Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

SERÃO OS HOMENS, HOJE, MORALMENTE PIORES QUE EM ÉPOCAS PASSADAS?

castigo

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos São Lucas, no Livro dos Actos dos Apóstolos:

«Então Paulo, pondo-se de pé, no meio do Areópago, disse: Atenienses, em todas as coisas vejo que sois os mais religiosos. Com efeito, percorrendo e examinando os vossos monumentos sagrados, encontrei até um altar, sobre o qual estava escrito: “Ao deus desconhecido”. Aquele que vós, sem conhecer, honrais, Esse mesmo venho anunciar-vos. O Deus que fez o mundo, e todas as coisas que ele encerra, que é o Senhor do Céu e da Terra, não habita nos templos feitos pela mão do Homem, nem é servido pelas mãos humanas como tendo necessidade de alguma coisa, Ele dá a todos a vida, o sopro da respiração e tudo o resto; criou, de um só homem, toda a raça humana para habitar sobre toda a superfície da Terra, tendo fixado os tempos prescritos e as fronteiras da Sua habitação; a fim de que os homens procurem Deus, se na verdade eles O puderem sentir, e O  encontrem, e certamente não está longe de nós; porque n’Ele vivemos, nos movemos e existimos, como alguns dos vossos poetas disseram – pois nós somos também da Sua raça. Sendo pois da raça de Deus não devemos pensar que a Divindade seja semelhante ao ouro, à prata, ou à pedra que revelam a arte e o pensamento do Homem. Olhando então por cima destes tempos de ignorância. Deus agora anuncia aos homens todos, em toda a parte, que devem converter-se, porque fixou um dia em que deve julgar todo o universo em justiça por um Homem que designou, dando a todos como garantia a Sua Ressurreição dos mortos. Mas quando ouviram “ressurreição dos mortos,”uns chasqueavam, outros disseram: “Havemos de te ouvir falar sobre isso uma outra vez”. Assim Paulo retirou-se do meio deles. Alguns homens, aderindo a ele, acreditaram, entre os quais Dinis o areopagita, e uma mulher chamada Damaris, e outros ainda».  Act 17,22-34

Constitui uma asserção muito comum o proclamar-se a decadência moral, progressiva, da Humanidade, ao longo das idades, tendo nesta perspectiva, sido atingido o cume da depravação, precisamente, na nossa idade pós-Cristã.
Todavia é certo, que após o pecado original, NÃO HOUVE MAIS NENHUMA DESCONTINUIDADE ONTOLÓGICA NA CONDIÇÃO HUMANA.
Nunca se deve idealizar o passado; no plano de DIREITO não é sustentável a tese de que no passado os homens seriam moralmente melhores; a História da Igreja, bem como a História Civil, não apoiam, de forma alguma, tal tese. Em particular, não se deve idealizar a Idade Média. Sem dúvida que no plano de Direito as sociedades eram cristãs, todos as pessoas eram baptizadas, e a autoridade eclesiástica possuía uma magnitude moral e uma eficácia civil tendencialmente indiscutível; mas não é menos verdade que a corrupção moral era enorme, a começar nas classes superiores, incluindo o clero; as mancebias, a bigamia, o perjúrio, a opressão de orfãos e viúvas, os assassínios; pois não olvidemos, que nessa época não havia Estado, tal como hoje o concebemos, em virtude da fragmentação do poder político e da promiscuidade da esfera pública com a esfera privada; portanto, o senhor feudal podia cometer, impunemente, os piores crimes – e o que é facto é que os cometia.
Recordemos o século X, a época mais trágica e obscura da História da Igreja, até ao Vaticano 2, em que os assassinatos, políticos e não só, tingiram de sangue a Sé Romana, até ao ponto dos maiores especialistas não estarem de acordo sobre quais os Papas e quais os anti-papas.
Neste quadro conceptual, deveremos considerar que satanás, o príncipe deste mundo, inimigo de Deus e dos homens, corruptor da História, impotente para introduzir na humana condição uma nova descontinuidade ontológica (a primeira fora o pecado original) que afastasse ainda mais a Humanidade de Deus, optou por estabelecer verdadeiras sinergias diabólicas no mal efectivamente existente neste mundo, intensificando-lhe (ao mal) extraordinàriamente a eficácia. Portanto, o mal no mundo, em si mesmo, não aumenta, nem diminui, é sim engenhosamente trabalhado por satanás de forma a multiplicar-se-lhe a eficácia.
ENTÃO, E DEUS NOSSO SENHOR PERMITE TAL COISA?
A santa Providência é a ideia absoluta do Mundo, Eternamente presente na Inteligência Divina; Deus não quer, não pode querer, o mal em si mesmo, permite-o sòmente, para maior Bem total e Universal. Deus Nosso Senhor quer o mundo no seu todo, composto de Bem e mal, e o quer para Sua maior Glória, como finalidade primária e absoluta; e também para a felicidade Sobrenatural da criatura espiritual, como finalidade secundária e condicionada.
A Historia dos últimos cinco séculos é demonstrativa desse progressivo engenho diabólico,na condução dos acontecimentos e no manobrar dos homens, sobretudo dos homens revestidos de autoridade. Porque satanás sabe que a grande maioria dos homens é fraca, não possui estrutura própria, vontade própria, e pensa e age por puro mimetismo nominalista. Assim, um homem pervertido, numa função importante, pode multiplicar indefinidamente, incessantemente, o mal que nutre dentro de si.
Satanás soube aproveitar as invenções técnicas para se introduzir nas instituições e NAS ALMAS; a imprensa foi a sua primeira grande arma de destruição maciça; através dela logrou atacar o Santo Sacrifício da Missa e disseminar as blasfémias de Lutero, amplificando-as; conseguiu  difundir os pressupostos naturalistas dos chamados humanistas; e triunfou em  penetrar, paulatinamente, nos países que haviam permanecido católicos, sobretudo em França. Satanás foi o autor dos acordos de Vestefália (1648) nos quais o Romano Pontífice perdeu toda a influência internacional, e o próprio protestantismo foi reconhecido definitivamente como religião de Direito Público do Império.
Ulteriormente, satanás procedeu à dedução das consequências políticas da dita Reforma; com a maçonaria internacional como seu braço terreno, e com permissão de Deus, para castigo da Humanidade, satanás laicizou os estados ainda católicos, destruiu a família católica, através do casamento civil, do divórcio, e do ensino laico e obrigatório, aniquilou o conceito de legislação civil como braço secular da Santa Igreja, dissolveu os Estados pontifícios; TUDO EM NOME DA CHAMADA DIGNIDADE HUMANA, PROCLAMANDO COMO VALOR HUMANO O QUE NA REALIDADE PERTENCIA A DEUS UNO E TRINO.
Aproveitando-se dos novos meios de comunicação (rádio e televisão), satanás propagou a impiedade nos meios rurais mais profundos, que até aí haviam permanecido dela relativamente imunizados.
Enfim, sempre com permissão de Deus, e para castigo do oceano de pecados que é a Humanidade; satanás infiltrou-se na face humana do Corpo Místico – ocultando-o. Deste modo, a Verdade e o Bem cessaram històricamente de possuir existência institucional – caso absolutamente único desde Adão.
Satanás conseguiu que, ao contrário dos atenienses do tempo de São Paulo, A HUMANIDADE JÁ NEM POSSUA A CONSCIÊNCIA DE QUE PODE ESTAR IGNORANDO ALGO DE FUNDAMENTAL. Conduzida pela nunca suficientemente amaldiçoada seita conciliar, a massa humana já NÃO POSSUI NOÇÃO DO QUE IGNORA.
O conhecimento é uma operação simultâneamente ontológica e transcendental, mediante a qual uma forma detém a plasticidade de receber e assimilar objectivamente outras formas. Os Anjos, no acto da sua Criação, recebem directamente de Deus as espécies representativas do mundo sensível; QUANTO MAIS PERFEITO É O ANJO, MAIS CONCENTRA E APURA O SEU CONHECIMENTO NUM MENOR NÚMERO DE ESPÉCIES; NO LIMITE INFINITO, DEUS CONHECE POR UMA SÓ ESPÉCIE, QUE É A SUA PRÓPRIA ESSÊNCIA. O Anjo, na Ordem Natural, na sua própria essência espiritual, conhece directa e intuitivamente a Deus; mediante outras espécies, não infusas, conhece os outros Anjos, bem como as próprias almas separadas; não há, nem pode haver, Anjos ateus, mas sòmente Anjos que odeiam a Deus; pois que o Anjo, na ordem natural, é ontològicamente impecável.
Os homens, dada a sua constituição, assimilam o inteligível a partir do sensível, e não podem conhecer intuitivamente a Deus. Quanto mais perfeita é a forma espiritual, mais conhecimento inteligível assimila; os animais apenas podem adquirir conhecimentos sensíveis, que colocam ao serviço do instinto, pois possuem uma forma imaterial, MAS NÃO ESPIRITUAL.
O Juízo é o acto em que uma inteligência se compromete objectivamente com o verdadeiro e o falso, aplicando uma forma, de elevado grau de abstracção, a uma matéria.
É DA ANALOGIA INDUTIVA DO CONHECIMENTO QUE SURGE A IGNORÂNCIA; nesta, a inteligência reconhece que possui uma matéria não fecundada pela forma que lhe é proporcionada. PORTANTO, ATÉ PARA TER CONSCIÊNCIA DA IGNORÂNCIA É PRECISO CONHECER. QUANTO MAIS SE SABE, EM CERTO SENTIDO, MAIS SE IGNORA, PORQUE MAIS VASTO É O TERRITÓRIO INTELECTUAL QUE É ABRANGIDO COMO PRIVADO DE FORMA.
Neste enquadramento, conclui-se: A Humanidade actual ainda está mais afastada de Deus do que o mundo pagão de há dois mil anos, tão afastada, que nem concebe o “deus desconhecido”, pois o seu universo mental e moral está completamente anquilosado, desintegrado.
Satanás, com permissão de Deus, para castigo dos nossos pecados, soube ser o verdadeiro engenheiro do mal, pois que extraindo todas as sinergias do mal existente, soube amplificar extrordináriamente a sua eficácia, causando uma verdadeira descontinuidade religiosa, já que não pôde proceder a nova descontinuidade ontológica.
A descontinuidade religiosa que vivemos possui carácter pré-escatológico e só poderá ser totalmente reparada com a Parúsia de Nosso Senhor Jesus Cristo; até lá, cumpre aos verdadeiros católicos não desfalecerem na denúncia do mal absoluto (não em sentido metafísico) que representa a seita conciliar, bem como de todos os que ousarem com ela contemporizar.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

LISBOA, 3 DE OUTUBRO DE 2014

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Novus Ordo Watch

Fátima e a Paixão da Igreja

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

FORO CATÓLICO

Unidad en la Verdad

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: