Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

AMARGOR de 5 GRANDES: EÇA, ANTERO, ORTIGÃO, GUERRA JUNQUEIRO e OLIVEIRA MARTINS

A Revolução em Pottugal

A Revolução em Pottugal

Arai Daniele

Publicamos tópicos importantes da história de Portugal, Terra de Santa Maria, para que melhor se entenda a história de Fátima. Como não podia deixar de ser, nessa Terra abençoada, opera de modo incansável o Inimigo de Deus e dos homens. Para isto teve que seduzir com todos os meios mentes e corações. Assim foi no passado como é no presente. Recorreu a invasões e revoluções de todo o tipo, até por meio do Monarca, como ocorreu com Pombal; até por meio da literatura, como ocorreu com alguns grandes talentos.

Aqui vamos nos valer da obra já mencionada: FÁTIMA À LUZ DA HISTÓRIA de Costa Brochado.

«Pode dizer-se que o pior das invasões francesas para a alma portuguesa ainda foi o vírus da impiedade que os soldados napoleónicos trouxeram na bagagem. Um caudal de livros e folhetos, que logo encontravam tradutores, começou a circular entre a França e Portugal, abalando profundamente a mentalidade do pais e convencendo grande parte dos melhores talentos daquela geração. Com a ausência da Corte, no Brasil, mais ainda se agravou a situação, sendo grande o número daqueles que pensaram numa República apoiada pela França, espécie de eco tardio da revolução de 89.»

Pedro IV (Iº do Brasil) era homem medíocre e safado. Proclamou a nossa independência aconselhado pelo pai, mas depois voltou para Portugal para contestar o trono – ao qual havia renunciado – ao irmão, D. Miguel, católico de carácter, que defendia os valores tradicionais da Nação.

Pedro, iniciado na Maçonaria em 1822 no Rio de Janeiro, não hesitara em escrever ao pai, convidando-o a filiar -se também. Quando depois aceitou o convite de pôr-se à frente do movimento liberal, embarcou para a Europa. Já na viagem, fazendo uma escala de alguns dias em Angra do Heroísmo, seduziu uma jovem noviça, à qual transmitiu a sua sífilis e engravidou.

Já de caminho escrevia carta ao Papa para dizer que mal chegasse ao trono não reconheceria os Bispos nomeados por indicação de D. Miguel, acrescentando algumas ameaças. Chegou sim ao trono mas sem nenhum mérito seu. O fato é que estava apoiado por todas as forças maçônicas dominantes na Europa de então, que para esse fim foram capazes de urdir uma guerra civil entre irmãos; tudo em vista de tal «progresso»!

“Diz Magalhães Lima, com particular autoridade, que a constituição do Grande Oriente Lusitano Unido não permitia, por esse tempo, discussões livres sobre religião e política. Quer dizer, com a subida ao poder pusera um freio aos próprios princípios, numa hábil manobra destinada a ganhar tempo para consolidar posições e ir vendo como as coisas corriam pelo mundo. Talvez estivesse triunfante um rito cauteloso, de tática conservadora, como convinha ao governo de uma monarquia católica. Mas como a grande maioria dos mações já era republicana, venceu esta corrente, e a Constituição da Ordem foi reformada, «modernizando-se e seguindo de perto, no dizer de Magalhães Lima, as generosas aspirações da maçonaria francesa» (Eis a chave do problema: o rito francês triunfava em Portugal. Era a hora do livre-pensamento, da extinção pura e simples do catolicismo. Porque, conforme esclarece o mesmo Magalhães Lima, a questão religiosa «é a que agita ainda mais a opinião pública em Portugal. Importava, por isso, que a Maçonaria pudesse constitucionalmente atacá-la, de frente, com toda a força do seu poder.

“Ao serviço consciente ou inconsciente destes objetivos ergueu-se em Portugal a voz de cinco homens que produziram o maior movimento de impiedade até agora registado nos fatos nacionais. Antero de Quental, Oliveira Martins, Ramalho Ortigão, Eça de Queirós e Guerra Junqueiro, sem dúvida os maiores talentos literários e artísticos dos últimos séculos,  provocaram, com as célebres conferências do Casino, a maior revolução intelectual do país. Como muito bem observou Sua Eminência o Cardeal Patriarca de Lisboa, «poder-se-ia dizer que formaram nesse tempo o governo da inteligência em Portugal, – o maior e mais influente ministério que Portugal teve nos últimos tempos», destes homens, conjurados no famoso grupo dos cinco, que implantou, em Portugal, à luz do dia, o regime da impiedade, com a agravante de o fazer em formas de superior beleza literária que aliciavam fulminantemente ainda os espíritos menos propensos a confundirem ciência com literatura.”

Naquele tempo, quando chegaram a Roma os ecos deste grave movimento de impiedade que ameaçou a nação inteira, e o Papa Pio IX, dirigindo-se à peregrinação Portuguesa que, em 1877, fora à Santa Sé, denunciou o perigo: «Tendes um terrível e poderoso inimigo é a impetuosa Maçonaria que quer destruir em vós todos os vestígios do catolicismo».

“Depois de terem, durante muitos anos, difundido a impiedade entre nós, habituando os seus leitores às maiores blasfêmias deste mundo, assim prestando à Maçonaria um serviço incalculável, fomentando a anarquia espiritual e alimentando a convicção revolucionária das massas menos cultas, estes homens acabaram convertidos à fé de Cristo, ou pelo menos reconciliados com Deus. Antero suicidou-se, mas dissera que sua alma repousava enfim na mão de Deus; Oliveira Martins expirou rezando a Ave-Maria, cristãmente; Eça havia confessado que «o nosso velho e valente amigo o livre pensamento vai atravessando realmente uma crise», e parece ter expirado repetindo orações cristãs que sua mulher ia dizendo; Ramalho converteu-se publicamente e foi a enterrar envolvido, a seu pedido, no hábito de S. Francisco. Quanto a Junqueiro, repudiou sua obra contra fé, que ele mesmo classificou de abominável, pedindo, em testamento, à Igreja Católica, a esmola das suas orações .

( Prof. M. Gonçalves Cerejeira. A lgreja e o Pensamento Contemporâneo, Coimbra, 1930, págs. 276-277. )

Como se vê esses talentos literários, depois de terem embarcado no movimento de revolução cultural, anos depois, já no fim desse século agitado, perceberam ao que levavam tais ideias, mas já era tarde. Seguiu o regicídio e uma república que tentou afastar ainda mais a alma portuguesa da Religião que a tornara a Terra especial de Fátima. Salve Maria!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: