Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

O JUÍZO, A VERDADE, E A CERTEZA

Juízo

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Leitura de um excerto do Livro do Profeta Isaías:

«É isto o que o Senhor diz: Reparte o teu pão com o que tem fome, e recolhe em tua casa os pobres e sem abrigo. Cobre o nu quando o vires, para não desprezares a tua própria carne: A tua luz romperá, então, como a aurora, e a tua cura não tardará; a tua justiça irá adiante de ti, e a Glória do Senhor acompanhar-te-á. O Senhor há-de atender às tuas preces, respondendo aos teus clamores: Aqui Me tens! Se banires a opressão; se deixares as ameaças e as palavras despropositadas; se afectuosamente te debruçares sobre o indigente, e acarinhares quem está na aflição, A TUA LUZ RESPLANDECERÁ NAS TREVAS, E AS TUAS TREVAS CONVERTER-SE-ÃO EM PLENO DIA! O SENHOR CONCEDER-TE-Á O DESCANSO ETERNO, E ENCHERÁ A TUA ALMA DE ESPLENDOR; REVIGORARÁ OS TEUS OSSOS, E TU SERÁS COMO UM JARDIM VIÇOSO E BEM TRATADO, OU COMO A FONTE CUJAS ÁGUAS SE NÃO ESGOTAM.»   Is 58,7-11

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo São João:

«Entrou Pilatos de novo no Pretório, e chamando a Jesus, disse-Lhe: És tu o Rei dos Judeus? Respondeu Jesus: É por ti mesmo que dizes isso, ou disseram-to outros de Mim? Pilatos retorquiu: Porventura sou eu Judeu? A Tua Nação e os Pontífices entregaram-Te a mim, que fizeste? Jesus respondeu: O MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO; se o Meu Reino fosse deste mundo, os Meus ministros teriam lutado para que Eu não fosse entregue aos Judeus; mas o Meu Reino não é daqui. Disse-Lhe então Pilatos: Logo tu és Rei? Tu o dizes, Sou Rei; para isso vim ao mundo, para dar testemunho da Verdade; todo aquele que é da Verdade ouve a Minha voz. Pilatos disse-Lhe: QUE É A VERDADE?»   Jo 18,33-38

A Verdade não constitui Deus, nem é constituída por Ele, simplesmente, Deus É a Verdade. Todas as realidades e todos os entes criados são metafísica e teològicamente medidos pela Verdade Incriada, pois só n’Esta as essências imutáveis SÃO. A super-abstracção do conceito de ser distingue precisamente entre EXISTIR e SER: Deus, não tendo sido criado, NÃO EXISTE – É. Anàlogamente, as essências imutáveis das coisas, as quais consubstanciam o modo possível da expressão extrínseca e contingente das Riquezas Infinitas da Santíssima Trindade – também SÃO. O conceito de existência implica com o conceito de criação, pela omnipotência Divina, de determinadas formas concretas de expressão contingente das Suas perfeições Incriadas.
Se a Verdade ontológica consiste precisamente nessa medição Metafísica e Transcendental, de toda a realidade criada, por Deus Uno e Trino; a Verdade Lógica implica ser a inteligência criada, Anjos e Homens, essencialmente medida, quer pela realidade em si mesma, quer pelo Criador de todas as coisas.
A oposição, verdadeiramente essencial, entre a Fé Católica e todas as espécies de apostasia que infectam os séculos, é caracterizadamente, que na Sacrossanta Fé Católica, as almas se deixam, humilde e integralmente, MEDIR pelo conjunto da Criação, bem como pelo seu Autor; ao passo que fora da Fé Católica, INVARIÀVELMENTE, as almas pretendem, de uma forma ou outra, MEDIR, ELAS MESMAS, AS REALIDADES TRANSCENDENTES, IMPOR-LHES UM MOLDE – QUE É CRIATURA.
Já os preambula Fidei, que são “ex ratione, cum voluntate”,  consubstanciam uma atitude básica da vontade – na Ordem Natural, embora sem excluir a Graça Medicinal – de submissão essencial à medida objectiva, como pressuposto absolutamente necessário à recta elaboração do discurso racional. Na Fé Teologal que é “ex voluntate, cum ratione”, essa submissão processa-se na Ordem Sobrenatural, sustentada pela Graça Divina. Efectivamente, pela Fé Teologal, a nossa inteligência e a nossa vontade são elevadas a um patamar que excede infinitamente as exigências de qualquer ente contingente, criado ou possível. Mas aqui também, os motivos de credibilidade, igualmente iluminados pela Graça Divina, sustentam e apoiam a perfeita razoabilidade do acto de Fé.
Nunca olvidemos, que a dúvida, a opinião, a ignorância, o erro, demonstram, no mínimo, a limitação intrínseca da inteligência. Adão e Eva, no Paraíso terrestre, não podiam errar, embora pudessem ignorar, visto serem entes contingentes. Os Anjos, na Ordem Natural, também não podem errar, embora não sejam omniscientes; todavia o anjo decaído, condenado ao Inferno, pode errar e efectivamente erra, porque a privação punitiva dos bens Sobrenaturais acarreta extrìnsecamente um debilitamento considerável da inteligência. Os santos do Céu, mesmo Maria Santíssima, não compreendem, nem conhecem tudo, porque o finito jamais pode abarcar o Infinito.
Todavia, o estado de dúvida ou ignorância, NAQUILO QUE SE DEVE CONHECER COM CERTEZA ESSENCIALMENTE OBJECTIVA, além de ser gravemente pecaminoso, envolve uma pobreza ontológica essencial, UMA FALTA POSITIVA, E NÃO APENAS UMA LIMITAÇÃO. Neste quadro conceptual, A CERTEZA OBJECTIVA DOS VERDADEIROS CRENTES, É ONTOLÒGICAMENTE, ESSENCIALMENTE, INCOMPARÀVELMENTE MAIS FORTE DO QUE A DESCRENÇA DOS ÍMPIOS. O espírito criado tende necessàriamente – já na base dos primeiros princípios naturais – para a certeza, a qual mais não constitui, do que a participação na Verdade absoluta do Ser pela criatura espiritual. A verdadeira certeza bebe objectivamente na Verdade; por isso quanto mais perfeita é, mais segura está de si mesma, mais se funde na Verdade do Ser. Consequentemente, os ímpios, sofrem de uma perda essencial de ser. Mesmo aqueles que afirmam possuir “certezas” absolutas, contrárias às verdades da Fé, essas “certezas” encontram-se substancial e irreversìvelmente corroídas pelo nada.
Os nossos Juízos, no plano formal, quaisquer que eles sejam, afirmam necessàriamente, intrìnsecamente, o Ser, na exacta medida, em que mesmo errados, mesmo idealistas, mesmo panteístas, operam funcionalmente, ainda que num exercício prático incorrecto, o hábito natural dos primeiros princípios, que em si mesmos, não podem ser eivados por um mau uso extrínseco da inteligência e da vontade. Porque o pecado original não diminuiu a natureza, enquanto tal, mas corrompeu os princípios da operação, quer intelectual, quer moral.
O hábito natural dos primeiros princípios constitui um acidente natural da faculdade ou potência operativa; a faculdade não é um acidente, é uma entidade espiritual que vincula, transcendental e ontològicamente, a essência da alma à produção de acidentes, quer na inteligência, quer na vontade. Porque a definição de ente espiritual contingente é metafìsicamente indissociável da composição substância – acidente. No Paraíso terrestre, as faculdades naturais operavam espontâneamente, gratificantemente, segundo o respectivo hábito natural; ou tratando-se de virtudes Sobrenaturais, segundo o hábito Sobrenatural. Após o pecado original, introduziu-se o mal moral, mediante uma perda da sinergia moral na faculdade da vontade, mesmo enquanto sobrenaturalmente elevada, com graves repercussões de ordem intelectual;  e a cizânia de satanás passou a constituir pedra de tropeço na operação das faculdades.
Na vida Eterna, as nossas faculdades serão como que cristalizadas, imobilizadas, física e moralmente, segundo as disposições que possuirem à hora da morte. No além, inclusivamente no Purgatório, já não poderemos merecer, teremos sòmente que expiar passivamente as penas que Deus Nosso Senhor nos impuser, pois que no Purgatório, as almas querem tudo o que for da vontade de Deus, com os méritos que possuíam à hora da morte. No além túmulo permaneceremos eternamente identificados e assimilados, no Bem, ou no mal, porque já não nos moveremos no tempo, ainda que até ao Fim do Mundo, exista no além uma MEDIDA EXTRÍNSECA com o tempo terrestre.
Põncio Pilatos permanecerá na História como o símbolo acabado do relativismo doutrinal, daqueles que pensam que as faculdades humanas não podem alcançar a Verdade e o Bem objectivo, como seu objecto adequado. Efectivamente, a inteligência foi criada PELA VERDADE, PARA A VERDADE, E PARA MAIOR GLÓRIA EXTRÍNSECA DA VERDADE; A VONTADE FOI CRIADA PELO BEM, PARA O BEM, E PARA A MAIOR GLÓRIA EXTRÍNSECA DO BEM.
Se assim não fosse, o homem constituiria o ÚNICO ABORTO DA CRIAÇÃO, PORQUE PRIVADO DE QUALQUER FINALIDADE PARA AS SUAS FACULDADES, COMO PARA A SUA OPERAÇÃO; FINALIDADES QUE ATÉ OS ANIMAIS GRANJEARIAM, ATRAVÉS DO SEU INSTINTO, QUE É CONSTITUTIVO DE UM PRINCÍPIO DE ORDEM.
Precisamente porque Põncio Pilatos, e todos os pilatos que se sucederam através das gerações, negaram a existência de valores Absolutos, Eternos, e Imutáveis, precisamente por isso, quiseram referendar Nosso Senhor Jesus Cristo e a Sua Santíssima Lei, entregando-O às leis da democracia e da liberdade religiosa. O crime deicida de Pilatos, é o crime de todos aqueles que endereçaram à multidão O QUE PERTENCE ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE A DEUS, EXPROPRIANDO ASSIM À VIDA HUMANA QUALQUER VALOR TRANSCENDENTE E OBJECTIVO, PELO QUAL VALHA A PENA SER VIVIDA.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 12 de Março de 2015

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: