Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

AS CRIATURAS, ENQUANTO TAIS, DEVEM CONDUZIR A DEUS

benedito-calixto-anchieta

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos os seguintes excertos, extraídos das “Homilias sobre os Evangelhos” do Papa São Gregório Magno (590-604):

MEDIANTE VOSSA PACIÊNCIA POSSUIREIS AS VOSSAS ALMAS (Lc 21,19)
A posse da alma atribui-se à virtude da paciência, porque a paciência é a raiz e guardiã de todas as virtudes. Efectivamente pela paciência possuimos nossas almas, porque quando já aprendemos a vencer-nos a nós mesmos, começamos a ser donos do que somos. Ora bem, a paciência consiste em suportar, equânimes, o mal que nos causam os outros, e não murmurar queixa alguma contra quem nos faz mal. Porque quem carrega com os trabalhos alheios, mas de forma que interiormente se queixa, aguardando o ajuste de contas, esse não tem paciência, apenas a aparenta; pois está escrito: A Caridade é paciente, é benigna (I Cor 13,4). Porque é paciente para tolerar os males alheios; e é benigna para amar aqueles mesmos a quem suporta. POR ISSO DIZ A MESMA VERDADE: AMAI A VOSSOS INIMIGOS, FAZEI BEM AOS QUE VOS ABORRECEM, E ORAI POR TODOS OS QUE VOS PERSEGUEM E CALUNIAM. (…)
Não se chama Pastor, mas mercenário, a quem apascenta as ovelhas do Senhor, não por amor íntimo, mas por ganhos temporais. Efectivamente é mercenário, quem ocupa, sim, o posto de de pastor, mas se não ocupa dos ganhos espirituais das almas; quem cobiça as comodidades da Terra, goza com a honra da prelatura, apascenta-se com os ganhos temporais, e alegra-se com a reverência que lhe tributam os homens; porque estas são as recompensas do mercenário, que encontra aqui o que busca e por aquilo que trabalha no seu governo, ficando depois desterrado da Herdade do Rei.»

A criatura espiritual, Anjo e Homem, foi criada para conhecer, amar e servir a Deus neste mundo, e para o contemplar na Eternidade, anunciando assim a Glória extrínseca, d’Aquele Mesmo, que sendo o seu Criador, não pode, por isso mesmo, deixar também de constituir o seu Fim. Para outra coisa não estamos na Terra; e o que é realmente assombroso, IMPENSÁVEL, é que exista uma época, A NOSSA, em que já não haja uma instituição, social e culturalmente estruturada, cuja constitutiva razão de ser seja precisamente a consagração dessa suprema origem e desse inefável Fim para a criatura espiritual; e pior ainda, só uma minoria pequeníssima de pessoas acredite nela, e uma minoria ainda mais restrita a incorpore sobrenaturalmente como norma e razão de ser para a sua vida.
Porque a Fé Católica é necessàriamente simples, como Deus Nosso Senhor é Infinitamente simples. Existe certa crítica que assevera que os apologetas católicos dizem sempre a mesma coisa, insistindo contìnuamente nas mesmas realidades; ainda bem que assim é, porque os Mistérios Sobrenaturais, bem como a Sua relação com a nossa salvação, são sempre os mesmos, embora possam e devam ser analisados segundo ângulos diferentes. Quanto menos, E MAIS RICOS, Princípios Fundamentais forem necessários para a nossa operação Sobrenatural, MAIS PERTO ESTAMOS DE DEUS, O QUAL É, CONHECE E AMA, SEGUNDO O ÚNICO PRINCÍPIO, INCRIADO, DA SUA DIVINA ESSÊNCIA. Anàlogamente, quanto mais nos afastamos de Deus, mais a nossa cognição e a nossa operação serão múltiplas, dispersivas e ineficazes; uma tal atomização desintegradora, explica perfeitamente o VAZIO TREMENDO DA VIDA MUNDANA, VAZIO ESSE QUE ANIQUILA E CARCOME A SEITA ANTI-CRISTO, ORIUNDA DO VATICANO 2.
A própria vida moderna, sobretudo nas grandes cidades, afasta terrìvelmente de Deus, o que aliás já acontecia no século XIX. Toda a civilização actual, requintadamente ateia, blasfema, deicida, constitui uma formidável provocação à Santa Ira de Deus Nosso Senhor.
Todavia, as criaturas, enquanto tais, quer na Ordem Natural, quer na Ordem Sobrenatural, devem necessàriamente, pela objectividade nativa da sua própria existência, conduzir a Deus; e a razão profunda consubstancia-se no facto das criaturas, e muito especialmente as espirituais, reflectirem, contingentemente, as Infinitas  perfeições Divinas; contudo, só as almas religiosamente bem formadas percepcionam, enlevadas e orantes, a transcendência de tal realidade. As pessoas do mundo, cegas pela dissolução pseudo-religiosa, intelectual, e moral, arrastam-se, imersas numa esterilidade muito bem definida por Santo Afonso Maria de Ligório, quando afirmou: “Ai, como seriam grandes santos, os mundanos, se sofressem para dar Glória a Deus, o que sofrem para se condenar”.
Quando a Teologia Moral, e sobretudo a Teologia Ascética e Mística, nos ensina que o mundo nos afasta dos caminhos de Deus, TRATA FUNDAMENTALMENTE DO MUNDO EM SENTIDO MORAL – ESSE, SIM, PÉSSIMO; PORQUE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO JÁ O CONDENOU!
Mas a criatura, precisamente porque saída das mãos de Deus, possui uma santidade ontológica própria, QUE LHE NÃO PERTENCE, PORQUE VEM TODA DE DEUS, E ESTÁ SEMPRE REFERIDA A DEUS. É essa santidade ontológica que exige o castigo Eterno da criatura que operativamente perdeu a sua dignidade, repelindo a Deus.
Repudiar a criatura, enquanto tal, considerando-a, em si mesma, um perigo para a salvação da alma,  não demonstra santidade, mas precisamente – falta de santidade, fraqueza moral. A vida religiosa proclama a fuga do mundo, sem dúvida, mas como já vimos, em sentido estritamente moral.
Os Anjos e os homens foram, em princípio, chamados a glorificar a Deus em todos os aspectos da sua condição ontológica, porque tudo o que Deus criou é Bom. Não há, nem metafìsicamente pode haver, naturezas más, nem mesmo acidentes maus. O mal moral, enquanto privação qualificada do ser, resulta do desenvolvimento operativo dos entes espirituais sem introduzirem, na sua vida, a hierarquia objectiva dos meios e dos fins. Os próprios Dons Preternaturais concedidos a Adão possuíram como objectivo fazer corresponder o Bem físico ao Bem Moral Sobrenatural.
Enquanto os homens não compreenderem que a cegueira para as coisas de Deus, é simultâneamente pecado e castigo do pecado – pois configura um círculo vicioso em que o mal se nutre dele próprio, numa vertigem existencial, aniquilante da simplicidade que conduz a Deus – jamais poderão combater as nefastas consequências do pecado original.
Porque o mal, enquanto tal, não possui, nem pode possuir, causa eficiente própria, nem causa exemplar, nem causa final, é um simples resultado da aplicação transtornada e subvertida dos primeiros princípios ao concreto quotidiano.
Sòmente a Divina Revelação, sòmente o organismo Sobrenatural das Virtudes Teologais e Morais, dos Dons do Espírito Santo, da Graça Santificante, podem proporcionar à alma o sentido exacto, natural e Sobrenatural, do valor do mundo e das vicissitudes das criaturas – PORQUE FOI AQUELE QUE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, VERBO ENCARNADO, LHE CONFERIU.
Como Sol Sobrenatural deste pobre mundo, Nosso Senhor constitui a medida absoluta, E ENCARNADA, das realidades criadas, quer como verdadeiro Deus, quer como verdadeiro Homem. Porque em Jesus Cristo, o próprio Criador se uniu a uma Natureza Humana, A Qual só com o Verbo, no Verbo, e pelo Verbo, pode subsistir. Realidades infinitamente distantes de um ponto de vista metafísico e natural, encontram-se assim em estreita proximidade ontológica Sobrenatural; porque a medida metafísica, fria e distante, deu lugar À MEDIDA SOBRENATURAL, ÍNTIMA, INFINITAMENTE RICA E PROFUNDA, NA QUAL O MUNDO E O HOMEM SÃO MEDIDOS POR AQUELE MESMO QUE TAMBÉM SE TORNOU HOMEM VIADOR NESTE VALE DE LÁGRIMAS.
A Santidade dos filhos adoptivos de Deus imerge assim, radicalmente, numa Verdade consagrada e encarnada pelo Sacerdócio Substancial de Nosso Senhor Jesus Cristo, feito Homem para satisfazer condignamente, na Cruz, à Santíssima Trindade, pelos pecados de todos os homens, e Cujo Sacrifício, renovado incruentamente nos Altares, constitui, com os Sacramentos, e o Magistério da Santa Madre Igreja, o único e necessário lenitivo Sobrenatural para os peregrinos desta Terra.
Se o lar doméstico dos homens deste mundo, tomasse como causa exemplar, causa eficiente e causa final, o PRESÉPIO DE BELÉM E A HUMILDE CASA DA NAZARÉ, de quantas Graças beneficiaria, porque então poderia haurir a vida Sobrenatural da ubérrima fecundidade das fontes da Sagrada Família; e das realidades criadas, mais Santas, recolheria frutos de Eternidade; pois a  beatitude celeste não oblitera a criatura, mas abisma-a infinitamente nos Mistérios de Deus.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 21 de Maio de 2015

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

2 Respostas para “AS CRIATURAS, ENQUANTO TAIS, DEVEM CONDUZIR A DEUS

  1. Jacob maio 23, 2015 às 7:19 pm

    “só uma minoria pequeníssima de pessoas acredite nela, e uma minoria ainda mais restrita a incorpore sobrenaturalmente como norma e razão de ser para a sua vida.”

    Verdade.

    É fácil ler o Catecismo e as Escrituras e aderir publicamente à Doutrina.

    Difícil é ver em Deus – na obediência a Ele, no amor por Ele e na salvação de nossas almas – o fim último de TODOS os nossos atos, desde os nossos maiores planos para a vida até os mais pequenos, comuns e muitas vezes não-testemunhados atos do cotidiano, como levantar da cama todas as manhãs, comer, ir para o trabalho ou mesmo o simples pensar. Nada pode ter como fim último algo que não seja Deus.

    Quem assim incorpora o Senhor em sua vida, esse não viveu em vão.

  2. Alberto Cabral maio 23, 2015 às 10:13 pm

    É exactamente isso; e basta olhar à nossa volta para verificar que a norma de vida e de conduta nas almas está nos antípodas das Virtudes Sobrenaturais.
    Saudações em Jesus,Maria eJosé.
    Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: