Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

INFALIBILIDADE E INERRÂNCIA

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos o Papa Leão XIII, em excertos da encíclica “Providentissimus Deus”, promulgada em 18 de Novembro de 1893:

«É claro que a luta teve de ser travada antes contra aqueles que, baseados no seu próprio juízo particular, e repudiando as Tradições Divinas e o Magistério da Igreja, afirmavam que as Escrituras constituíam a única fonte de Salvação, e o árbitro supremo da Fé. Agora a luta é contra os racionalistas, os quais, COMO FILHOS E HERDEIROS DOS PRIMEIROS, BASEANDO-SE IGUALMENTE NO PRÓPRIO JUÍZO, REPUDIAM, DA MANEIRA MAIS ABSOLUTA, ATÉ ESSES ELEMENTOS DE FÉ CRISTÃ, RECEBIDOS DOS PAIS. Efectivamente, eles negam completamente, quer a Revelação Divina, quer a Inspiração e a Sagrada Escritura, e andam dizendo que outra coisa não são senão artifícios e invenções dos homens, que não contêm verdadeiras narrações de coisas que realmente aconteceram, mas fábulas inúteis e histórias mentirosas.
(…) Apresentam esses erros graves, com os quais julgam poder destruir a sacrossanta verdade dos Livros Divinos, como sentenças decisivas de uma nova ciência livre. Porém, essas sentenças parecem a eles mesmos tão incertas, que são obrigados a substituir muito frequentemente as suas opiniões sobre as mesmas questões. Entre eles não faltam os que, não obstante, pensem e falem tão ìmpiamente de Deus, de Cristo, do Evangelho, bem como de toda a Sagrada Escritura, contudo querem passar por teólogos, cristãos e evangélicos, procurando encobrir debaixo de um nome sedutor, a temeridade de engenho insolente. (…)Nunca poderemos lastimar o bastante, como essa luta vai aumentando cada dia mais, e tornando-se sempre mais encarniçada. (…) Espalham, por entre o povo inculto, o seu veneno mortífero, com livros, opúsculos e diários, já invadiram quase todos os campos, mantendo em suas mãos muitas escolas de jovens, subtraídas da tutela da Santa Igreja, nas quais são corrompidas, miseràvelmente, suas mentes ainda dóceis e crédulas, sendo levadas ao desprezo pelas Escrituras, SERVINDO-SE PARA ISSO MESMO TAMBÉM DO ESCÁRNIO E DE BRINCADEIRAS OBSCENAS.»    

Por mais mentiroso que seja um homem, o conceito de Verdade, mais ou menos inconscientemente, é para ele estruturalmente basilar. Filosòficamente, o fundamento da mentira é – A VERDADE; não existem mentiras absolutas, como não existe o mal absoluto; para se acreditar numa mentira, esta tem de possuir algo de verdadeiro; tal como o mal, só pode existir, como corrosão operativa do ser pelo não ser.
A inteligência só pode constituir-se pela Verdade e para a Verdade, por muito subvertidas que estas noções se apresentem. Os ditos “filósofos” do absurdismo só podem conceituar uma privação radical de sentido e de compreensão do ser, como um defeito no próprio ser, que enquanto tal, é pensável. O absurdo absoluto, nem sequer é pensável, PORQUE É NADA!
Neste nosso mundo verificamos que todos os entes atingem o seu próprio fim; as leis físicas possuem uma magnífica unidade: A inclinação do eixo da Terra proporciona uma variedade de estações do ano, de notável interesse para a agricultura; a existência de oceanos fornece uma bomba de calor que ajuda a estabilizar as temperaturas, evitando os extremos; a vida vegetal fornece oxigénio à atmosfera e é fonte de alimentos para homens e para animais; estes por sua vez, seguindo infalìvelmente os seus instintos, servem a natureza no seu todo, e servem o homem, em função do qual estão ordenados.
Se a mil vezes maldita Igreja conciliar tivesse razão, então o Homem seria o único aborto da Criação; porque a sua inteligência e a sua vontade permaneceriam privadas, quer do seu objecto proporcionado, quer do seu objecto adequado, que tais são, a inteligibilidade do mundo sensível, bem como o próprio princípio do Ser enquanto Ser, passos necessários para alcançar Deus – A EXISTÊNCIA DO HOMEM NÃO POSSUIRIA, ASSIM, QUALQUER FINALIDADE.
Embora o Homem, mesmo na Ordem Natural, possuísse já um sentido perfeitamente definido para o seu ser e as suas faculdades; aprouve a Deus, na Sua Infinita Bondade, elevá-lo à Ordem Sobrenatural, para que participando da Natureza Divina, gozasse da própria felicidade de Deus Uno e Trino.
Desde Adão, até ao maldito concílio vaticano 2, a Verdade e o Bem sempre dispuseram, ao longo da História, de um sustentáculo institucional que os defendesse: os Patriarcas ante-Diluvianos, Abraaão, o Pai dos crentes, Isaac, Jacob, Moisés, Josué, Samuel,
toda a dinastia de David, a Reforma centralizadora do culto em Jerusalém do rei Josias, os grandes Profetas, Isaías, Jeremias, Daniel, os heróicos chefes Macabeus. Ou seja: A Revelação do Antigo Testamento possuiu sempre um sujeito institucional infalível.
A Revelação define-se  como: UMA INTERVENÇÃO, POSITIVA, OBJECTIVA, ESSENCIAL, DE DEUS NA HISTÓRIA HUMANA, ILUSTRANDO-A SOBRENATURALMENTE COM O LUME DA SUA VERDADE PROVIDENCIAL.
Inspiração não é o mesmo que Revelação; consiste numa moção Sobrenatural com que Deus, como causa eficiente principal, conduziu os autores sagrados, como causa instrumental, a consignarem fielmente tudo o que Deus lhes ordenava, assitindo-lhes positivsmente em todo o processo.
Em muitos casos, o hagiógrafo podia já ter conhecimento, por vias naturais, do objecto próprio da Revelação; nesse enquadramento, a verdade natural ERA FORMALMENTE, SOBRENATURALMENTE, ELEVADA À DIGNIDADE DE VERDADE DE REVELAÇÃO, POR ACÇÃO DA DIVINA INSPIRAÇÃO.
Toda a Revelação é sempre Sobrenatural, mas não é milagrosa. Efectivamente, o texto Bíblico DEPENDE IMEDIATAMENTE TODO DE DEUS, E TODO DO HOMEM; DE DEUS COMO CAUSA PRINCIPAL E DO HOMEM COMO CAUSA INSTRUMENTAL. Deus, sem deixar de agir Sobrenaturalmente, acomoda-Se às faculdades do autor Sagrado, desenvolvendo-lhe a Luz intelectual natural, agindo sobre a cogitativa e sobre a memória; todavia a acção Sobrenatural pròpriamente dita sobre a inteligência e a vontade, age de forma semelhante à dos Dons do Espírito Santo; com a grande diferença de que os Dons são facultados, formalmente, EM ORDEM À SANTIFICAÇÃO DA ALMA, E A INSPIRAÇÃO SOBRENATURAL ESTÁ ORDENADA À CONSIGNAÇÃO DA REVELAÇÃO.
Em Malaquias 1,11 lemos:”Porque desde o nascer do Sol até ao poente, o Meu Nome é grande entre as Nações, e em todo o lugar se sacrifica e se oferece em Meu Nome o incenso de uma Oblação pura”. Ora o Profeta, inspirado por Deus, vivendo 450 anos antes de Nosso Senhor Jesus Cristo, refere-se ao Santo Sacrifício da Missa, como ao Sacrifício Universal, de valor infinito, que viria a substituir os sacrifícios da antiga Aliança; e fá-lo segundo os conceitos Sobrenaturais que recebia de Deus, como Causa Eficiente principal – o conceito de Sacrifício, o conceito de superação absoluta, e o conceito de universalidade. Mas a Causa Principal, que é Deus, assume a causa instrumental, que é o Profeta, COM TODAS AS SUAS LIMITAÇÕES, PESSOAIS, INTELECTUAIS, SOCIAIS E CULTURAIS; se as não assumisse, não poderíamos falar de causa instrumental; ora a inteligência e cultura do Profeta concebia os sacrifícios segundo o modo do Antigo Testamento, por isso fala de incenso. Este é um caso paradigmático de como deve ser concebida a inerrância Bíblica, ou ausência de erro formal na consignação da Revelação Divina na Sagrada Escritura.
A Santa Madre Igreja sempre ensinou que nas Sagradas Escrituras existe UM SÓ SENTIDO LITERAL, EMBORA POSSA HAVER MULTIPLICIDADE DE OUTROS SENTIDOS. E ESTE SENTIDO LITERAL SÓ PODE SER ASSIMILADO ATRAVÉS DO ESTUDO DOS GÉNEROS LITERÁRIOS DAS ESCRITURAS; BEM COMO DO SENTIDO PLENO QUE O NOVO TESTAMENTO CONFERE AO ANTIGO.
A existência de causas instrumentais para a acção Divina fundamenta-se na denominada “potência obediencial”, ou seja, a capacidade que a natureza criada possui de ser elevada por Deus Nosso Senhor a fins Sobrenaturais.
Mas a Sagrada Tradição também constitui uma fonte da Revelação; e em certo sentido até é a mais importante, na exacta medida em que é pela Sagrada Tradição que nós sabemos quais os Livros que compõem o canon da Santa Bíblia; E É PELA MESMA TRADIÇÃO QUE NÓS, QUER DIZER A SANTA MADRE IGREJA, SABE COMO INTERPRETAR A MESMA BÍBLIA. Na Sagrada Tradição, também existe uma Causa Principal, que é Deus Nosso Senhor, e causas instrumentais que são os homens; mas neste caso, Deus Nosso Senhor não ordena que a transmissão dos dados da Revelação se processe, FORMALMENTE, POR ESCRITO. Tal acontece, precisamente, para que um MAGISTÉRIO VIVO E INFALÍVEL, possa, ao longo dos séculos, EXPLICITAR EFICAZMENTE TODA A INFINITA RIQUEZA OBJECTIVA DO DEPÓSITO DA REVELAÇÃO.
Ora o fundamento matricial desse Magistério vivo É A CÁTEDRA DE SÃO PEDRO, NAS SUAS PRERROGATIVAS FUNCIONAIS DE INFALIBILIDADE.
Neste quadro conceptual, a inerrância é constitutiva da própria Revelação Divina objectiva, pois Deus Nosso Senhor não pode enganar-Se, nem enganar-nos; Ele que É a própria VERDADE SUBSTANCIAL. A Infalibilidade, enquanto prerrogativa funcional da suprema Cátedra da Santa Madre Igreja, PARTICIPA FORMALMENTE DA INERRÃNCIA, MAS NÃO SE IDENTIFICA COM ELA; POIS QUE A INERRÂNCIA É CONSTITUTIVA DA REVELAÇÃO OBJECTIVA, A QUAL TERMINOU COM A MORTE DO ÚLTIMO APÓSTOLO, E A INFALIBILIDADE DEVE ASSEGURAR, ATRAVÉS DOS SÉCULOS, A EXPLICITAÇÃO ADEQUADA DO DEPÓSITO DE FÉ. A INFALIBILIDADE NADA PODE ACRESCENTAR À REVELAÇÃO; CONSEQUENTEMENTE, SE PARA O HAGIÓGRAFO É NECESSÁRIA UMA ASSISTÊNCIA DIVINA EMINENTEMENTE POSITIVA, PARA O ROMANO PONTÍFICE É SUFICIENTE UMA ASSISTÊNCIA NEGATIVA.
Os textos do maldito concílio, em particular a “Lumen Gentium”, é que confundem, intencionalmente, premeditadamente, a Revelação com a Magistério da Igreja primitiva, dando a entender que a mesma Revelação se prolonga indefinidamente.
Imploremos sempre a Nosso Senhor Jesus Cristo para que ministre à Sua Igreja todos os auxílios Sobrenaturais que lhe permitam explicitar, o mais santamente possível, os tesouros inefáveis, as riquezas infinitas, eternamente constitutivas da inauferível felicidade Trinitária.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 26 de Outubro de 2014 – FESTA DE CRISTO REI

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Novus Ordo Watch

Fátima e a Paixão da Igreja

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

FORO CATÓLICO

Unidad en la Verdad

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: