Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

AUTONOMIA E HETERONOMIA NA SACROSSANTA MORAL CATÓLICA

theological virtues

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos o Papa Pio XI, em passagens da sua encíclica “Caritate Christi”, promulgada a 3 de Maio de 1932:

«Sabemos muito bem, e convosco, veneráveis irmãos, deploramos, que em nossos dias a ideia e as palavras “expiação e penitência”, tenham perdido em grande parte, e para muitos, a virtude de suscitar aqueles entusiasmos do coração e aqueles sacrifícios heróicos que em outros tempos infundiam, quando se apresentaram aos olhos dos que quereriam pôr de parte as mortificações externas, como coisa de tempos idos; e não falemos do moderno “homem autónomo”que despreza a penitência como expressão de índole servil. E é óbvio, efectivamente, que quanto mais se debilita a Fé em Deus, tanto mais se ofusca e desaparece a ideia de um pecado original e de uma primitiva rebelião do homem contra Deus, e por isso ainda mais se perde a noção da necessidade da penitência e da expiação.

Nós, pelo contrário, veneráveis irmãos, devemos, por obrigação do nosso múnus pastoral, levantar bem alto estes nomes e estes conceitos, e conservá-los em sua lídima significação e genuína nobreza, e ainda mais na sua prática, e urgente aplicação à vida cristã. A isto nos move a própria defesa de Deus e da Religião, que estamos propugnando, porquanto a penitência é, por sua natureza, UM RECONHECIMENTO E RESTAURAÇÃO DA ORDEM MORAL NO MUNDO, QUE SE FUNDAMENTA NA LEI ETERNA, ISTO É, NO DEUS VIVO. Aquele que oferece a Deus satisfação pelo pecado, reconhece por isso mesmo a santidade dos supremos princípios da moralidade, a sua força íntima de obrigação, a necessidade de uma sanção contra quem os transgride. É, SEM DÚVIDA, UM DOS MAIS PERIGOSOS ERROS DO NOSSO TEMPO, TER-SE PRETENDIDO SEPARAR A MORALIDADE DA RELIGIÃO, MINANDO ASSIM TODA A BASE SÓLIDA DE QUALQUER LEGISLAÇÃO. Este erro intelectual podia passar desapercebido, e parecer menos perigoso, quando se circunscrevia a poucos, e a Fé em Deus era ainda património comum da Humanidade, e tàcitamente era pressuposta mesmo por aqueles que dela já não faziam abertamente Profissão. Hoje, porém, que o ateísmo se está infiltrando nas classes populares, as consequências práticas de tal erro tornam-se terrìvelmente palpáveis e entram no mundo das tristíssimas realidades; em vez das Leis Morais que se desvanecem, juntamente com a perda da Fé em Deus, impõe-se a violência da força bruta, QUE ESMAGA TODO O DIREITO. A lealdade antiga, e a rectidão nas transacções e no comércio mútuo, tão decantadas até pelos próprio retóricos e poetas do paganismo, cede agora o passo às especulações sem consciência, tanto nos negócios próprios, quanto nos alheios; e na verdade, como pode manter-se um contrato, seja ele qual for, e que valor pode ter um tratado, onde falte toda a garantia da consciência? E como se pode falar em garantia de consciência, onde desapareceu toda a Fé e todo o temor de Deus? Suprimida esta base, CAI COM ELA TODA A LEI MORAL; E JÁ NÃO HÁ REMÉDIO ALGUM QUE POSSA IMPEDIR A LENTA, MAS INEVITÁVEL, RUÍNA DOS POVOS, DAS FAMÍLIAS, DO ESTADO, E DA PRÓPRIA CIVILIZAÇÃO HUMANA».

Sendo a Doutrina Católica uma Doutrina de Verdade, e da Verdade absoluta, lògicamente terá de facultar a razão mesma desse absoluto, a qual é simultâneamente especulativa e prática. Efectivamente, os Dons do Espírito Santo possuem como Missão o aperfeiçoamento das Virtudes Teologais e Morais, ou seja: ENQUANTO AS VIRTUDES TEOLOGAIS E MORAIS NOS OUTORGAM A FÉ, UMAS NA ORDEM ESPECULATIVA E OUTRAS NA ORDEM PRÁTICA, OS DONS FACULTAM-NOS A RAZÃO, O FUNDAMENTO ÚLTIMO, DA FÉ, AS SUAS RAÍZES DERRADEIRAS, EMBORA NÃO DE UMA FORMA COMPREENSIVA, OU TOTALMENTE COMPREENSIVA – ISSO NEM NO CÉU. A Sapiência, que é o mais elevado dos Dons, envolve-nos na raiz mais profunda do Mistério de Deus, ilustrando-nos sobre as razões últimas pelas quais é Adorado, Amado e Glorificado, sobre todas as coisas, em absoluto. Todavia, este Dom do Espírito Santo, como aliás todos os outros, são simultâneamente de razão Sobrenatural especulativa e razão Sobrenatural prática; e a explicação reside no facto de os Dons não constituírem uma acção das nossas faculdades, ainda que sustentadas pela Graça de Deus, mas serem antes cogitações, afectos e volições, estritamente Sobrenaturais, que o próprio Deus deposita nas nossas mesmas faculdades, as quais constituem assim a sua sede, não o princípio, dessas mesmas cogitações, afectos e volições, que assim são enxertadas em nós – sem nós. Por este quadro conceptual se compreende como as virtudes são mais nossas, mas aproximam menos de Deus; ao passo que os Dons são menos nossos, mas aproximam mais de Deus. Mas o Dom da Sapiência incluirá a Caridade? Evidentemente que sim, não a Caridade como virtude, mas como Dom, em nós depositado por Deus.

A criatura espiritual, Anjo e Homem, em estado de Graça, cumpridor dos Mandamentos, reconhecer-se-á de fundamentação autónoma ou heterónoma? Em princípio, todo aquele que procura haurir de si mesmo as coordenadas da razão prática, e até mesmo da razão especulativa, costuma designar-se por seguidor de uma moral autónoma. Assim, por exemplo, Kant (1724-1804), que no que concerne à Moral, invertia, de alguma forma, os seus padrões da razão teórica, considerando o ente pensante um “Nómeno” absoluto de razão prática, agindo sempre em função de realidades objectivas e universais; só que lamentàvelmente, todo o processo Kantiano é PERFEITAMENTE IMANENTE, LOGO A SUA OBJECTIVIDADE É ILUSÓRIA, POIS QUE LANÇOU À SENTINA DA HISTÓRIA TODA A FILOSOFIA ESCOLÁSTICA, E TODAS AS CONCEPTUALIZAÇÕES CLÁSSICAS.

A sacrossanta moral católica tem sido sempre denominada uma moral heterónoma, pois totalmente dependente de Deus e da Lei Eterna. Contudo, uma posição medularmente Tomista, permite, de algum modo, superar, transcendentalmente, esta dicotomia.

É conhecido, e tal é a posição de São Tomás, como a relação entre criatura e Criador, DO PONTO DE VISTA DA CRIATURA, É TRANSCENDENTAL; porém a mesma relação, DO PONTO DE VISTA DO CRIADOR, É DE RAZÃO; tal sucede, precisamente, porque o ser do mundo É VIRTUALMENTE EM DEUS; adicionar o ser do mundo a Deus, é como associar a sabedoria de um livro à do seu autor. Logo, a criatura, permanecendo sempre criatura, realmente distinta do seu Criador, não acrescenta ser a Deus; manifesta, sim, extrìnsecamente, contingentemente, as perfeições Divinas como existentes; pois Deus não existe, Deus É – as criaturas, essas sim, EXISTEM. A acção de criar consubstancia-se, exactamente, em tornar existente aquilo que É. Nesta mesma linha de pensamento, a Lei Divina não constitui um capricho arbitrário, porque intrìnsecamente conforme à Verdade e Bem absoluto. A finitização, a pluralidade, a mutabilidade, constituem atributos do ente finito; os Anjos, embora infinitamente longe de Deus, possuem, contudo, um estatuto ontológico muito superior ao dos homens, logo a sua mutabilidade é muito menor que a dos homens, não dependem do tempo, nem do espaço, embora até ao fim do mundo sejam, EXTRÌNSECAMENTE, medidos e limitados pelo espaço e pelo tempo do mundo.

Consequentemente, e consoante os Primeiros Princípios da moral, na medida em que são ser, constituem, na nossa alma, e na Ordem Natural, um reflexo da Lei Eterna, que é um Princípio de Ordem, Incriado, de toda a natureza, criada ou possível; tais Princípios são Sobrenaturalmente ratificados pela Revelação e impostos pela Santa Madre Igreja, Custódia da mesma Revelação. Daqui se infere, que a verdadeira e objectiva autonomia da consciência pessoal é indissociável de uma heteronomia real. Porque a Lei de Deus não é imposta como as leis dos homens, mecânicamente, heterogèneamente, com uma coercividade física; não, a Lei de Deus, é Lei dos homens, quer eles queiram, quer não; porque a Lei de Deus é, transcendentalmente, Lei do Ser, aplica-se sempre, de uma forma, ou de outra. Não há uma lei do homem e uma lei fora do homem; nada pode evadir-se da Providência Divina. Neste quadro conceptual, é possível, e até necessário, superar o binómio autonomia-heteronomia, NA MEDIDA EM QUE SÓ HÁ UMA LEI, QUE É A LEI DO CRIADOR; É UMA LEI QUE NÃO VEM DE FORA, PORQUE NADA HÁ FORA DO SER, E A CRIATURA TAMBÉM É SER, CONQUANTO CONTINGENTE, E NADA ACRESCENTA AO SER DO CRIADOR.

Os paladinos do referido binómio assim procedem porque concebem Deus como uma espécie de entidade extra-terrestre, tipo ficção científica, porque não possuem qualquer sombra de verdadeira filosofia, ou de Doutrina Cristã.

Quando o homem subverte a Lei do seu Criador, na realidade toma essa Lei, com todos os seus contornos, mas em sentido NEGATIVO INFERNAL. É aliás o que acontece com a seita conciliar, a seita anti-Cristo, que até nas suas anti-canonizações, demonstra perfeitamente o negativo infernal dos seus contornos.

Os santos são portanto totalmente heterónomos na medida em que, na perfeição Sobrenatural da sua consciência moral – SÃO AUTÓNOMOS. Os demónios (Anjos e Homens), por mais que queiram ser autónomos, JAMAIS PODERÃO ILUDIR E TORPEDEAR A METAFÍSICA E TRANSCENDENTAL HETERONOMIA DA SUA CONDIÇÃO.

O que os modernistas de todas as espécies pretendem É LIBERTAR-SE DE DEUS, POR ISSO FALAM TANTO EM LIBERTAÇÃO; A DITA TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO CONSTITUI, NA REALIDADE, UMA ANTI-TEOLOGIA DA MORTE DE DEUS; E OS FALSOS PAPAS QUE A PREGAM SÃO, PRECISAMENTE, PAPAS DA MORTE DE DEUS.

Não deve existir para a criatura uma verdadeira heteronomia, no sentido em que recepcione a Lei Divina como um peso que lhe é estranho; de modo nenhum, porque a mesma criatura, qualquer criatura, encontra-se, como referimos, em relação transcendental com Deus, todo o seu ser de criatura É VIRTUALMENTE EM DEUS. DEUS NÃO É, NEM PODE SER, UM OUTRO.

A mais perfeita prova de que um peregrino neste pobre mundo possui a Graça Santificante e a Caridade, é quando ele considera a Lei do seu Senhor um verdadeiro bálsamo para a sua existência, bem como uma Luz para a sua inteligência; e não um estorvo para os seus desígnios; pois que a medida Sobrenatural da sua felicidade terrena é, e só pode ser, perfeitamente homogénea com a da sua felicidade Eterna – E ESSA FELICIDADE, É DEUS E SÓ DEUS.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 10 de Outubro de 2015

Anúncios

3 Respostas para “AUTONOMIA E HETERONOMIA NA SACROSSANTA MORAL CATÓLICA

  1. Jacob outubro 12, 2015 às 4:02 pm

    “A mais perfeita prova de que um peregrino neste pobre mundo possui a Graça Santificante e a Caridade, é quando ele considera a Lei do seu Senhor um verdadeiro bálsamo para a sua existência, bem como uma Luz para a sua inteligência; e não um estorvo para os seus desígnios; pois que a medida Sobrenatural da sua felicidade terrena é, e só pode ser, perfeitamente homogénea com a da sua felicidade Eterna – E ESSA FELICIDADE, É DEUS E SÓ DEUS.”

    Caro Alberto,

    É possível que a Graça Santificante e a Caridade coexistam com a incerteza e mesmo com um inconforto do espírito, ou desânimo, que venham desta incerteza?

    Nós aprendemos – através da leitura do catecismo, das Escrituras, dos ensinamentos dos santos, etc – que a Lei do Senhor é, como se disse, bálsamo para a existência e Luz para a inteligência. Consideramos isso sem a menor sombra de dúvida, e esforçamo-nos para viver de acordo.

    Mas a atual crise da Igreja deixa-nos numa situação em que nem sempre sabemos se estamos fazendo a vontade do Senhor apropriadamente. E dessa incerteza nasce um desânimo. Outrora sempre havia uma autoridade que nos dizia infalivelmente: está fazendo certo; continue fazendo assim. Ou: está fazendo errado; corrija-se. Tal autoridade não existe hoje. Daí a ficarmos tateando no escuro, incertos e desconfortáveis sobre o que fazemos, POIS QUEREMOS AGRADAR A DEUS NOSSO SENHOR ACIMA DE TUDO.

    Um exemplo: encontra-se hoje muitos homens de notável cultura teológica falando divergentemente sobre a validade dos sacramentos do clero modernista e a atual situação da Igreja. Um diz: o sacramento é inválido. Outro diz: apesar das heresias, o sacramento é válido. Um terceiro: o sacramento é válido, mas não é recomendável; melhor será recebê-lo numa determinada organização “tradicionalista”.

    Seguramente alguém aí está com a verdade. Não é minha intenção aqui perguntar qual – porque já conheço o que os escritores daqui tem a dizer.

    A questão é: como uma pessoa sem vocação intelectual poderá se assegurar em meio a tanta confusão? Na verdade, sabemos que a maioria dos fiéis sempre foi analfabeta. E sempre puderam salvar-se, pois bastava seguir as ordens do pároco da aldeia. Mas quem é a autoridade hoje? Como disse, alguém ali no meio está com a verdade, sim. Mas do ponto de vista do fiel sem vocação intelectual, fica difícil determinar a quem seguir, pois todos defendem teses com refinada erudição, e afirmam estar ao lado da Tradição, ao mesmo tempo em que condenam as demais.

    Em suma, é possível que a Graça Santificante habite numa alma aflita diante de tanta incerteza?

    • Pro Roma Mariana outubro 13, 2015 às 2:45 pm

      Sem dúvida que é possível, até porque a Graça Santificante, se por um lado faculta uma grande felicidade Sobrenatural, por outro, coexiste com enormes sofrimentos, sobretudo de ordem moral, nomeadamente o abandono, para já não falar dos ataques do demonio.
      O grande castigo colectivo da Humanidade é precisamente esse: A ausência institucional de um Padrão infalível de Verdade e Bem; o abandono crudelissimo ao monstro relativista.
      As divergências entre doutores tradicionalistas, às vezes são legítimas, outras vezes não. Muitos homens que no passado foram fiéis católicos, quando eram jovens, com o correr dos anos “passaram de cavalo para burros” e perderam a fé; já só querem uma única coisa: Entenderem-se com o mundo; ficarem bem na fotografia do mundo.
      Evidentemente, que a tais homens não podemos dar qualquer crédito. Se um homem de estudos nos vem dizer que a Igreja conciliar é a verdadeira Igreja Católica e seus papas são verdadeiros Papas – é evidente que esse homem não só perdeu totalmente a Fé, como no-la quer fazer perder também a nós.
      Saudações em Jesus, Maria e José.
      Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral.

  2. Jacob outubro 12, 2015 às 7:02 pm

    Aproveito para destacar uma postagem de 2014 que trata do chamado “Milagre Eucarístico de Buenos Aires”:

    https://promariana.wordpress.com/2014/06/06/o-milagre-eucaristico-de-buenos-aires-enigma-crucial/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Novus Ordo Watch

Fátima e a Paixão da Igreja

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

FORO CATÓLICO

Unidad en la Verdad

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: