Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

VARONILIDADE E FEMINILIDADE

família

 

Escutemos o Papa Leão XIII, em excertos da sua encíclica “Arcanum Divinae Sapientiae”, promulgada em 10 de Fevereiro de 1880:

 

«O marido é o chefe de família e a cabeça da mulher; ela porém sendo carne da carne e osso dos ossos dele, deve estar submissa e obediente ao marido, NÃO COMO ESCRAVA, MAS COMO COMPANHEIRA; isto é, de tal forma que a submissão devida não seja desligada do decoro e da dignidade. No marido que governa e na mulher que obedece, sendo ambos imagem, um de Cristo, outra da Igreja; a Caridade Divina seja a moderadora perpétua dos seus deveres. Com efeito” o homem é cabeça da mulher como Cristo é a Cabeça da Santa Igreja  … e assim como a Igreja está sujeita a Cristo, estejam as mulheres em tudo sujeitas ao s seus maridos (Ef 5, 23-24).

No que diz respeito aos filhos, eles são obrigados em consciência, a estar submetidos e obedecerem aos pais, e honrá-los; e por sua vez os pais devem dedicar todos os cuidados e pensamentos a protegerem os filhos e educá-los, antes de mais, na virtude. “Pais, criai os vossos filhos na  disciplina e na correcção do Senhor” (Ef 6,4). Isso nos faz entender  que os deveres dos cônjuges não são, nem poucos, nem leves; CONTUDO PARA OS CÔNJUGES BONS, PELA VIRTUDE DO SACRAMENTO, ESSES DEVERES TORNAM-SE NÃO SÓ FÁCEIS DE CUMPRIR, MAS TAMBÉM AGRADÁVEIS.

Cristo, portanto, tendo como que rejuvenescido o matrimónio, elevando-o à máxima perfeição, entregou-o e recomendou-o à Santa Igreja, a qual em todos os tempos e lugares exerceu o seu poder sobre o matrimónio dos cristãos, e exerceu-o de tal forma, que ficasse claro QUE SÓ A ELA PERTENCIA ESSE PODER, OBTIDO NÃO POR CONCESSÃO DOS HOMENS, MAS DIVINAMENTE POR VONTADE DO SEU FUNDADOR.

Quantos cuidados e quanta vigilância a Santa Igreja empregou em conservar a santidade do matrimónio e para manter intacto o seu verdadeiro carácter, são por demais conhecidos, e não carecem de demonstração.

Ao mesmo tempo, foi estabelecido  que o direito do matrimónio é igual e um só, indistintamente, para todos, com a abolição da diferença que se fazia pelos antigos, entre servos e livres; foram equiparados os direitos do marido e da mulher; com efeito, como dizia São Jerónimo: “Para nós o que não é lícito para as mulheres, também não o é para os homens, e a própria condição de servo é equiparada à dos livres.” Foram fortalecidos estàvelmente os mesmos direitos por meio da benevolência recíproca e os ofícios mútuos; foi garantida e tutelada a dignidade das mulheres; o marido foi proibido de punir a adúltera com a pena de morte, bem como de violar a fidelidade jurada pelo libido e a impudicícia.»

 

A essência última da realidade da divisão em sexos reside transcendentalmente, virtualmente, na própria Natureza Divina e Incriada. Efectivamente, o mundo manifesta, extrìnsecamente, contingentemente, as Infinitas perfeições Divinas. Qualquer mundo que Deus houvesse criado, só poderia sê-lo para Sua Maior Glória. Entre o mundo realmente criado e os mundos possíveis, jamais poderia haver qualquer equivocidade; precisamente porque a analogia constitui um princípio e uma necessidade metafísica e teológica do ser, criado ou possível. A divisão em sexos consubstancia a perfeição análoga da natureza, a sua complementaridade intrínseca, a sua proporcionalidade dialogante e hierárquica.

A própria Personalidade Divina é apresentada pela Revelação como Masculina. O Verbo fez-Se Homem, não mulher. Por outro lado, a Maternidade Sobrenatural estrita dos fiéis católicos é exercida pela Bem-Aventurada sempre Virgem Maria. Curiosamente, os santos Anjos são andróginos; assim os apresenta a Revelação; e a Teologia ao afirmar que cada Anjo constitui por si mesmo uma espécie, corrobora a Revelação. Institucionalmente, a própria Santa Igreja, no seu conjunto, é  chamada, e muito bem, Mãe; porque muito embora a definição das funções papal e episcopal seja estritamente masculina, o seu exercício pastoral concreto deve integrar, actualizando, um aspecto feminino com sublimação eminente da perfeição do masculino.

A explicação é a seguinte:

Eva foi tirada de Adão, e não o contrário; “E QUANDO VIU A MULHER QUE DEUS CRIARA DA SUA COSTELA, ADÃO DISSE: ESTA É VERDADEIRAMENTE OSSOS DOS MEUS OSSOS E CARNE DA MINHA CARNE” (Gn 2,23). Os biólogos asseguram-nos que os gâmetas masculinos possuem o cromossoma X feminino e o cromossoma Y masculino; ao passo que os gâmetas femininos possuem apenas o cromossoma X. Consequentemente, o sexo do nascituro depende exclusivamente do pai. E é única e exclusivamente por via masculina que se transmite o pecado original; exactamente por isso, o varão sofre mais as consequências desse pecado.

O sexo masculino, TRANSCENDENTALMENTE, VIRTUALMENTE, contém o sexo feminino; e não o oposto. Em certo sentido, pois, o sexo masculino é ontològicamente mais perfeito que o feminino. Isso explica porque, depois do pecado original, é muito mais difícil ser homem do que ser mulher; a própria adolescência masculina é muito mais difícil do que a feminina. É que o homem, para ser homem, tem que integrar harmoniosamente, religiosamente, moralmente, no seu ser masculino, a virtualidade ontológica feminina, sem deixar por isso de ser plenamente homem, bem pelo contrário. Para a mulher – basta-lhe ser mulher.

A forma masculina é isso mesmo – uma forma, princípio de vitalidade, de qualificação, de operação; o género feminino é sobretudo um princípio material, passivo, determinável pela forma masculina.

Jamais se deve confundir entre a virtualidade feminina transcendentalmente integrante da plenitude da varonilidade, e a feminilidade considerada já independentemente da necessária e vinculante incorporação masculina. Porque então os varões incorrem no vergonhoso pecado mortal da afectação mulíebre, da efeminação, e até da sodomia, A QUAL CONSTITUI UMA FORMA REQUINTADA DE SATANISMO. Aqui reside, ontològicamente, a já citada muito maior dificuldade em ser plenamente homem, do que ser mulher. PORQUE O VARÃO, PARA O SER VERDADEIRAMENTE, NÃO PODE CONSENTIR QUE A PARTE FEMININA QUE INTEGRA TRANSCENDENTALMENTE, VIRTUALMENTE, A SUA NATUREZA, SE AUTONOMIZE; PODE SER ACTUALIZADA, PRUDENTEMENTE, MAS SEMPRE SOB RIGOROSO ASCENDENTE VARONIL. São Pio X, homem profundamente sensível e emotivo, quando via certos varões entregarem-se a formas impróprias de sentimentalismo, exclamava: “ESTO VIR!” (sê homem).

É menos difícl ser mulher, precisamente, porque as Leis Supremas da Natureza criada por Deus Nosso Senhor, determinaram que a mulher não tenha de debater-se para impedir a autonomização de uma virtualidade masculina que existisse em si. Consequentemente, as mulheres que pretendem desempenhar, formalmente, um papel masculino, assim procedem, POR SIMPLES IMITAÇÃO E SUGESTÃO EXTRÍNSECA, EMBORA SEJA IGUALMENTE PECADO MORTAL.

Santa Joana d’Arc jamais pretendeu desempenhar, formalmente, a função do sexo oposto; caso contrário nunca teria sido canonizada. Assumir, materialmente, a aparência do sexo oposto, para qualquer fim útil, não é pecado, nem sequer venial.

Todas as funções de Jurisdição eclesiástica só podem ser desempenhadas por varões; a razão profunda nada tem a ver com a dignidade moral das pessoas, mas é determinada por um fundamento essencialmente ontológico que radica na Lei Eterna. Na Santa Igreja, a mulher não pode exercer quaisquer funções de Jurisdição, mas sómente um poder chamado dominativo, familiar, e neste enquadramento, serem catequistas, mesmo de adultos. Nada haveria também a opor, que uma professora, verdadeiramente católica, de idade já muito amadurecida, ensinasse línguas ou música num Seminário.

As grandes funções de chefia do Estado, devem possuir definição masculina e ser concretamente exercidas por varões. Em particular, a função de Presidente dos Estados Unidos, quer se queira, quer não, possui definição constitucional e até internacional, masculina, e jamais deveria ser exercida por uma mulher. Com que semblante ficam os chefes militares a terem de obedecer a uma mulher? Deve ser para eles tão penoso como serem coagidos a aceitar sodomitas nas fileiras.

Todavia há imensas funções sociais, mesmo directivas, apropriadas ao sexo feminino; nada impede que dirijam os serviços de saúde, as escolas, ou que sejam juízas em tribunais de família etc.

É abominável ver mulheres a praticarem halterofilismo ou boxe, ou servirem nas forças militares em unidades pròpriamente combatentes, embora nada impeça que desempenhem funções policiais com o objectivo de intervirem em questões relacionadas com o seu sexo.

Uma das grandes tragédias da civilização actual é a tendência irreprimível a secundarizar, ou mesmo a ignorar, as diferenças de género, que como já vimos, não se originam de sistemas culturais, incorporando-se, sim, na própria natureza das coisas, tal como Deus Nosso Senhor as criou. E isto referindo-se não apenas à Humanidade, mas também aos reinos animal e vegetal. Essa natureza é imutável; assim como Deus a criou, assim ficará até ao último dia do universo corruptível. Os homens, na sua profunda impiedade, podem mascarar, podem artificializar, mas jamais lograrão iludir a natureza, física ou moral – QUE ALIÁS SE VOLTARÁ CONTRA ELES. Deus Nosso Senhor não necessita, frequentemente, de intervir milagrosamente no seio da natureza para castigar os homens, não, Deus Nosso Senhor limita-se a permitir punitivamente que a natureza reaja com todo o vigor das suas propriedades mais íntimas – QUE FORAM VIOLADAS PELA MALDADE DO HOMEM.

A união homem-mulher TOTALMENTE VOCACIONADA PARA A PROPAGAÇÃO ORDENADA E QUALIFICADA DA ESPÉCIE; VÍNCULO MONOGÂMICO E INDISSOLÚVEL, E ABENÇOADO, FORMALMENTE, SACRAMENTALMENTE, PELA SANTA MADRE IGREJA, É ANTERIOR E SUPERIOR AO ESTADO, QUE DEVE LIMITAR-SE A RECONHCÊ-LO E A RATIFICAR-LHE AS CONSEQUÊNCIAS CIVIS.

A maçonaria que é agora também a seita conciliar, sabe bem que a ruína moral e material das civilizações começa na família e na escola, e como tal, contra elas tem investido, hediondamente, bestialmente, nos últimos duzentos e cinquenta anos. Não contente com isso, procura aproveitar os conhecimentos da biologia moderna para aniquilar a noção de convívio familiar, reduzindo-o a um coito de tubo de ensaio, e respectiva escolha de embriões para implante, em supermercados ou outras lojas; suprema aberração da nossa época, supremo móvito do Inferno; a merecer um segundo dilúvio, não de água, mas de fogo.

Como bem dizia Saint-Éxupéry, quase crente, ou já crente, não se sabe bem, mas alma respeitadora e nobre: “ODEIO PROFUNDAMENTE A MINHA ÉPOCA – O HOMEM MORRE DE SEDE!”

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 29 de Julho de 2016

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Anúncios

Uma resposta para “VARONILIDADE E FEMINILIDADE

  1. henrique agosto 10, 2016 às 6:08 pm

    suprema aberração da nossa época, supremo móvito do Inferno; a merecer um segundo dilúvio, não de água, mas de fogo.
    Como bem dizia Saint-Éxupéry, quase crente, ou já crente, não se sabe bem, mas alma respeitadora e nobre: “ODEIO PROFUNDAMENTE A MINHA ÉPOCA – O HOMEM MORRE DE SEDE!”

    Caro Alberto,

    Ultimamente já não me revolto e entristeço, como antes, pelas maldades cometidas por uns homens contra seus semelhante, noticiadas diariamente. Cada vez mais observo essas coisas com indiferença. A indignação constante só me fará adoecer. O homem está apenas colhendo os frutos da impiedade que plantou, e não poderíamos esperar que as coisas acontecessem de outro modo.

    O demônio tentou a Nosso Senhor dizendo-lhe que se jogasse do pináculo do templo, assegurando-o de que os anjos o protegeriam. Mas “não tentarás o Senhor teu Deus”. E os homens do nosso tempo como que se jogam do alto de um prédio, sabendo das consequências. Parece-me que seja algo como tentar a Deus, rezar para que os homens não se espatifem. É abusar da boa vontade divina: Senhor, eles te odeiam, mas poupa-os.

    Lembro do seguinte ditado: “Deus ri de quem ama as causas e odeia as consequências”.

    Os homens amam a impiedade e o pecado; foram e são seguidamente advertidos de suas consequências, a que respondem com zombaria; não aproveitam a Graça necessária para a conversão, a qual está à sua disposição a qualquer momento que quiserem. Não obstante, perguntam-se de onde vêm a discórdia, a desordem social, a crise econômica, o crime, as doenças, a guerra e a invasão estrangeira.

    Pois bem: que venham a crise, a peste, o crime, a guerra e os maometanos. Se aniquilar os ímpios é o único jeito de acabar com a impedade, que assim seja. Minhas orações serão reservadas aos justos que estão no meio de tanto pecado, seja para que o Senhor os poupe, seja para que, vitimados, sejam consolados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Novus Ordo Watch

Fátima e a Paixão da Igreja

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

FORO CATÓLICO

Unidad en la Verdad

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: