Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA: «PENHOR» da AUTORIDADE DIVINA do PAPA CATÓLICO ?

Imagem da Virgem de Fátima no Vaticano

Arai Daniele

Tudo na Igreja existe para cumprir os desígnios salvíficos de Deus.

Esta missão é confiada in primis ao Papa católico.
Não se pode negar que um plano divino para o nosso tempo se manifestou no contexto das aparições de Fátima.
No entanto, este plano não foi seguido devidamente pelos Papas católicos até Pio XII.
Vamos voltar a contar essa história desde o Papa Pio XI, o Papa predito por Nossa Senhora para a Consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração.

Depois, vamos continuar com as tentativas do Papa Pio XII, o Papa de Fátima. Porque no que tange o pedido da Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria pelo Papa, convocando todos os Bispos e por eles a toda a Igreja, ficou por satisfazer.

Segue que o estado da Igreja nos tempos posteriores a Pio XII, que morreu em 1958, são de grande ruína, como foi profetizado por Nossa Senhora de Fátima no «Terceiro Segredo».

Tal estado, que é de uma Cidade cristã semi arruinada e de mortal decadência espiritual, seria mais claro em 1960, quando João 23 já havia censurado essa Mensagem profética e convocado o Vaticano 2º para escancarar a Igreja ao mundo moderno.

Desde então, a Doutrina da Fé, bem como o «Terceiro Segredo» de Fátima foram, antes escamoteados aos fiéis e depois manipulados pela nova mentalidade clerical introduzida pelos inovadores ecumenistas conciliares do Vaticano 2º.

Mais tarde, João Paulo 2º tentou realizar a Consagração da Rússia sem conseguir. Ficou claro que de fato não tinha essa autoridade porque não há nenhuma notícia deste ato ter sido cumprido junto a todos os bispos e fiéis para a conversão da Rússia.

Não só, mas o próprio apostolado de conversão estava demolido no seio da mesma Cidade cristã e pelo mundo afora, para afronta da Doutrina da fé católica, conspurcada pelas manipulações conciliares.

Estando ligadas as duas questões, ou seja, a quebra em relação à Fé e a alienação do pedido de Fátima, e sendo isto perpetrado pela mesma classe clerical conciliar, o que devem os católicos concluir? O que senão da indiferença antes e da impossibilidade após destes clérigos em executar o Plano de Deus em relação à Fé e a Fátima?

Não projeta esse fato uma luz sobre a falta de autenticidade de suas missões? Que pensar dos «papas conciliares» à testa do ato desvairado, não só de censurar, mas de manipular um claro sinal do desígnio divino para o nosso tempo?

Sendo a fé e os sinais de um plano de Deus relacionadas com a missão do Vigário de Jesus Cristo, desviar-se deliberadamente deles não indica pelo menos estraneidade quanto à missão da Sede papal?

Se assim é, como se demonstrou de modo ainda mais evidente com o ato ambíguo de Bergoglio em pé diante da Imagem de Nossa Senhora vinda de Fátima, compreende-se que para executar o Plano de Deus da Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, para o bem  de grandes conversões e um período de paz, há que esperar por um Papa.

Nunca foi tão claro que devemos rezar para que Deus suscite um Papa católico, dedicado de corpo e alma à execução dos desígnios salvíficos de Deus, que cancele toda a malícia conciliar ecumenista que prevalece hoje emanada por uma Roma profundamente adulterada.

Enquanto não se reconhecer a ausência de um «Papa católico» em Roma, único que pode assegurar a continuidade na Cidadela da Fé, todo outro ato é privado do divino mandato apostólico» e portanto, afastado dos desígnios de Nosso Senhor Jesus Cristo.

O certo é que essa confusão entre falso e verdadeiro Papa prevalecerá até quando muitos fiéis não testemunharem até dos tetos e a tempo e contratempo, que desde a morte de Pio XII o Papado católico resta «abatido» junto aos “Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições” como está na visão da terceira parte do Segredo de Fátima, que se tornou mais claro em 1960 com João 23 a promover a maléfica igreja conciliar.

Este testemunho é o único da realidade católica na direção da Verdade, para que se realize a promessa divina por Maria: “Por fim, o Meu Coração Imaculado triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á à Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz.”

Este triunfo passa, pois, pela conversão de Roma através de um futuro Papa católico. Este Papa terá por penhor divino a capacidade de efetuar essa Consagração pedida, segundo os desígnios de Deus para o nosso tempo. Nisto será reconhecido em tempos tão tenebrosos.

Assim seja.

Anúncios

Uma resposta para “CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA AO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA: «PENHOR» da AUTORIDADE DIVINA do PAPA CATÓLICO ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Novus Ordo Watch

Fátima e a Paixão da Igreja

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

FORO CATÓLICO

Unidad en la Verdad

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: