem falar do pior: participação num sacrilégio. Portanto é o que dizem baixinho também muitos padres da FSSPX.

Eis a dupla contradição final diante de Deus em que Padre Baker esperava não ver cair os verdadeiros católicos. Se havia sacrilégio e blasfêmia, como o sabia o Arcebispo e como o relatou academicamente Michael Davies e tantos bons autores, e isto ficou cada vez mais evidente com novas missas que vai dos «quilombos» à da revolta dos «sem terra» no Brasil, celebradas até em lojas maçónicas do grande «arquiteto», que acordo podiam querer entre Cristo e Belial? E como aceitar que os promotores do «grande sacrilégio», «canonizado» pela nova igreja conciliar, sejam representantes de Deus; vigários de Cristo?

Em questões desta ordem, como pode um católico, especialmente se consagrado, contentar-se com explicações em tom diplomático que descreve efeitos sem as causas; que antes de ter certezas preferem tentar compromissos? Eis o mal original que carcome o cerne dessa resistência postiça; de uma geração que ficará na história, não pela ignorância, que pode desculpar, mas ao contrário, pela consciente, declarada e confirmada «fé» na «autoridade divina» de nefandos heresiarcas que, embora denunciados por Mgr Lefebvre como «anticristos no Vaticano», procuram conviver com eles no mistério da iniquidade; um falso magistério iluminista e ecumenista, contrário à Lei e portanto em pérfida ruptura com a Fé da Santa Igreja.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: