Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

A HUMANIDADE FALHOU EM TUDO, EXCEPTO NAS REALIZAÇÕES TÉCNICAS

Armagheddon

  • O presente artigo trata do que está atrás do tal «progresso moderno» no qual as preocupações administrativas e tecnológicas ganham a primeira importância em detrimento do senso moral dos governos e da vida espiritual das pessoas.
  • Exemplo espantoso da introdução dessas idéias revoluciárias, que serviram-se de um despotismo por nada esclarecido em Portugal, foi o governo do Marquês de Pombal, que deve ser melhor identificado porque ligado à mentalidade que envolveu o País e a Europa de então, num materialismo deslavado em nome da liberdade, igualdade e fraternidade.
  • De modo que os portugueses não precisaram esperar a invasão napoleônica para conhecer os «benefícios» destas idéias! Por ironia da história a tumba suntuosa de Pombal foi profanada nessa ocasião pela turba dos novos salvadores!

*

*   *   *

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos o Papa Pio XII, em passagens de uma alocução proferida aos membros do X Congresso Internacional de Ciências Históricas; 7 de Setembro de 1955:

«A Igreja Católica é, ela própria, um facto histórico; como uma poderosa cadeia de montanhas, ela tem atravessado a história dos dois últimos milénios; seja qual for a atitude assumida para com ela, é todavia impossível evitá-la. Os juízos formados a seu respeito são muito variados: Vão da aceitação total, à mais terminante rejeição. Mas seja qual for o veredicto final do historiador, cuja missão é ver e expor, tais como se passaram, tanto quanto possível, os factos, os acontecimentos e as circunstâncias, a Igreja crê poder esperar dele que se informe em todos os casos da consciência histórica que ela tem de si própria, da maneira como se considera um facto histórico e como considera a sua relação com a História humana.

Falemos agora da Igreja em si própria, como facto histórico: Ao mesmo tempo que o afirma plenamente a sua origem Divina e o seu carácter Sobrenatural, a Igreja tem consciência de ter entrado na Humanidade como um facto histórico. A vida, a morte, e a ressurreição de Jesus Cristo são factos históricos. Acontece, por vezes, que os próprios que negam a Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, admitem a Sua Ressurreição, porque ela está, em seu entender, muito bem atestada, històricamente. QUEM PRETENDESSE NEGÁ-LA, DEVERIA APAGAR TODA A HISTÓRIA ANTIGA, porque nenhum dos seus factos está melhor provado do que a Ressureição de Cristo. A missão e o desenvolvimento da Santa Igreja são factos históricos.

Sabe a Igreja também que a sua Missão, embora pertencendo, por sua natureza, ao domínio moral e religioso, situado no Além e na Eternidade, penetra contudo no coração da História e da Humanidade. Sempre e em toda a parte, adaptando-se sem cessar às circunstâncias do lugar e do tempo, Ela quer modelar, segundo a Lei de Cristo, as pessoas, o indivíduo, e tanto quanto possível, todos os indivíduos; atingindo dessa forma os fundamentos morais da vida em sociedade. O Fim da Igreja é o Homem, naturalmente bom, penetrado, enobrecido e fortificado, pela Graça de Nosso Senhor Jesus Cristo.»

F´é e razãp

Por difícil que seja elaborar um princípio de síntese da História da Humanidade; algo ressalta cruamente aos olhos de qualquer pessoa sincera, crente ou descrente: O século XX foi o mais bárbaro de todos, o mais cruel, foi aliás o único em que os seres humanos foram, por vezes, considerados como uma espécie zoológica, como qualquer outra. O fogo de artifício dos direitos humanos revolucionários, mal encobre a avareza, o egoísmo, o materialismo, o cinismo, a hipocrisia, a nível individual, social, nacional e internacional.

Se não tivesse existido o pecado original e os pecados actuais, o caudal de progresso religioso, espiritual e moral acumulado por cada geração, seria integralmente transmitido, e recolhido pelas gerações subsequentes. E não se diga que num estado Preternatural e Sobrenatural Paradisíaco não seria possível o progresso na virtude; muito pelo contrário, a perfeição moral, por maior que seja, mesmo num mundo intangível ao pecado, seria sempre passível de progresso nessa mesma virtude; quanto mais santo se é, mais se aprofunda, e mais nos deixamos atrair pela Infinita Riqueza Divina, A Qual é, por definição, inexaurível.

Mas a triste condição de um mundo escravo do pecado e do erro implica que sòmente o progresso científico e técnico transite, e se qualifique, de geração em geração; jamais, qualquer eventual progresso moral.

Como foi dito, o século XX foi o mais bárbaro de todos; mas será que tal representa um crescimento absoluto do mal moral no seio do Género Humano? Não; o que acontece, é que satanás, ao longo dos séculos, foi operando de modo a criar sinergias negativas, sinergias do mal, de modo que este foi FICANDO CADA VEZ MAIS EFICAZ E OSTENSIVO.

Um olhar sobre a História Universal, de imediato nos elucida sobre a cupidez dos homens, a começar pelos dirigentes das Nações, a absoluta carência de elevação moral nas relações humanas, individuais, sociais, nacionais e internacionais. Muitos reis e imperadores, ao longo das Idades, além de depravados sexuais, eram assassinos de delito comum. Porque, proclame-se bem alto: O BEM E O MAL NÃO DEPENDEM DO ARBÍTRIO DO MAIS FORTE, SEJA ELE UM REI, OU UM PARLAMENTO, REVOLUCIONÁRIO, OU DE TIPO BRITÂNICO. Por outro lado as massas mimético-nominalistas, seguiam sempre o mais forte, qualquer que ele fosse, nos seus crimes, de forma intrìnsecamente servil e canina. Assim aliás sucedeu com o processo de apostasia conciliar, destruindo-se a face humana do Corpo Místico por via da obediência.

Cumpre assinalar, que a Santa Madre Igreja nunca ensinou a denominada “obediência cega”; nem tal se encontra, de maneira nenhuma, em São Tomás de Aquino. O homem é um ser racional, espiritual, não é um animal irracional, o qual se ordena seguindo necessàriamente o seu instinto. O homem deve obedecer, acima de tudo o mais, a Deus Nosso Senhor, Padrão Absoluto de Verdade e de Santidade, bem como à Sua Revelação, e portanto à Santa Igreja Católica, Històricamente constituída, como depositária de Direito Divino dessa mesma Sagrada Revelação; deve obedecer, sem reservas, à autoridade civil, enquanto esta se estabelece e opera como braço secular da Santa Madre Igreja; deve ainda obedecer, com muitas reservas, à autoridade civil laica, enquanto esta não contradiga formalmente, directa ou indirectamente, a Santa Lei de Deus. O homem, ser espiritual, não se deve, nem pode, contentar-se com uma consciência coerente e sincera, QUE NÃO SERVE PARA A SALVAÇÃO, PORQUE PODE ESTAR OBJECTIVAMENTE ERRADA; mas deve empregar todos os seus esforços, para com o auxílio de Deus Nosso Senhor, FORMAR E SEGUIR UMA CONSCIÊNCIA RECTA, ADERENTE À VERDADE E AO BEM OBJECTIVOS. É portanto nesta base que se deve processar a obediência de um filho adoptivo de Deus Nosso Senhor, porque em última análise: OBEDECER FORMALMENTE AOS HOMENS, DESOBEDECENDO A DEUS, CONSTITUI PASSAPORTE INFALÍVEL PARA A ETERNA CONDENAÇÃO.

A obediência, toda a obediência, tem de estar permanentemente ao serviço da Verdade e da Santidade; pode mesmo considerar-se como a face operativa da Lei Eterna e da Verdade especulativa e Revelada – EM ORDEM TRANSCENDENTAL À SANTIDADE.

Ao estudarmos a História Universal, mesmo sem grande profundidade, verificamos que, sempre, e em todas as épocas e lugares – A GRANDE MAIORIA DOS HOMENS SÃO MAUS; aqui maus, não significa apenas a ausência de rectidão objectiva, mas igualmente a privação de qualquer sinceridade e coerência no agir.

O grande historiador Católico Fortunato de Almeida, referindo-se às lutas liberais em Portugal, não duvida em afirmar que o nível moral dos combatentes de ambos os lados se equiparava na grande mediocridade. Sabemos, por outro lado, que nas Cruzadas, o nível moral, em geral, era muito baixo, na ausência de ideal religioso.

A quarta cruzada, por exemplo, foi miseràvelmente desviada das suas finalidades religiosas, acabando por saquear e conquistar a cidade cristã de Constantinopla (1204).

Nos Descobrimentos, portugueses e espanhóis, diga-se o que se disser, o impulso fundamental era económico e político; e o religioso, que evidentemente também existiu, muitas vezes estava subordinado ao político. As crueldades inúteis e injustificadas cometidas contra os povos indígenas pré-Colombianos, sem prejuízo da necessidade religiosa de impor a Fé Católica a esses povos, demonstram bem o baixíssimo nível moral de muitos colonizadores, aliás denunciado prontamente pela autoridade eclesiástica.

A ingente miséria moral e material provocada pelo liberalismo económico, foi algo monstruoso, e de tal maneira, que a libertação dos escravos nos Estados Unidos (1864) e no Brasil (1888) revelou-se funesta para eles, pois foram lançados às feras do mercado liberal de trabalho, perante o qual seria imensamente preferível um regime moderado de servidão, não de escravidão, aliás aprovado pela Santa Madre Igreja.

A miséria moral da Humanidade é tão grande, que é conhecido como a maior força impulsionadora para a abolição da escravatura, foi, na prática, não o altruísmo, ou a Caridade, mas o maior lucro auferido – em regime de primeira revolução industrial – do trabalho livre, embora explorado, em comparação com o sistema esclavagista.

O grande cimento de todas as sociedades, antigas e modernas, é o egoísmo, logo seguido da hipocrisia. O motor do funcionamento dos serviços públicos, bem como de toda a orgãnica social, não é, na grande maioria dos casos, o altruísmo, nem a Caridade, mas precisamente o egoísmo, na exacta medida em que o vínculo de sociabilidade, que no seu Primeiro Princípio Ontológico é necessária e moralmente bom, com o pecado original e pecados actuais, volveu-se, na prática, ESSENCIALMENTE EGOÍSTA. A própria manutenção da ordem pública, bem como de uma certa segurança e certeza no convívio social, POSSUI UMA MATRIZ ESSENCIALMENTE EGOÍSTA; CONSTITUI A RESULTANTE DO EQUILÍBRIO DE TODOS OS EGOÍSMOS INDIVIDUAIS E COLECTIVOS. O processo de legalização do aborto na segunda metade do século XX não correspondeu a qualquer crescimento essencial de corrupção moral, mas sòmente ao progresso da medicina, bem como ao desenvolvimento técnico das funções do Estado.

Como afirma Pio XII, a Santa Madre Igreja, encontrando-se enraizada na História da Humanidade, transcende, contudo, essencialmente, essa mesma História. Na realidade a Revelação, enquanto, INTERVENÇÃO POSITIVA E ESSENCIAL DE DEUS NA HISTÓRIA HUMANA, ILUSTRANDO-A COM O LUME DA SUA VERDADE E SANTIDADE PROVIDENCIAL, encarnou numa História verdadeira, que é História da Salvação. Exactamente como a Graça Santificante e todo um Organismo Sobrenatural, deve irradiar Luz Divina sobre a nossa vida mortal. E é essa mesma Revelação que nos enriquece Sobrenaturalmente no conhecimento e na interpretação da História Universal, por muito triste que esta seja.

Santo Agostinho, na sua obra imortal- A Cidade de Deus, não nos ilude sobre a humanamente inextricável mistura do Bem e do mal, neste pobre mundo, nessa luta permanente e sem tréguas pelos direitos da Verdade, mas cuja resolução e desenlace final JÁ NÃO PERTENCE À HISTÓRIA, MAS SIM À ESCATOLOGIA.

Neste pobre e triste mundo, o fiel Católico deve lutar desinteressadamente pelo Bem, libertando-se, com o auxílio Divino e Mediação de Maria Santíssima, de todo o egoísmo, e em certo sentido, LIBERTANDO-SE DE SI MESMO, LIBERTANDO-SE DA OPACIDADE DOS FINS PURAMENTE TERRENOS E HUMANOS, DESABROCHANDO ASSIM PARA O ESPLENDOR DA LUZ ETERNA, NA FIDELIDADE IMARCESCÍVEL AO DEUS SANTO.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 23 de Setembro de 2015

Anúncios

Uma resposta para “A HUMANIDADE FALHOU EM TUDO, EXCEPTO NAS REALIZAÇÕES TÉCNICAS

  1. Jacob setembro 30, 2015 às 11:40 pm

    PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: