Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA: «PENHOR» da AUTORIDADE DIVINA do PAPA CATÓLICO ?

Imagem da Virgem de Fátima no Vaticano

Arai Daniele

Tudo na Igreja existe para cumprir os desígnios salvíficos de Deus.

Esta missão é confiada in primis ao Papa católico.
Não se pode negar que um plano divino para o nosso tempo se manifestou no contexto das aparições de Fátima.
No entanto, este plano não foi seguido devidamente pelos Papas católicos até Pio XII.
Vamos voltar a contar essa história desde o Papa Pio XI, o Papa predito por Nossa Senhora para a Consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração.

Depois, vamos continuar com as tentativas do Papa Pio XII, o Papa de Fátima. Porque no que tange o pedido da Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria pelo Papa, convocando todos os Bispos e por eles a toda a Igreja, ficou por satisfazer.

Segue que o estado da Igreja nos tempos posteriores a Pio XII, que morreu em 1958, são de grande ruína, como foi profetizado por Nossa Senhora de Fátima no «Terceiro Segredo».

Tal estado, que é de uma Cidade cristã semi arruinada e de mortal decadência espiritual, seria mais claro em 1960, quando João 23 já havia censurado essa Mensagem profética e convocado o Vaticano 2º para escancarar a Igreja ao mundo moderno.

Desde então, a Doutrina da Fé, bem como o «Terceiro Segredo» de Fátima foram, antes escamoteados aos fiéis e depois manipulados pela nova mentalidade clerical introduzida pelos inovadores ecumenistas conciliares do Vaticano 2º.

Mais tarde, João Paulo 2º tentou realizar a Consagração da Rússia sem conseguir. Ficou claro que de fato não tinha essa autoridade porque não há nenhuma notícia deste ato ter sido cumprido junto a todos os bispos e fiéis para a conversão da Rússia.

Não só, mas o próprio apostolado de conversão estava demolido no seio da mesma Cidade cristã e pelo mundo afora, para afronta da Doutrina da fé católica, conspurcada pelas manipulações conciliares.

Estando ligadas as duas questões, ou seja, a quebra em relação à Fé e a alienação do pedido de Fátima, e sendo isto perpetrado pela mesma classe clerical conciliar, o que devem os católicos concluir? O que senão da indiferença antes e da impossibilidade após destes clérigos em executar o Plano de Deus em relação à Fé e a Fátima?

Não projeta esse fato uma luz sobre a falta de autenticidade de suas missões? Que pensar dos «papas conciliares» à testa do ato desvairado, não só de censurar, mas de manipular um claro sinal do desígnio divino para o nosso tempo?

Sendo a fé e os sinais de um plano de Deus relacionadas com a missão do Vigário de Jesus Cristo, desviar-se deliberadamente deles não indica pelo menos estraneidade quanto à missão da Sede papal?

Se assim é, como se demonstrou de modo ainda mais evidente com o ato ambíguo de Bergoglio em pé diante da Imagem de Nossa Senhora vinda de Fátima, compreende-se que para executar o Plano de Deus da Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, para o bem  de grandes conversões e um período de paz, há que esperar por um Papa.

Nunca foi tão claro que devemos rezar para que Deus suscite um Papa católico, dedicado de corpo e alma à execução dos desígnios salvíficos de Deus, que cancele toda a malícia conciliar ecumenista que prevalece hoje emanada por uma Roma profundamente adulterada.

Enquanto não se reconhecer a ausência de um «Papa católico» em Roma, único que pode assegurar a continuidade na Cidadela da Fé, todo outro ato é privado do divino mandato apostólico» e portanto, afastado dos desígnios de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O certo é que essa confusão entre falso e verdadeiro Papa prevalecerá até quando muitos fiéis não testemunharem até dos tetos e a tempo e contratempo, que desde a morte de Pio XII o Papado católico resta «abatido» junto aos “Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições” como está na visão da terceira parte do Segredo de Fátima, que se tornou mais claro em 1960 com João 23 a promover a maléfica igreja conciliar.

Este testemunho é o único da realidade católica na direção da Verdade, para que se realize a promessa divina por Maria: “Por fim, o Meu Coração Imaculado triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á à Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz.”

Este triunfo passa, pois, pela conversão de Roma através de um futuro Papa católico. Este Papa terá por penhor divino a capacidade de efetuar essa Consagração pedida, segundo os desígnios de Deus para o nosso tempo. Nisto será reconhecido em tempos tão tenebrosos.

Assim seja.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: