Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

1 – O ATAQUE DA SEITA MUNDIALISTA A PORTUGAL “MAIS CLARO EM 1960”

 Guerra colonial

Arai Daniele

No diário da Irmã Lúcia de Fátima, publicado pelo Carmelo de Coimbra, estava a confirmação que a data de 1960 foi mesmo pronunciada por Nossa Senhora. Isto nos leva a rever a história destes tempos a fim de compreender melhor tantos fatos ainda obscuros.

Durante a 2ª Guerra Mundial, a neutralidade de Portugal garantiu ao País uma relativa tranqüilidade. Mas com no pós guerra, uma ventada de democratismo punha todos os países sob a lupa dos vencedores, novos senhores do mundo com seus juízos para dominá-lo. Tratava-se de critérios materialistas ligados ao poder geoeconômico, tanto do capitalismo americano quanto do comunismo soviético, opostos bastante para causar uma temível guerra fria.

Isto, poucos anos após o acordo de Yalta, pelo qual dois pólos de poder se dividiram a Europa e a criação da ONU. Esta Organização das Nações Unidas  (ONU) foi criada em 1945 para a paz que a ineficiente Liga das Nações, idealizada pelo presidente Wilson, não obtivera. Pelo contrário, seu tratado de paz não tinha nada de bom para impedir a outra Guerra Mundial, pior que a 1ª (como fora previsto em Fátima).

O idealizador da ONU para suceder à Liga das Nações, foi o presidente estadunidense Franklin Roosevelt, igualmente imbuído por ideais maçônicos e mundialistas, no sentido de centralizar cada vez mais o poder num «iluminado» governo mundial.

Com tais intenções implícitas a organização iniciou com 51 estados-membros, número que cresceu bastante após o grande processo de descolonização na década de 1960.

A entrada de Portugal na ONU foi vetada pela URSS em 1946 e só se deu em 1955, depois do braço de ferro entre o Ocidente e o Leste sob a URSS, consequência da prévia divisão do mundo de Yalta entre o mesmo Roosevelt e Stalin. A admissão de novos membros: Albânia, Bulgária, Camboja, Ceilão, Finlândia, Hungria, Irlanda, Itália, Jordânia, Laos, Líbia, Nepal, Roménia e Espanha se deu no mesmo dia.

Em 1956 o Secretário-Geral enviava ao governo português e aos demais 15 Estados recém-admitidos uma carta para controlar como administravam seus territórios. Era a política da assim chamada auto determinação dos povos, para acabar com o colonialismo; na verdade era  para substituir este no Ocidente pelo domínio econômico, mais moderno e democratista. No Leste tratava-se do domínio da URSS sobre os seus satélites. Essa era outra história.

A resposta de Portugal à ONU foi estudada durante oito meses e foi curta: «Portugal não administra territórios que entrem na categoria indicada no artigo 73.° da Carta.» Salazar, com esta resposta, «assume uma posição, coerente no plano interno, que desafia a corrente política mundial» e, no plano internacional, «rompe as coordenadas em que se está movendo a comunidade das nações». Franco Nogueira explica: «Nesta simples troca de notas Salazar assume uma decisão de sérias implicações, pois indicam às Nações Unidas que as províncias ultramarinas portuguesas não têm vocação para a independência separada; sublinham que o governo português se arroga o exclusivo de interpretar e aplicar a sua ordem constitucional e que neste domínio não admite interferências alheias; afirmam que Portugal não submeterá a sua administração ultramarina a qualquer sistema de censura internacional e que, portanto, não transmitirá quaisquer informações à comunidade dos países; finalmente, notificam as Nações Unidas de que, se se respeita a letra do artigo 73.°, é repudiada a prática política e processual que à sombra deste a ONU fora estabelecendo gradualmente.»

Assim começou o litígio entre Portugal e a ONU (1960-1974) que, já em 1959 tinha sido crucial para a política colonial e externa portuguesa: a descolonização tornara-se irreversível no mundo e dissipavam-se as últimas resistências (belga, francesa e espanhola) e só o governo português se manterá intransigente diante de forças que obtêm uma maioria favorável à descolonização com os EUA e o Reino Unido que deixam de votar com Portugal. Nesse período a resposta portuguesa continuou a limitar-se «ao uso da doutrina da neutralidade colaborante, formulada inicialmente durante a guerra civil de Espanha e desenvolvida ao sabor das circunstâncias».

A política portuguesa fundava-se no princípio da unidade nacional, a fim de fazer reconhecer o Ultramar Português no Plano Mundial. Inútil dizer, porém, que o litígio entre Portugal e a ONU tem fundamento numa pressão anticolonialista que declarava os territórios sob administração de Portugal como não autônomos: — Arquipélago de Cabo Verde; — Guiné, chamada «Guiné Portuguesa»; — São Tomé e Príncipe e dependências; — São João Baptista de Ajudá; — Angola, incluindo o enclave de Cabinda; — Moçambique; — Goa e dependências, chamado o «Estado da Índia»; — Macau e dependências; — Timor e dependências. Impunha por isto a obrigação de Portugal de prestar informações, nos termos do capítulo da Carta acerca destes territórios e que a mesma devia ser cumprida sem demora.

Em declaração de voto, o representante português (embaixador Vasco Garin) exprimiu «as reservas mais categóricas», considerou que a resolução, além de atribuir à Assembleia Geral uma competência que ela não detinha, era, quanto ao conteúdo, uma manifesta violação da Carta e uma discriminação de Portugal, o qual não estava isolado, pois outras delegações eram da mesma opinião. Em comentário político, Franco Nogueira, sublinhando os considerandos da resolução ao qualificarem a denegação do direito à autodeterminação como ameaça à paz internacional e referirem-se ao conhecimento que, «por outras vias», a ONU tinha sobre as condições de vida existentes nos territórios do Ultramar português, concluía que, após a adoção de mais esta resolução, ficava «claramente definido o contorno de um plano de guerra» contra Portugal.

AS NAÇÕES UNIDAS CONTRA PORTUGAL: 1961-1963

A guerra nas colônias portuguesas — «luta de libertação nacional» ou «guerra colonial» na designação dos nacionalistas, simples «terrorismo» na designação oficial portuguesa — começou em Angola a 4 de fevereiro de 1961 e a 20 de fevereiro houve a revolta de Luanda.

Na ONU a Libéria e outros requeriam uma reunião urgente do Conselho de Segurança para adotar medidas imediatas destinadas a «impedir que os direitos humanos continuem a ser violados em Angola». O representante português protestou contra a iniciativa, invocando o princípio da não ingerência nos assuntos internos e a incompetência do Conselho. Concretamente, sublinhou o risco de ser criado um «precedente muito grave e de conseqüências extremamente pesadas para todos os membros da Organização. De fato, ficará aberta a porta quer para a discussão dos problemas de ordem pública que se coloquem a um Estado quer para institucionalizar tais problemas, com fins de propaganda pura e simples.»

O Conselho de Segurança examinou a questão e depois de debate aceso, prevaleceram os argumentos jurídicos e a proposta de resolução foi rejeitada. Todavia, em face dos eventos no Norte de Angola a partir de 15 de Março, trinta e nove Estados convidaram a Assembléia Geral a debater a situação de Angola, classificada como território não autônomo e invocavam a Declaração Anticolonialista, para a transferência de poderes para os angolanos. Em seguida, ao constatar que a continuação das desordens e conflitos sangrentos e a falta de medidas para atenuar as desigualdades punham em perigo a manutenção da paz e segurança internacionais, a Assembleia, incitava o governo português a promover urgentemente reformas que dessem cumprimento à Declaração Anticolonialista, «tendo em devida conta os direitos humanos e as liberdades fundamentais e em conformidade com a Carta»; por outro, instituía um subcomité de cinco membros encarregado de investigar a situação.

Perante o agravamento da crise, a 26 de Maio, quarenta e três Estados afro-asiáticos e a Jugoslávia requereram a convocação urgente do Conselho de Segurança. Não obstante a oposição da delegação portuguesa, o Conselho, «atenuando o já moderado projeto de resolução», aprovou, a 9 de junho, a resolução que deplorava «profundamente» os massacres e demais medidas de repressão da população angolana e indicando que a persistência de tal situação, além de constituir «uma causa atual e virtual de fricção internacional», poderia «comprometer a manutenção da paz e segurança internacionais». Invocando a Declaração Anticolonialista, o Conselho reafirmava o mandato para que Portugal resolvesse rapidamente a questão de Angola nos termos da Carta.

Em contundente intervenção final (duas vezes interrompido pelo presidente), o representante português afirmou que a resolução era «um documento deplorável» por várias razões: primeiro, porque imputava às próprias vítimas as responsabilidades pelos acontecimentos no Norte de Angola; segundo, porque nada dizia sobre «os atos selvagens de violência cometidos pelos terroristas»; terceiro, porque omitia que «a vaga de terrorismo foi desencadeada por instigação de organizações que atuam fora das nossas fronteiras e em execução de planos por elas estabelecidos»; quarto, porque continha «a acusação monstruosa segundo a qual Portugal ameaçaria a paz e a segurança internacionais»; quinto, porque visava «claramente criar uma atmosfera internacional favorável ao desmembramento do meu país». O litígio entre Portugal e a ONU agravar-se-á muito, no fim de 1961, com a invasão do Estado português da Índia.

O DISCURSO DE SALAZAR EM 12 DE AGOSTO DE 1963 Dirigindo-se, primeiro, «aos que formamos a Nação Portuguesa», depois, aos Estados africanos e, por fim, à ONU, Salazar vai esclarecer e decidir a posição portuguesa no extenso e «imperioso» discurso de 12 de Agosto, intitulado Política Ultramarina e subordinado ao tema «vamos a ver se nos entendemos». Embora começasse por reconhecer que «os acontecimentos da Ásia e da África» tinham perturbado os espíritos e impelido a «conscienciosa revisão dos princípios e dos métodos na ação ultramarina», considerou esclarecedora a fórmula constitucional ao definir «a Nação portuguesa como um estado unitário na complexidade dos territórios que a constituem e dos povos que os habitam», pois essa fórmula surgiria como inequívoca «declaração de um estado de consciência estratificado em séculos de história, e, através desses séculos, pelo trabalho dos portugueses e pelo humanitarismo cristão de que foram portadores». O conceito de nação era, pois, no caso português, inseparável da noção de missão civilizadora, já que, em função da história de Portugal, «também somos, além do mais e a melhor título que outros, uma nação africana». Gritava-se lá fora pela independência de Angola e de Moçambique: «mas Angola é uma criação portuguesa e não existe sem Portugal». Igualmente «Moçambique só é Moçambique porque é Portugal». Quanto aos novos Estados africanos, quer as suas intervenções na ONU, quer a criação da OUA mais não visavam do que «conjugar esforços de modo muito especial contra os nossos territórios de África» e isolar internacionalmente Portugal. Todavia, «esclareçamos que os países africanos não teriam forças para impor-nos as suas excomunhões, se não fossem apoiados pelo voto dos governos comunistas que pretendem destruir o Ocidente e pela atitude de alguns países do Ocidente que deveria ser considerada como deserção, se não significasse o desejo de captar a simpatia africana para servirem o que julgam ser seu interesse». Visto que — acrescentou — a libertação dos povos de África era reivindicada mesmo contra a vontade dos próprios, então «não resta a cada um senão o direito natural de defender-se e de defender os seus. Assim começam as guerras».

Note-se que o governo português sob a liderança de Salazar sempre salientou a posição do País pela sua obra e missão evangelizadora e civilizadora.  Aqui vamos pois continuar numa segunda parte a resumir os principais fatos históricos sobre esse ataque «mundialista» ao Portugal Ultramarino, mas intercalando a questão católica e portanto a Profecia de Fátima. Sim, porque também o «Terceiro Segredo», que seria mais claro em 1960 entrou de modo curioso mais tarde nessa história e penso que vale a pena registrar esse fato.

Compreende-se que o clima social que se viveu desde o início dessa guerra colonial como se desfecho na Revolução do 25 de abril de 1974  envolveu o País e o ânimo dos portugueses.

Foi assim que em 1977 apareceu uma interpretação do Terceiro Segredo relativo a estes.

Seu autor foi o Professor Monsenhor Dr. José Geraldes Freire, Catedrático da Faculdade de Letras de Coimbra que, ouvidos exegetas e testemunhas, propôs uma conclusão para a 3ª parte do Segredo pode conter um dos seguintes seis pontos: apelo especial a Portugal para cumprir os pedidos de Nossa Senhora; anúncio de que, se Portugal for infiel, poderá ser castigado depois de 1960; a Rússia espalhará os seus erros em Portugal, provocando a independência das Províncias do Ultramar e perseguições à Igreja. Esse trabalho foi publicado em 1977 pelo Santuário de Fátima: «O Segredo de Fátima» a terceira parte é sobre Portugal?

Ora, a partir dos nos anos Oitenta, quem se interessava pelo «Terceiro Segredo» notava uma forte tendência clerical no sentido de desviá-lo da visível crise de fé, crescente no tempo pós conciliar e portanto de seu alcance no sentido de profecia apocalíptica na história da Igreja.

Como se pode ler, até o novo «Catecismo da Igreja Católica» fala deste tempo no nº n. 675: «Antes da vinda de Cristo, a Igreja deve passar por uma prova final que abalará a fé de muitos crentes (cf. Lc 18, 8; Mt 24, 12). A perseguição que acompanha a sua peregrinação na terra (cf. Lc 21, 12; Jn 15, 19-20) revelará o ‘Mistério de iniquidade’ sob a forma de uma impostura religiosa que oferece aos homens uma solução aparente aos seus problemas, pelo preço da apostasia da verdade. A máxima impostura religiosa è a do Anticristo, isto é, de um falso messianismo em que o homem glorifica a si mesmo colocando-se no lugar de Deus e de seu Messias vindo na carne.» (cf. 2 Ts 2, 4-12; 1Ts 5, 2-3;2 Jn 7; 1 Jn 2, 18.22)

Tudo bem, porque profetizado nas Escrituras, mas o «perigo» seria se os católicos vissem a datação deste descalabro religioso na terceira parte do Segredo de Fátima; como «terceiro castigo mais claro em 1960», correspondente ao tempo de João 23 e do Vaticano 2. Eis a grave crise que alguns clérigos quiseram contornar desviando o «Terceiro Segredo» para questões particulares, como essa da guerra colonial portuguesa.

Pessoalmente sei disso porque o P. António Maria Martins SJ, autor de vários livros sobre os Documentos de Fátima, que nessa edição de 1976 escreveu que a frase sobre Portugal que preservará sempre o dogma da fé, faz supor que assim não será para as demais nações, onde será geral a crise da fé; o que é uma tremenda realidade no mundo.

No entanto, fui convidado por ele, no verão de 1987 e pernoitei, a seu convite, no Seminário deserto de Braga, para discutir o seu longo escrito a favor da versão do P. Geraldes Freire sobre a guerra colonial de Portugal, que negava a versão dada por Frère Michel (Toute La Vérité sur Fatima) à 3ª parte do Segredo, como de crise universal da Igreja. O Padre ficou desagradado com a minha aberta discordância e ainda mais com o teor de meu próximo livro: «Entre Fátima e o Abismo». Foi então que eu lhe falei de meu receio que certas teses clericais pareciam elaboradas para desviar a atenção do sentido verdadeiro do ‘3º Segredo’ e de sua datação, desvio preferido pelo Vaticano conciliar.  Por isto lembrei-lhe: ali, no Vaticano, eles conhecem o verdadeiro Segredo, de modo que lendo essas vossas conjeturas e conhecendo o texto original, só podem rir do que se concebe para evitar aos fiéis falar da real crise da fé.

Sim, o ataque da seita mundialista contra Portugal ficou “mais claro em 1960”, mas como veremos adiante ela era derivada de outra maior, iniciada com João 23, mais clara em 1960 e continuada com Paulo 6 e sucessores. Esse era o assunto tabu que se pretendia debalde evitar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Novus Ordo Watch

Fátima e a Paixão da Igreja

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

FORO CATÓLICO

Unidad en la Verdad

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: