Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

A DOUTRINA CATÓLICA INTEGRA E VALORIZA TODO O VERDADEIRO PROGRESSO

PEMSEUR

  • Todo o real progresso humano deriva do bem pensar, que depende do verdadeiro crer.
  • A tentação da desculpa erudita de um «pecado» apenas «filosófico», em que incorreram alguns Jesuítas do tempo das «luzes» e hoje por uma pleiade de filosofastros que se dizem católicos, já foi condenada em 1690 pelo Papa Alexande VIII (Dz 1289)

*

*   *   *

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos o Papa Leão XIII, em passagens da encíclica “Aeterni Patris”, promulgada em 4 de Agosto de 1879:

«Mas veneráveis irmãos, queremos declarar aqui, mais difusamente, qual a origem, a índole, e a excelência da escolástica, com as palavras do nosso sapientíssimo predecessor Sisto V: “Pelo Dom Divino d’Aquele que, Único, concede o espírito da ciência e da sabedoria, e que no curso dos séculos, cumula de novos benefícios a Sua Igreja, segundo as necessidades, e a cumula de novas defesas, foi encontrada a Teologia Escolástica pelos nossos maiores, sapientíssimos homens, o angélico Santo Tomás, e o Seráfico São Boaventura, professores ilustríssimos desta faculdade… que a cultivaram de maneira particular, e ilustraram com excelente engenho, com estudo assíduo, com grandes fadigas e longas vigílias, e deixaram-na para os vindouros, òptimamente ordenada e explicada, de muitas e claríssimas maneiras. Com certeza, o conhecimento e exercício de ciência tão salutar, que deriva das fontes copiosíssimas das Divinas Escrituras, dos Sumos Pontífices, dos santos Padres e dos Concílios, pôde, sem dúvida, trazer sempre à Igreja uma ajuda grandíssima, quer para entender e interpretar, no seu sentido verdadeiro, as mesmas Escrituras, quer para ler e explicar os santos Padres, com segurança e utilidade maiores, quer para descobrir e refutar os vários erros e as heresias; mas nestes últimos tempos, em que chegaram aqueles dias perigosos, descritos pelo Apóstolo, e homens blasfemos, soberbos e sedutores, procedem de mal a pior, errando eles próprios e levando os outros ao erro, ela, com certeza, é sumamente necessária para confirmar os Dogmas da Fé Católica e refutar as heresias” ( Bula Triunphantis, 14 de Março de 1588). Estas palavras, ainda que pareçam aplicar-se sòmente à Teologia Escolástica, contudo, devem ser igualmente aplicadas à filosofia, e em seu louvor. De facto, as qualidades ilustres que tornam a Teologia Escolástica tão formidável para os inimigos da Verdade, isto é, como acrescenta o mesmo Pontífice, Sisto V: “Aquela concatenação tão perfeita das coisas e de suas causas entre si, aquela ordem e disposição, como de soldados dispostos em fileiras para a batalha, aquelas definições límpidas,e distinções, aquela solidez de argumentos, e aquelas disputas subtilíssimas, pelas quais se distinguem a Luz das trevas, e o verdadeiro do falso, E AS MENTIRAS DOS HEREGES, CAMUFLADAS POR MUITAS PALAVRAS E ENGANOS, SÃO TORNADAS MANIFESTAS E POSTAS A NU, COMO SE LHES FOSSE ARRANCADA A VESTE”; estes dons ilustres e maravilhosos, dizemos, devem ser atribuídos ao recto uso daquela Filosofia, da qual os mestres Escolásticos se serviam habitual, hábil, e sàbiamente, também nas disputas teológicas.
Além disso, constituindo uma singularidade própria dos teólogos Escolásticos, o haverem unido entre si, COM VÍNCULO ESTREITÍSSIMO, A CIÊNCIA HUMANA E A CIÊNCIA DIVINA, com certeza a Teologia, na qual foram excelentes, não teria adquirido tanta honra e louvor entre os homens, se tivessem utilizado meios de qualidade inferior. (…)
São Tomás de Aquino, de engenho dócil e agudo, de memória fácil e tenaz, de vida inocentíssima, AMANTE ÙNICAMENTE DA VERDADE, RIQUÍSSIMO EM CIÊNCIA DIVINA E HUMANA, como um sol, acalentou o mundo com o calor das suas virtudes, e cumulou-o com o esplendor da sua Doutrina. Não há nenhum argumento filosófico que ele não tenha tratado com agudeza e solidez; disputou de tal forma sobre as leis da dialéctica, de Deus, e das substâncias incorpóreas, do homem, e das outras realidades sensíveis, dos actos humanos e dos seus princípios, que se não pode desejar messe mais abundante de questões, nem método mais excelente de proceder, nem firmeza de princípios ou força de argumentos, nem clareza ou propriedade de exposição, nem facilidade de explicr qualquer matéria, mesmo a mais abstrusa.
Acrescente-se a isso, que o Doutor Angélico explorou as conclusões filosóficas nas razões íntimas das coisas e nos princípios universalíssimos, OS QUAIS EM SEU SEIO ENCERRAM AS SEMENTES DE VERDADES QUASE INFINITAS, QUE EM TEMPO OPORTUNO, E COM FRUTO ABUNDANTÍSSIMO, SERIAM FEITAS GERMINAR POR FUTUROS MESTRES. Tendo São Tomás usado tal modo de filosofar, também para refutar os erros, sòzinho conseguiu derrotar todos os erros dos tempos passados,e forneceu meios poderosíssimos para afugentar, os QUE COM SUCESSÃO PERPÉTUA SURGIRIAM ULTERIORMENTE.»

A raiz mais profunda de todo o relativismo, de todo o modernismo, e, em geral, de todas as doutrinas anti-católicas, reside NA NEGAÇÃO SUBSTANCIAL DE UMA VERDADE IMUTÁVEL. Tal não constitui um pequeno erro nos princípios, MAS SIM UM ERRO TREMENDO E ABSOLUTO NA PRÓPRIA FUNDAMENTAÇÃO DO PENSAMENTO – MAS É UM ERRO CEM POR CENTO IMPUTÁVEL MORALMENTE COMO UM PECADO MORTAL. Não é um pecado filosófico, no sentido em que quem erra nos “Preambula Fidei” peca mortal e teològicamente, na exacta medida em que a nossa Ordem de Salvação é Sobrenatural e estritamente obrigatória; consequentemente, obtemos de Deus a Graça Medicinal necessária para que, mesmo na Ordem Natural, concebamos rectamente as realidades Divinas. Cumpre contudo assinalar, que ordinàriamente, o verdadeiro crente, não transita faseadamente, discursivamente, e sob o impulso da Graça, dos “Preambula Fidei” para os motivos de credibilidade, seguindo-se o acto de Fé; não; a Graça de Deus faculta-nos, com o  apoio dos motivos de credibilidade, e num só acto Sobrenatural de inteligência e de vontade, a existência de Deus Uno e Trino, a Divindade Redentora de Nosso Senhor Jesus Cristo, a Divindade da Santa Madre Igreja, a Divindade dos Sacramentos, os Novíssimos do Homem, em síntese – toda a Fé Católica, sem passar por uma etapa puramente filosófica. Aliás, segundo a Constituição “Dei Filius” do Sagrado Concílio Vaticano I, a qual se apoiou directamente em São Tomás de Aquino, quando se afirma que a inteligência humana pode provar a existência de Deus a partir da Criação, pretende-se sobretudo significar a capacidade “física”, em si mesma, das faculdades intelectuais, consideradas como atributo da espécie humana; não a capacidade pròpriamente moral, exercida no concreto da vida real do homem comum; neste quadro conceptual, a Revelação surge como MORALMENTE NECESSÁRIA – em virtude do pecado original que opacificou a inteligência – para que os homens adquiram por via Sobrenatural, mais fácil, aquilo que, teòricamente, poderiam alcançar por via do exercício da razão natural. Todavia, a Constituição “Dei Filius” solenemente afirma que a razão constitutiva da Revelação reside na elevação ao Estado Sobrenatural.
Foi o Papa Alexandre VIII, que em 1690, condenou a existência de um pecado filosófico perfeitamente autonomizado do pecado teológico, só este podendo conduzir ao Inferno.
Quem produz asserções que relativizam o valor Absoluto, Eterno e Imutável da Verdade objectiva, isto é, possuidora de transcendência fundamental em relação às diversas subjectividades, as quais são ESSENCIAMENTE MEDIDAS PELA PRIMEIRA; Quem afirma que a Verdade evolui vitalmente, culturalmente, segundo os tempos e os lugares, e que portanto não consiste numa realidade feita, mas a fazer-se, a criar o seu próprio objecto, segundo as necessidades individuais, sociais e estatais – ESSE ALGUÉM É ATEU, DE UM ATEÍSMO EDULCORADO, ESTÈTICAMENTE COMPOSTO, MAS MESMO ASSIM – ATEÍSMO!
A Santa Madre Igreja, que É INFALÍVEL, MESMO EM MATÉRIAS FILOSÓFICAS, E QUE PRÀTICAMENTE CANONIZOU O TOMISMO, afirmou sempre que é atributo inerente à Verdade o recolher e incorporar, em si mesma, coerentemente, com alegria, os frutos de um sadio progresso.
Efectivamente, a Verdade é Deus Uno e Trino, Criador, Redentor, Consumador, Princípio e Fim de todas as coisas, e à Luz do Qual, todas são essencialmente medidas. Fora da Verdade, portanto, só temos o erro e o mal, privação de Ser que corrompe a operação das criaturas. TUDO O QUE É DE DEUS, EM DEUS TEM LUGAR, POIS QUE REFLECTE A SUA LUZ, NATURAL E SOBRENATURALMENTE.
A própria Revelação Sobrenatural, ilumina-nos sobre a natureza do mundo visível. Um modernista, um protestante, nunca pode possuir a mesma visão da realidade de um verdadeiro católico. De forma alguma. A própria Graça ilumina extrìnsecamente a inteligência natural. A filosofia oficial da Igreja, o Tomismo, como que nasceu providencialmente desta imensa Luz extrínseca. Tem que se empregar o termo “extrínseco” na medida em que o que é Sobrenatural, como tal permanece, e é totalmente incomensurável com a Ordem Natural; só que por uma espécie de redundância ontológica, a alma inundada pela Graça de Deus, participante da Natureza Divina, da Inteligência Divina, da Caridade Divina, não pode deixar de transparecer no plano natural, o absolutamente inefável que possui Sobrenaturalmente.
Nós sabemos que a substância é separável – pela omnipotência Divina – dos acidentes, e sabêmo-lo pela Fé. Nós sabemos que além da presença natural e circunscritiva dos corpos no espaço, existe um outro tipo de preença, imensamente superior, possível só pela acção da omnipotência Divina, que é a presença imediata pela própria substância, que tal é a presença de Nosso Senhor Jesus Cristo no Santíssimo Sacramento do Altar; e que exactamente por isso pode estar presente em vários lugares simultâneamente. É certo que estas realidades são ONTOLÓGICAS E NÃO FENOMÉNICAS, por isso de modo algum contradizem as modernas teorias atómicas e moleculares sobre os elementos, os compostos, e as ligações químicas; pelo contrário, CONFIRMAM-NAS, ainda que, como já se afirmou, num plano ONTOLÓGICO.
A corruptibilidade do espaço-tempo, o fim próximo deste pobre mundo, ferido pelo pecado original, constituem verdades Sobrenaturais ensinadas dogmàticamente pela Teologia Católica. Essas Verdades iluminam singularmente o espírito verdadeiramente católico, conduzem-no através da sua vida mortal; porque ele verifica em si mesmo um enriquecimento notável e misterioso no conhecimento do mundo e dos homens em comparação com os não crentes; sabe, efectivamente, muito mais do que eles acerca do mundo em que vive; e mais do que isso, nas profundidades da sua alma vê nascer uma harmonia, uma analogia, uma ratificação, uma bondade geral de tudo com tudo, SALVAGUARDADA A DISTÂNCIA INFINITA ENTRE O NATURAL E O SOBRENATURAL. Na realidade, é essa mesma harmonia que perpassa as obras de São Tomás de Aquino; foi essa harmonia que o mundo foi perdendo, numa contínua desagregação, logo a partir do século XIV.
Tudo o que Deus Nosso Senhor criou é, necessàriamente, hierárquico e analógico. Não pode haver realidades estranhas umas às outras, não pode haver hiatos na Criação, pois todos os entes, enquanto tais, se iluminam uns aos outros, quer na Ordem Natural, quer na Ordem Sobrenatural.
Por isso, São Tomás de Aquino, distinguiu, mas jamais separou, a Teologia da Filosofia, a Teologia Dogmática da Teologia Moral.
A ascensão espiritual do verdadeiro católico implica pois um ENRIQUECIMENTO INTELECTUAL, NÃO HAURIDO DOS LIVROS, MAS EXSURGENTE, EXTRÌNSECAMENTE, DA GRAÇA SANTIFICANTE, DAS VIRTUDES TEOLOGAIS E MORAIS, BEM COMO DOS DONS DO ESPÍRITO SANTO. ESSE TESOURO É CONSTITUTIVO DA SERENA POSSE DA VERDADE, A QUAL FLORESCE E FRUTIFICA HOMOGÈNEAMENTE, UNIFICANDO, COLHENDO, ILUSTRANDO, ABRAÇANDO E SANCIONANDO, TUDO AQUILO QUE FOR REALMENTE SER; POIS QUE A UNIDADE, A VERDADE, A BONDADE, CONSTITUEM ATRIBUTOS TRANSCENDENTAIS DO SER.
Mas precisamente por isso, a Verdade, como o Ser, são METAFÍSICA E TEOLÒGICAMENTE ABSOLUTOS, ETERNOS E IMUTÁVEIS. Caso contrário a evolução seria completamente inútil,
cega e estéril; aliás, não seria – POIS SERIA O NADA!
Todos os absurdos desta pobre e feia civilização, requintadamente ateia, com  a sua “filosofia” do absurdo e do nada, a sua seita anti-Cristo sediada no Vaticano, a sua falsa cultura de sentina e de lupanar; tudo isto releva do deicídio absolutamente letal para as almas de supor a mutabilidade evolutiva da Verdade e do Ser, de se obliterar o sentido profundo do Ser. Como se tem afirmado, Ser não é Deus, Ser é um conceito abstrato obtido pela aplicação do intelecto à  pluralidade dos entes criados; Deus é uma realidade perfeitamente concreta, Pessoal, Transcendente, induzida como conclusão de um premissa maior – a existência do mundo; e uma premissa menor – o Princípio da razão suficiente. MAS O ERRO ACERCA DA NATUREZA DO SER É RIGOROSAMENTE CONCOMITANTE DO ERRO ACERCA DA NATUREZA DIVINA – QUEM FINITIZA O PRIMEIRO, FINITIZA IGUALMENTE A SEGUNDA. Todavia não existe uma relação de causalidade, seja em que sentido for, o paralelismo é perfeito, e a razão profunda para ele reside NO ACTO ESSENCIALMENTE FINITIZADOR, MORALMENTE CULPÁVEL, DA CRIATURA HUMANA QUE O CONSTITUI.
Aí se encontra, intemporalmente, sem limites geográficos ou sociais, como foi dito, a raiz, a causa, e o princípio de tudo o que não é Católico.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 8 de Abril de 2015

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: