Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

SE TUDO É EVOLUÇÃO – NADA É!

Wevoluço espirita

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

 

Escutemos o Papa São Pio X, em excertos da encíclica “Pascendi Dominici Gregis”, promulgada em 8 de Setembro de 1907:

«Têm os modernistas por princípio geral, que numa religião viva, TUDO DEVE SER MUTÁVEL E MUDAR DE FACTO. Por aqui abrem caminho para uma das suas principais doutrinas, que é a da evolução. O Dogma, pois, a Igreja, o Culto, os Livros Sagrados, e até mesmo a Fé, se não forem coisas mortas, devem sujeitar-se às leis da evolução. Quem se lembrar de tudo o que os modernistas julgam sobre cada um destes assuntos, já não ouvirá com pasmo a afirmação deste princípio. Posta a lei da evolução, os próprios modernistas passam a descrever-nos o modo como ela se efectua. E começam pela Fé. Dizem que a forma primitiva da Fé foi rudimentar e indistintamente comum a todos os homens; PORQUE SE ORIGINAVA DA PRÓPRIA NATUREZA E VIDA DO HOMEM. PROGREDIU POR EVOLUÇÃO VITAL; quer dizer, não por acréscimo de novas formas, vindas de fora, mas por crescente penetração do sentimento religioso na consciência. Esse mesmo progresso se realizou de duas maneiras; primeiro negativamente, eliminando todo o elemento estranho, como seja o sentimento da família, ou da nacionalidade; em seguida, positivamente, com o aperfeiçoamento intelectual e moral do homem, donde resultou maior clareza para a ideia Divina e excelência para o sentimento religioso. As mesmas causas que serviram para explicar a origem da Fé, explicam também o seu progresso. A esaas, porém, devem-se acrescentar os génios religiosos, a que chamamos profetas, dos quais o mais eminente teria sido Cristo; seja porque eles, na sua vida, ou nas suas palavras, tinham algo de misterioso, que a Fé atribuía à Divindade, seja porque alcançaram novas e desconhecidas experiências, em plena harmonia com as exigências do seu tempo(…)

Nada portanto, veneráveis irmãos, se pode dizer estável ou imutável na Igreja, segundo o modo de agir e de pensar dos modernistas, Para o que também não lhes faltaram precursores, esses de quem o nosso predecessor Pio IX escreveu:

ESTES INIMIGOS DA REVELAÇÃO DIVINA, QUE EXALTAM COM OS MAIORES LOUVORES O PROGRESSO HUMANO, DESEJARIAM, COM TEMERÁRIO E SACRÍLEGO ATREVIMENTO, INTRODUZI-LO NA RELIGIÃO CATÓLICA, COMO SE ELA NÃO FOSSE OBRA DE DEUS, MAS OBRA DOS HOMENS. OU ALGUM SISTEMA FILOSÓFICO QUE SE POSSA APERFEIÇOAR POR MEIOS HUMANOS.

Nesse sentido é que o Sagrado Concílio Vaticano I prossegue, dizendo: CRESÇA POIS, E COM ARDOR PROGRIDA A COMPREENSÃO, A CIÊNCIA, A SAPIÊNCIA, TANTO DE CADA UM COMO DE TODOS, TANTO DE UM SÓ HOMEM COMO DE TODA A IGREJA,COM O PASSAR DAS ÉPOCAS E DOS SÉCULOS, MAS NO SEU GÉNERO SÒMENTE, ISTO É, NO MESMO DOGMA, NO MESMO SENTIDO, E NO MESMO PARECER.»

 

A degenerescência do pensamento humano nos últimos cinco séculos, consubstanciou-se fundamentalmente numa perda de ser, numa atomização da inteligência, num enlanguescimento da compreensão.

Mesmo na Ordem Natural, a inteligência contingente, reflexo finito da Inteligência Divina, encontra-se, essencialmente, vocacionada para a compreensão, mediante a qual unifica inteligível e anàlogamente o que aparece como separado. O maior erro dos sistemas de ensino, em geral, é conceberem o conhecimento segundo multiplicidades unívocas, mecânicamente memorizadas, sem apelarem à compreensão e assimilação inteleccionada de Princípios análogos. Na exacta medida em que o verdadeiro conhecimento, e a verdadeira cultura, apenas de podem haurir de Princípios Inteligíveis, e não de pluralidades concretas e avulsas.

Ora, nos últimos cinco séculos, se é um facto que no domínio das ciências positivas se desenvolveu muitíssimo a compreensão da realidade, não é menos verdade que no terreno filosófico e teológico as perdas foram brutais, e com a agravante extraordinária, do acima mencionado progresso científico haver inebriado o homem de uma autosuficiência e de uma presunção que ainda mais acentuou a insensibilidade filosófica e teológica, aquela rotura profunda do sentido medieval da unidade da Fé e da Razão; do Sobrenatural e do Natural; do Público e do Privado; do Sagrado e do Profano. Porque, não duvidemos, a decadência iniciada logo no século XIV, sobretudo nos ataques que fraticellos, imperiais de Luís da Baviera, e proto-democratas como Marsílio de Pádua, moveram contra o Papa João XXII, constituíam o prenúncio de uma desagregação em que o Protestantismo no plano religioso, e o Cartesianismo no plano filosófico, rubricariam com letras satânicas a nova idade antropocêntrica.

Enquanto que o pensamento culto, medieval, Tomista, se definia e resolvia, essencialmente, nos conceitos de ASSEIDADE, ANALOGIA, ETERNIDADE E IMUTABILIDADE, aí assimilando a luz para saciar a inteligência, na fonte da mais elevada contemplação; todos aqueles que enveredavam pelo Escotismo, já sentiam essa luz diminuir, na profissão de um sistema filosófico inferior que afectava, mas não destruía, a Fé Teologal.

É necessário que se afirme frontalmente: O Protestantismo finitizou Deus; ainda que de início não tivesse talvez essa intenção. Mas assim procedendo, abriu as portas às alcateias de ditos filósofos, como Descartes, Leibnitz, Newton, Espinosa, Hobbes, Locke, Hume, Kant, Hegel e outros, que um artigo da “Civiltá Catolica” em meados do século XIX, considerava constituírem a História da Patologia mental Ocidental.

É francamente triste folhear uma História da Filosofia, escrita numa perspectiva católica; efectivamente, à medida que os séculos passam, os filósofos verdadeiramente católicos vão escasseando assustadoramente, até pràticamente desaparecerem nos últimos duzentos anos. E porquê? PORQUE ESCOLHERAM A EVOLUÇÃO, A MUDANÇA, A NOVIDADE, A VERDADE COMO CRIAÇÃO DA SUBJECTIVIDADE. Esqueceram-se que a verdadeira Paz, a verdadeira Sabedoria, a verdadeira felicidade, mesmo neste mundo, só se alcançam na infinita fecundidade d’Aquilo que não muda, nem pode mudar, E PRECISAMENTE, PORQUE NÃO MUDA, NEM PODE MUDAR, PORQUE SÒMENTE TAL PROPRIEDADE SACIA A ALMA, AQUÉM COMO ALÉM TÚMULO.

Uma vez lançados no vórtice da evolução, da mutação, TUDO SE ACABA, NÃO FICA NADA. Alguém duvida? Então dirija um olhar por sobre o miserável processo da seita conciliar, quando pela introdução, tendencialmente subliminal, de um vírus relativista e evolutivo, se deu início ao processo de aniquilamento, o mais profundo, o mais extenso, e o mais rápido da História, e em que qualquer valor só pode existir como condição da própria pulverização.

Argumentar-se-á; mas Deus Nosso Senhor criou o mundo mutável, então, que mal haverá nessa mudança? A mutabilidade contingente do mundo deve permanecer teleològicamente vinculada à Glória Imutável e Eterna de Deus; isto é: A aparente relatividade evolutiva do mundo, de uma forma ou de outra, tem necessáriamente que servir os desígnios de Deus Nosso Senhor, Esse sim, ABSOLUTO, ETERNO E IMUTÁVEL.

Todavia a Criação só neste pobre mundo corruptível e mortal apresenta esta face incessantemente mutável; na Eternidade, todo o tempo, toda a sucessão, serão infinitamente superados, sublimados; reinará a mais soberana imutabilidade ontológica (não imutabilidade metafísica) visto que todas as inteligências, angélicas e humanas, estarão abismadas na contemplação de Deus, e todas as vontades congraçadas na mais perfeita e inefável Caridade; a História terá definitivamente terminado. Exactamente, porque a definição de História consubstancia-se no dramatismo das incessantes vicissitudes sofridas por uma unidade, seja ela individual, social, institucional, ou da própria Humanidade como tal. Tais vicissitudes desenvolvem-se, e só podem desenvolver-se, no tempo. Mesmo as almas separadas, no purgatório e no Céu, são extrìnsecamente medidas pelo tempo do mundo. Por este quadro conceptual se pode observar a loucura daqueles que há vinte e cinco anos, com a queda da União Soviética, proclamavam o fim da História, hipotèticamente cristalizada no capitalismo Demo-liberal. Enquanto este pobre mundo for mundo, o Bem e o Mal permanecerão inextricàvelmente amalgamados, com predominância muitíssimo acentuada do segundo sobre o primeiro; MAS NEM UM NEM OUTRO OBTERÃO VITÓRIA DEFINITIVA. Sòmente a consumação escatológica glorificará Eternamente o Bem, castigando, também Eternamente, o mal.

A mutabilidade do mundo, não pode valer por si mesma, só pode possuir como objectivo, algo que a transfigure e assimile a um plano de ordem essencialmente superior.

A mutabilidade incessante deste desgraçado mundo, privada da referência fundamental a Deus Uno e Trino – NADA É.

ORA FOI NESTA VERTIGEM ANIQUILANTE QUE O NUNCA SUFICIENTEMENTE AMALDIÇOADO CONCÍLIO VATICANO 2 NOS QUIS PROJECTAR, SEM REMISSÃO. QUALQUER VALOR, OU PSEUDO-VALOR, QUE O DITO CONCÍLIO NOS PROPONHA, É SEMPRE CONDIÇÃO DA ANIQUILAÇÃO DESSE VALOR, EM NOME DE UM OUTRO PSEUDO-VALOR; E ASSIM SUCESSIVAMENTE, SEMPRE, SEMPRE, EM CORRIDA LOUCA, ABSURDA, COMPLETAMENTE CEGA E ESTÉRIL – QUE A NADA CONDUZ!

A seita conciliar nem mesmo consegue estabilizar a inteligência e a vontade numa mutabilidade puramente natural e racional, onde o indivíduo, a família e a sociedade, possam, de alguma maneira, governar-se; e que de qualquer forma não facultaria a salvação Sobrenatural; Não, a vertigem conciliar, SENDO O FRUTO ENVENENADÍSSIMO DA APOSTASIA GLOBAL, DA APOSTASIA EM SENTIDO ABSOLUTO, SÓ PODE OBLITERAR ANÀRQUICAMENTE TODA A RACIONALIDADE, BEM COMO QUALQUER PENSAMENTO E QUALQUER OPERAR, MÌNIMAMENTE DIGNOS DESSE NOME.

Recordemos o aforismo escolástico: CORRUPTIO OPTIMI – PESSIMA. A Santa Madre Igreja, enquanto Pessoa Moral de Direito Divino, na sua componente pròpriamente Divina, nunca pode ser corrompida, nem mesmo tocada; não assim na sua face humana, QUE ESTÁ EXPOSTA ÀS VICISSITUDES DA HISTÓRIA HUMANA, podendo nelas naufragar, interrompendo-se de facto, mas nunca de Direito, a custódia do Património Sagrado.

Os Bons devem responder à tenebrosa relatividade do mundo, com as mais excelsas, as mais Sobrenaturais, as mais nobres expressões da Doutrina Cristã, cuja imutabilidade, cuja Eternidade, constitua o estandarte mais perene do testemunho daqueles que, iluminados gratuitamente pela Luz Celeste, auxiliados por Nossa Senhora e São José, querem transportar até ao fim, inabalàvelmente, a Santíssima Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 15 de Agosto de 2015

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: