Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

A MODERNA ARQUITECTURA E ARTE SACRA COMO FONTES DE ATEÍSMO

Nova igreja

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

*
Escutemos o Papa Pio XII, em excertos da sua encíclica “Mediator Dei”, promulgada em 20 de Novembro de 1947:

«Nós vos exortamos ainda, veneráveis irmãos, a que tomeis cuidado em promover o canto religioso popular e a sua acurada execução, feita com dignidade conveniente, podendo isso estimular e aumentar a Fé e a Piedade das populações cristãs. Ascenda ao Céu o canto uníssono e possante do nosso povo, como o fragor das ondas do mar, expressão canora e vibrante de um só coração e uma só alma, como convém a irmãos e filhos do mesmo Pai.
O que dissemos da Música, aplica-se às outras artes, especialmente à Arquitectura, à Escultura e à Pintura. Não se devem desprezar, nem repudiar, genèricamente e por preconceitos, as formas e imagens recentes, mais adaptadas aos novos materiais com os quais são hoje confeccionadas; mas evitando, com sábio equilíbrio, o excessivo realismo, de uma parte, e o exagerado simbolismo, de outra, e tendo em conta as exigências da comunidade Cristã, mais do que o juízo e o gosto pessoal dos artistas. É absolutamente necessário dar livre campo também à Arte moderna, SE ESTA SERVE COM A DEVIDA REVERÊNCIA, E A DEVIDA HONRA AOS SAGRADOS EDIFÍCIOS E RITOS, de modo que ela possa unir a sua voz ao admirável canto de Glória com que os génios cantaram, nos séculos passados, a Fé Católica.
Não devemos deixar, porém, por dever de consciência, de deplorar e reprovar AQUELAS IMAGENS E FORMAS, POR ALGUNS RECENTEMENTE INTRODUZIDAS, AS QUAIS PARECEM SER DEPRAVAÇÃO E DEFORMAÇÃO DA VERDADEIRA ARTE, E QUE MUITAS VEZES, REPUGNAM ABERTAMENTE AO DECORO, À MODÉSTIA, E À PIEDADE CRISTÃ, E OFENDEM, LAMENTÀVELMENTE, O GENUÍNO SENTIMENTO RELIGIOSO; ESSAS FORMAS DEVEM SER MANTIDAS ABSOLUTAMENTE AFASTADAS E COLOCADAS FORA DAS NOSSAS IGREJAS, COMO EM GERAL TUDO O QUE NÃO ESTÁ EM HARMONIA COM A SANTIDADE DO LUGAR.»

A arte constitui a criação consciente, racional e espiritual  do belo. Por sua vez, a beleza constitui a síntese, metafìsicamente dialogada, de todos os transcendentais reunidos.
Efectivamente, o Ser, abstractamente definido, não apenas como aquilo que É, mas como O QUE NÃO PODE NÃO SER, possui três propriedades, denominadas transcendentais:
A Unidade, define-se como a expressão transcendental do grau de coesão daquele que exerce o acto de ser, ou seja, do ente;  da intensidade com que o ente é ele próprio; em suma – Unidade é o grau com que uma realidade é aquilo que é.
A Verdade exprime, transcendentalmente, a proporção do ente com a Inteligência. A Verdade ontológica constitui, essencialmente, a medida de todo o criado pela Inteligência Divina; efectivamente, a Criação é Metafísica e Teològicamente medida pela Verdade Divina. Por outro lado, a nossa inteligência, bem como a dos Anjos, é medida pela realidade dos entes, pela sua inteligibilidade. Mesmo que não existissem inteligências criadas, a inteligibilidade do Universo seria uma expressão da Verdade Divina. E caso não houvesse Criação, mesmo assim, a Infinita Verdade de Deus seria conhecida pela Infinita Inteligência Divina, através de um Acto de fecundidade Infinita, indissociável da Geração do Verbo.
A Bondade exprime transcendentalmente a amabilidade daquilo que é verdadeiro; porque quanto mais uno é um ente, mais verdadeiro e mais amável é. A Bondade proporciona-se, essencialmente, com a vontade. A Criação pluralizou, necessáriamente, o Ser; o ente finito e contingente terá de ser, também, múltiplo; ao fragmentar o ser, fragmentou-se a Verdade e o Bem dos entes; consequentemente, esses mesmos entes, conhecem-se, amam-se, completam-se, uns aos outros, no Ser, na Verdade e na Bondade.
Mesmo que Deus não tivesse criado o Mundo, Deus seria Infinitamente Bom, Infinitamente amável; Deus amar-Se-ia a Si mesmo num Acto Infinitamente fecundo, não na linha da Inteligência, mas na linha da Sua Vontade Infinita.
Ora, quando o Ser, na Sua Unidade, Verdade e Bondade, atinge elevada magnitude, os trancendentais como que dialogam, exigindo-se uns aos outros no próprio resplendor do Ser – É A BELEZA.
A criação consciente, racional, espiritual, Sobrenaturalmente iluminada, da beleza, não se pode reduzir à cópia, pura e simples, do mundo natural; SERÁ, SIM, CONSTITUTIVA DE UMA INTERPRETAÇÃO OBJECTIVA E ORDENADAMENTE IDEALIZADA DAS REALIDADES NATURAIS.
Qualquer arte pressupõe que o artista domine um conjunto de técnicas que lhe permita actuar com elevado padrão de definição, incluindo aspectos subliminais, sobre os materiais que utiliza. Um retratista, só o será verdadeiramente, se souber transfundir sublimadamente na figura real o princípio espiritual caracterizadamente definidor de uma personalidade, de uma vida, e de um ideal.
Na exacta medida em que o Homem é um animal racional, a sua existência processa-se nos confins do Mundo espiritual com o Mundo material. O homem possui assim uma percepção absolutamente privilegiada DO SENTIDO ÚLTIMO DA ANALOGIA PROFUNDA DO SER, o que não acontece com o Anjo.
Neste quadro conceptual, o homem, iluminado pela Graça de Deus Nosso Senhor, pode produzir, mesmo sem nenhuns dons pròpriamente artísticos, os mais belos hinos à Glória de Deus, simplesmente operando no quotidiano da sua vida o Pensamento e a Caridade Divina, de que Sobrenaturalmente participa. A vida dos Santos constitui a maior obra de arte que se pode conceber neste mundo; precisamente porque nestas vidas, a Unidade, a Verdade, e a Bondade, dialogam maravilhosamente sob a Luz Sobrenatural de Deus Uno e Trino.
De tudo isto se infere que a Beleza constitui uma forma de ser que deve impregnar toda a nossa vida, e não apenas as actividades denominadas artísticas. Cumpre assinalar, que o Ser não é Deus. Ser é um conceito ABSTRACTO, impessoal, que assimilamos a partir da diversidade de entes e de princípios que nutrem a nossa inteligência. Deus, é uma realidade EMINENTEMENTE CONCRETA, Pessoal, Transcendente, que é conhecida fielmente pela inteligência rectamente constituída, a partir das coisas visíveis, e igualmente pela Revelação Sobrenatural. Em Deus, a Unidade, a Verdade, a Bondade, a Beleza, são Infinitas.
Portanto os homens tementes a Deus, que O amam sobre todas as coisas, que O adoram, se possuem dons artísticos, evidentemente que poderão criar, e efectivamente criam, a verdadeira Beleza, seja na Música, na Pintura, na Arquitectura, ou na Literatura; os homens ímpios, que não conhecem nem amam a Deus, confeccionam a negação da beleza, NA QUAL A PRIVAÇÃO DE SER, ANTI-PRINCÍPIO DE FEALDADE, APARECE FALSAMENTE COMO BELA A OUTROS HOMENS ÍMPIOS, IGUALMENTE PRIVADOS DE SER.
Daqui se infere todo um corolário de formas arquitectónicas, tanto civis como religiosas, ABERRANTES, FRUTO DO ATEÍSMO, E FONTE PROPAGADORA DO ATEÍSMO. Os chamados arranha-céus, que na realidade, querem repetir o pecado da torre de Babel, constituíram, no século XIX, o grande chamariz da maldição da civilização urbana, ateia com todas as suas forças, adorando o bezerro de ouro do grande capitalismo industrial, que após eliminar a Deus, conseguiu destruir também o Homem, na sua mais íntima dignidade de criatura, que veio de Deus, e para Ele deve voltar. A moderna arquitectura urbana esmaga as almas, destruindo-lhes toda a inclinação para as coisas de Deus e da salvação da alma. A própria funcionalidade dessa arquitectura é materialista, empurrando o homem para a Terra.
A mil vezes maldita seita anti-Cristo, cujo “dogma”, segundo Bergoglio, é: VIVE E DEIXA VIVER; evidentemente que, ao destruir o Santo Sacrifício da Missa, liquidou sumàriamente toda a Arquitectura e Arte Sacra, transformando as “igrejas” em cinemas, ou clubes de recreio, verdadeiros templos de satanás, onde o FEIO é entronizado.
Porque não duvidemos: a heresia e o ateísmo, na sua privação radical de ser, utilizam a falsa arte, para difundir esse mesmo ateísmo nas almas de milhões – E CONSEGUEM.
Nem ouso referir a monstruosidade edificada em Fátima, autêntico templo maçónico e satanista, implantado em terras de Santa Maria. Portugal ainda vai pagar muito caro por essa hediondez.
Tudo o que vai na alma do Homem, seja bom ou mau, reflecte-se e difunde-se, necessàriamente, em todo o seu corpo, em todas as suas atitudes,  e em todo o ambiente à sua volta. Por sua vez, as outras almas, contactando com essas atitudes, com esse ambiente, tendem a seguir o seu exemplo, seja para o bem, seja para o mal.
Que Deus Nosso Senhor e Sua Santíssima Mãe nos auxiliem neste doloroso transe, em que tudo à nossa volta, humanamente, É FEIO, para que possamos irrevogàvelmente dirigir o nosso olhar para a FONTE DE TODA A VERDADE E DE TODA A SANTIDADE, RELICÁRIO DE ETERNA SABEDORIA, E INEFÁVEL BELEZA INCRIADA.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 22 de Outubro de 2014

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: