Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

BREVES NOTAS SOBRE AS DIABÓLICAS ESTRATÉGIAS DA MAÇONARIA

Chave VII 

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Nunca, em toda a História Universal, uma instituição se auto-renegou, como pretendeu faze-lo, de uma forma tão odiosa, tão rápida, tão profunda, e tão extensa, uma face humana da Igreja com o Vaticano II. Mas como a Pessoa Moral de Direito Divino da Santa Madre Igreja é indefectível, que poder infiltrara-se nela para tal auto-demolição?
De facto, essa diabólica operação não procedeu do nada, os seus fundamentos próximos remontando a meados do século XIX. Por essa época, em todo o mundo ocidental de Tradição Católica, a franco-maçonaria começou a tomar enorme vigor, infiltrando-se em todos os governos e até mesmo na Santa Igreja. É necessário esclarecer, que depois da revolução de 1789, o regime constitucional de união entre a Igreja e o Estado, na Europa e na América Latina, foi utilizado de forma intrinsecamente perversa: EM VEZ DE OPERAR COMO BRAÇO SECULAR DA SANTA IGREJA, COMO ERA SEU DEVER, O ESTADO UTILIZOU O REGIME DE UNIÃO PARA TENTAR DESTRUIR A MESMA IGREJA. Foi assim em França, com a Constituição de 1791 e com a Constituição de Luís XVIII, em 1814; foi assim no Império Brasileiro com a Constituição de 1824, redigida pelo maçon D. Pedro, e na Constituição de 1822 e na Carta Constitucional de 1826, esta também outorgada por D. Pedro, em Portugal.

Infelizmente estas manobras satânicas já haviam sido longamente preparadas pelas chamadas monarquias absolutas que se constituíram sobretudo depois da Paz de Vestefália em 1648 (condenada pelo papa Inocêncio X), a qual havia selado a divisão religiosa na Europa, bem como a apostasia da sociedade internacional face à soberania universal do sucessor de Pedro.

Convém aqui dilucidar criteriosamente que a doutrina da Santa Madre Igreja nunca consagrou a teoria do “rei absoluto.”A Santa Madre Igreja defendeu sempre a monarquia orgânica (rigorosamente hereditária ou não, moderada ou não pelo elemento aristocrático e até podendo ser moderada por um elemento democrático, necessariamente restrito, qualificado, e ANTI-REVOLUCIONÁRIO) fundamentada no essencialismo metafísico e no Direito Divino Sobrenatural, representado pela Cátedra de São Pedro, verdadeira cúpula da sociedade internacional. Como sapientemente declarava a Bula “Unam et Sanctam” do Papa Bonifácio VIII (1302) : Todo o Poder espiritual e temporal foi outorgado ao sucessor de Pedro. Por disposição de Nosso Senhor Jesus Cristo o Sumo Pontífice confia a espada temporal a César, que a deverá usar para o bem da Igreja. Situamo-nos assim muito longe das quase heréticas doutrinas de Suarez (1548-1617) e Vitória ( 1492-1546); ambos consagravam, nas novas civilizações então descobertas, um fundamento natural de poder praticamente independente da ordem Sobrenatural. Se constituíssem tal poder como independente também no plano de Direito, teriam sido formalmente heréticos e até apóstatas. O recente livro “A religião do Homem,” do Padre Calderon, procedeu, com imensa erudição, a um reposicionamento verdadeiramente tradicional desta questão. Advirta-se, entretanto, que a fina-flor de uma nação pode, por vezes, designar (orgânica e essencialmente, não numa matriz individualista) o chefe duma nova dinastia, MAS NÃO CONSTITUI A FUNÇÃO; esta última encontrando seus fundamentos no Direito Divino Sobrenatural, de que a Santa Madre Igreja foi por Nosso Senhor Jesus Cristo constituída a única depositária. QUEM PODE O SOBRENATURAL, PODE O NATURAL EM ORDEM AO SOBRENATURAL.

Ora as já referidas monarquias absolutas, sobretudo em França, Luís XIV, Luís XV e Luís XVI, subalternizaram, tendencialmente, a religião e a Santa Igreja, relegando-as a um ornamento do Estado. Recorde-se que a “enciclopédia dos filósofos” começou a ser publicada em 1751, numa quase legalidade.

O despotismo iluminado, nos finais de século XVIII, este sim, já inteiramente dominado pela maçonaria, colocou de parte muitas aparências e considerava a religião útil apenas como instrumento de coesão político-social; constituindo o Marquês de Pombal talvez o maior e mais infeliz expoente desta corrente.

O Constitucionalismo liberal do século XIX, como já referimos, operou mais um degrau no seu afã diabólico: a destruição da Igreja Católica. Este constitui o objectivo último da maçonaria, de todas as obediências maçónicas, ditas regulares ou irregulares, apenas divergindo nos métodos, mais radicais nos chamados irregulares.

A destruição do poder temporal dos Papas constituiu um propósito raivosa e satanicamente prosseguido já por Napoleão, o mentecapto, mas que só foi inteiramente conseguido em 1870, com a conquista de Roma. O que os papas sofreram nesses anos demonstra bem A VERDADE, A BONDADE, A UNIDADE, A SANTIDADE DA SANTA IGREJA CATÓLICA, E DEMONSTRA AINDA COMO TODAS AS FORÇAS DO MUNDO: LIBERAIS, PROTESTANTES, COMUNISTAS, PAGÃOS, TODOS SE UNEM QUANDO SE TRATA DE COMBATER A SANTA MADRE IGREJA. Já Voltaire afirmava que o papa, uma vez despojado do seu domínio temporal, se converteria em simples capelão do Imperador

A unificação Italiana realizada pela maçonaria à custa dos Estados Pontifícios, constituiu um grande triunfo para Satanás que, como dissemos, procurava e conseguia laicizar todos os estados de antiga tradição católica. A maçonaria nunca se preocupou, nem se preocupa, com os estados de confissão protestante. Quem se lembra por exemplo que a Inglaterra, a Suécia, a Noruega a Dinamarca, SÃO ESTADOS CONFESSIONAIS PROTESTANTES? Mas isso só significa que esses estados PERTENCEM A SATANÁS  DESDE A REFORMA, pois que a maçonaria mais não é do que um desenvolvimento político-estratégico da Reforma.

Todavia faltava ainda o SUPREMO ATENTADO, O SUPREMO DEICÍDIO, O SUPREMO SACRILÉGIO: Impotente para destruir a Santa Igreja a partir do exterior, a maçonaria, inspirada por Satanás, e com permissão de Deus, PARA CASTIGO DOS NOSSOS PECADOS, intentou conquistar a face da Igreja a partir de dentro (não a Pessoa Moral de Direito Divino, que é indefectível, como já se afirmou) .

Deus Nosso Senhor só pode ordenar positivamente o Bem em si mesmo, mas pode permitir um determinado mal ( e neste caso o supremo mal) enquanto providencialmente integrado no conjunto mais vasto e harmónico da Criação, precisamente com a função de castigo colectivo.

A conquista da face humana da Santa Igreja pela maçonaria iniciou-se no século XIX, como já referi, mediante a introdução nos seminários de indivíduos mandatados pela seita, segundo uma concepção estratégica tendencialmente subliminal, isto é: Conhecedores da psicologia humana, os maçons sabem perfeitamente que AQUILO QUE É FORMALMENTE ADVERTIDO PELA CONSCIÊNCIA COMO TAL, PODE SER MUITO MAIS EFICAZMENTE COMBATIDO, DO QUE SE NÃO SE PROCESSAR ESSA ADVERTÊNCIA. Neste quadro conceptual, o plano dos inimigos da Santa Igreja consubstanciava-se em utilizar as aparências cristãs (litúrgicas, semânticas e jurídico-canónicas) para fazer passar o veneno mortal do liberalismo, não advertido formalmente como tal pela consciência, ou seja subliminalmente. Uma vez assimilado pela consciência sem defesas, o vírus mortal do liberalismo aniquilaria todo o Dogma, toda a moral, e toda a sã filosofia. Ora tudo isto só podia ter sido inventado pelo diabo, o inimigo de Deus e dos homens, e colocado em acção pela maçonaria internacional.

Desgraçadamente já no século XIX havia bispos filiados na seita. Em Portugal, por exemplo, o Cardeal Saraiva, Patriarca de Lisboa, (1776-1845), D. José da Silva Torres, Arcebispo de Goa (1800-1845), D. Alves Martins, Bispo de Viseu, (1808-1882), D. Ayres de Gouveia, bispo de Calcedónia, (1828-1916). Cumpre sublinhar, com extremo vigor, que todo aquele que se constitui como cúmplice da intenção formal de destruir a Santa Madre Igreja, (e foi sempre esta a intenção capital da maçonaria, e até a sua própria razão de ser) EXERCE INVALIDAMENTE A JURISDIÇÃO,  E CELEBRA INVALIDAMENTE O SANTO SACRIFICIO ( MESMO NO RITO DE SÃO PIO V, OU OUTRO PROMULGADO PELA VERDADEIRA IGREJA) BEM COMO OS DEMAIS SACRAMENTOS, RECEBENDO TAMBÉM INVALIDAMENTE AS ORDENS SACRAS. E não apenas em virtude da bula “Cum ex Apostolatus officio” do grande Papa Paulo IV, bem como do Canon 188 do Código de Direito Canónico de 1917, mas fundamentalmente por um princípio de Direito Natural e de razão filosófica. Ensina-nos a Teologia Dogmática e a Teologia Moral bem como o Direito Canónico que para o exercício válido e lícito da jurisdição canónica, bem como para o exercício válido e lícito do poder da Ordem Sagrada, é necessária a profissão formal de Fé Católica. Todavia pode dar-se o caso do eclesiástico ter perdido a Fé, ou pelo menos tê-la abalada, no seu foro íntimo. Ainda assim exercerá válida, mas ilicitamente, a jurisdição, bem como os poderes da Ordem Sagrada, se mantiver a intenção formal de fazer o que faz a verdadeira Igreja, e o fizer efectivamente. Só que esta última intenção É CONTRADITORIAMENTE INCOMPATÍVEL COM A INTENÇÃO DE DESTRUIR A SANTA MADRE IGREJA, POIS A INTENÇÃO DE DESTRUIR A IGREJA CONFIGURA UMA CORRUPÇÃO ESSENCIAL E CONSTITUTIVA DA FUNÇÃO QUE SE APARENTA EXERCER. Possuir a intenção formal de fazer o que faz a Santa Madre Igreja significa conservar um vínculo formal com ela, significa respeitá-la na sua identidade institucional, significa querer, funcionalmente, servi-la, pese embora o estado de confusão interior em que o eclesiástico, por infelicidade, se possa encontrar.

O propósito satânico traduzia-se em conseguir colocar um agente maçónico no Trono de Pedro. Para isso a seita havia trabalhado durante mais de um século – finalmente, com permissão de Deus, e para castigo dos nossos pecados, logrou estabelecer Roncalli como usurpador do Sólio Pontifício. Roncalli era um modernista com largo cadastro no Santo Ofício – mas, e as promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo?

Diz Nosso Senhor (Lucas 22,31): «SIMÃO, SIMÃO: EIS QUE SATANÁS VOS PROCUROU PARA VOS JOEIRAR COMO O TRIGO; MAS EU ROGUEI POR TI PARA QUE A TUA FÉ NÃO DESFALEÇA, E TU, UMA VEZ CONVERTIDO, FORTALECE OS TEUS IRMÃOS». Aqui se estabelece formalmente que Pedro enquanto Pedro, bem como os seus sucessores como tais, poderão ser, e serão tentados efectivamente, poderão fraquejar muito, como aconteceu aos Papas Libério, Honório e Pascoal II, todavia lograrão ultrapassar a sua debilidade humana, sustentados sobrenaturalmente por Nosso Senhor. Portanto os papas, que são realmente papas, pese embora as suas debilidades (que é algo de radicalmente oposto a uma intenção formal de destruir a Santa Igreja) nunca podem perder o seu pontificado. Mas RONCALLI, MONTINI, WOJTYLA E RATZINGER NUNCA FORAM PAPAS, na exacta medida em que como agentes da maçonaria que eram, configuravam uma situação pública de Direito (a princípio não notória, mas tendendo a tornar-se notória) contraditoriamente incompatível com a intenção formal de fazer o que faz a Santa Madre Igreja.    

Porque não referi Luciani ( João Paulo I)? Porque bem pode ter-se dado o caso de ele haver tido a intenção formal de assumir todas as prerrogativas da função papal (que é de Direito Divino Sobrenatural estrito) sendo consequentemente assassinado pela maçonaria vaticana. Nesse caso, e apesar do conclave ser intrinsecamente inválido, João Paulo I teria, mesmo assim, assumido a Cátedra de São Pedro, POR SUPRIMENTO DA IGREJA ETERNA.

A face humana do Corpo Místico encontra-se completamente destruída; Todavia devemos aprofundar – e verificar que longe de desmentir as promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo, esta morte humana da Santa Madre Igreja constitui a maior e suprema prova da sua própria verdade e santidade; efectivamente Jesus também morreu, e a Santa Igreja havia de se conformar com o seu Divino Fundador, em tudo – incluindo na Sua Paixão e Morte. As outras ditas religiões, seitas etc – já satanás as tinha de forma essencial e constitutiva. Nosso Senhor Jesus Cristo ressuscitou – a Sua Igreja também ressuscitará. Como e quando? Não sabemos. Mas cumpre-nos, cada um no seu estado, no magistério e na oração, sublimar o nosso calvário, proclamando altissonantemente, a Unidade, a Trindade,a Verdade e a Santidade d’Aquele que nos criou no ser e recriou na Cruz.

Lisboa, 6 de Fevereiro de 2013

3 Respostas para “BREVES NOTAS SOBRE AS DIABÓLICAS ESTRATÉGIAS DA MAÇONARIA

  1. drlaert fevereiro 7, 2013 às 6:59 pm

    E como se explica que o Papa Joo Paulo II, seja considerado Beato? Se era um maon!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: