Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

A SABEDORIA DO PRESÉPIO

presepe-pinturicchio

Veja-se também_

O NATAL DE SANTO ESTEVÃO NO SEU MARTÍRIO

 

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos o Papa Leão XIII, em excertos da sua encíclica “QuamQuam Pluries”, promulgada em 15 de Agosto de 1889:

Com efeito, nos momentos difíceis, e de maneira particular, quando o poder das trevas parece tudo ousar para a ruína da Religião Cristã, a Santa Igreja costuma invocar e suplicar, com fervor e constância maior, a Deus, seu Fundador e Protector, interpondo também a intercessão dos santos, e especialmente da Virgem Mãe de Deus, porque da protecção deles espera o mais válido apoio aos seus interesses. E cedo ou tarde manifestam-se  os frutos das orações piedosas, e das esperanças que ela pôs na Bondade de Deus.

Ora, Veneráveis irmãos, vós conheceis as adversidades do nosso tempo, QUE É BEM MAIS PREJUDICIAL PARA A RELIGIÃO CRISTÃ DO QUE AQUELES QUE PASSARAM. VEMOS COMO NUM GRANDÍSSIMO NÚMERO DE FIÉIS DESABA A FÉ, FUNDAMENTO DE TODAS AS VIRTUDES CRISTÃS; RESFRIA-SE A CARIDADE; A JUVENTUDE CRESCE NA DEPRAVAÇÃO DOS COSTUMES E DAS IDEIAS; A IGREJA DE CRISTO É ASSALTADA POR TODO O LADO COM A VIOLÊNCIA E A FRAUDE; FAZ-SE UMA GUERRA FEROZ AO PONTIFICADO; COM OUSADIA CRESCENTE CORROEM-SE OS PRÓPRIOS FUNDAMENTOS DA RELIGIÃO. Não é preciso demonstrar, por ser demasiado conhecido, até que ponto se chegou nesta descida, nos derradeiros tempos, e o que se quer fazer de pior ainda. (…)

Na bondade materna de Maria, sabemos encontrar um refúgio seguro, e temos a certeza de que a nossa esperança nela não é vã. Se, em centenas de outras ocasiões, particularmente graves para o cristianismo, ela fez sentir a eficácia da sua ajuda, por que deveríamos duvidar que não queira repetir as provas do seu poder e do seu favor, quando os fiéis, todos juntos em humildade de espírito, e com constância, a invocarem. (…)

Os motivos pelos quais São José é expressamente considerado Padroeiro da Igreja, e pelos quais, por sua vez, a Santa Igreja espera da sua protecção e intercessão uma ajuda poderosíssima, devem ser procurados no facto de ele ter sido Esposo de Maria e Pai legal de Jesus Cristo. É daqui que se originam a sua dignidade, a sua Graça, a sua Santidade e a sua Glória. Com certeza, a dignidade da Mãe de Deus é tão sublime que não se pode encontrar nada de mais excelso. Mas é também verdade que assim como São José está ligado a Maria pelo vínculo conjugal, ninguém, mais do que ele, se aproximou daquela dignidade excelsa, que situa a Mãe de Deus acima de todas as criaturas. Com efeito, o matrimónio, entre todas as sociedades e uniões, forma aquela mais íntima, da qual naturalmente deriva uma participação recíproca dos bens entre os cônjuges. Por isso, se Deus escolheu José como esposo da Virgem, com isso não sòmente o tornou campanheiro da sua vida, testemunha da sua virgindade, defensor da sua honestidade, mas pelo motivo da própria sociedade conjugal, o tornou também participante da sua dignidade sublime.

Consequência espontânea dessa sua dúplice dignidade, eram os deveres naturalmente próprios dos pais de família, pelos quais sendo José chefe dessa família, ERA TAMBÉM O GUARDIÃO, O ADMINISTRADOR, O DEFENSOR LEGÍTIMO E NATURAL. Efectivamente, ele cumpriu, durante a sua vida, esses deveres e encargos. Com sua solicitude terníssima e amorosa de cada dia, JOSÉ SEMPRE DEFENDEU SUA ESPOSA E O FILHO DE DEUS; para ambos proporcionou com o seu trabalho a alimentação e tudo o que é necessário à vida. SALVOU AO FILHO A VIDA AMEAÇADA PELO CIÚME DE UM REI, PROCURANDO-LHE UM REFÚGIO SEGURO; E NOS INCÓMODOS DAS VIAGENS, NAS ASPEREZAS DO EXÍLIO, FOI SEU COMPANHEIRO CONSTANTE, A AJUDA E O SUSTENTO DA VIRGEM E DE JESUS.

Ora essa casa Divina que José dirigiu com funções paternas, continha em germe a Igreja nascente. A Virgem Santíssima é Mãe de Deus, mas é também Mãe de todos os Cristãos, que gerou no Calvário, no sofrimento infinito do Redentor, Jesus Cristo é, de certa forma, O PRIMOGÉNITO DOS CRISTÃOS, QUE LHE SÃO IRMÃOS POR ADOPÇÃO E REDENÇÃO.»

 

A Sabedoria, a verdadeira Sabedoria, tal como foi expendida nos Livros Sapienciais, portanto ainda no Antigo Testamento, mas que foi essencialmente enriquecida pela Revelação de Nosso Senhor Jesus Cristo, numa participação muito mais profunda na Natureza Divina, na Inteligência Divina, na Caridade Divina. A Sabedoria de que falamos, NADA TEM A VER COM A SABEDORIA TERRENA E PURAMENTE HUMANA, MESMO LEGÍTIMA; não depende dos dons da inteligência natural, nem da cultura haurida nas escolas e universidades deste pobre mundo. Porque a Sabedoria de que falamos SÒMENTE DEUS A PODE FACULTAR; e tanto é assim, que o Dom do Espírito Santo mais nobre e importante, de certo modo constituindo a raiz de todos os outros, é precisamente o Dom da Sabedoria ou Sapiência.

Os Dons do Espírito Santo estão ao serviço do aprimoramento das Virtudes Teologais e Morais, todavia, não se devem confundir com estas. Efectivamente, enquanto nas Virtudes são as nossas faculdades, que com o auxílio de Deus, produzem elas próprias pensamentos e volições; nos Dons do Espírito Santo é o próprio Deus Nosso Senhor que enxerta directamente esses pensamentos e essas volições nas nossas faculdades, às quais compete acolhê-los (ou não) mediante Hábitos Sobrenaturais receptivos, depositados em nós com a Graça Santificante. Neste quadro conceptual, as Virtudes são mais nossas mas participam menos de Deus, os Dons são menos nossos mas participam mais de Deus. Mas É PELAS VIRTUDES E PELA GRAÇA SANTIFICANTE QUE SEREMOS JULGADOS NO EXAME DA ETRRNIDADE. Pelo Dom da Sapiência podemos contemplar como Deus Nosso Senhor é, realmente, Infinitamente Verdadeiro e Bom; pela Virtude da Fé formada pela Caridade, podemos apenas conhecer rectamente e amar Sobrenaturalmente a Deus sobre todas as coisas e ao próximo por amor de Deus. As espécies inteligíveis e as moções da vontade dos Dons, sendo produzidas directamente por Deus em nós, sem nós, são Sobrenaturalmente mais ricas do que aquelas espécies e moções constituídas pelas nossas faculdades, com o auxílio de Deus. Consequentemente, possuem os Dons uma extensão vastíssima, com grande definição do particular, o que não pode acontecer com as espécies naturais, para uma luz intelectual humana.   

Sem Sabedoria não há Santidade, porque sem Sabedoria nós não podemos conhecer a Deus Nosso Senhor com perfeição suficiente para O amar Sobrenaturalmente sobre todas as coisas. Todavia, o acto Sobrenatural de Atrição, ou seja da dor pelos nossos pecados por causa do castigo Eterno que eles merecem, e após a Recepção válida do Sacramento da Penitência, é necessário e suficiente para Deus comunicar à alma a Graça Santificante e a Caridade perfeita, sem as quais ninguém pode franquear as Portas do Reino dos Céus.

É pela Sabedoria que a alma católica contempla, não apenas a Verdade e a Bondade Infinitas de Deus, mas igualmente A PRÓPRIA GLÓRIA DA SANTÍSSIMA TRINDADE, ISTO É, DA VIDA ÍNTIMA DE DEUS, DE CUJA FELICIDADE, A ALMA SOBRENATURALMENTE PARTICIPA.

Eis o Mistério de Deus Uno e Trino, que É Eternamente na Sua Glória, mas Se Revela na Encarnação do Verbo Divino, nascido no tempo, na maior pobreza humana, correspondente à Sua posição de Criador e Redentor daqueles entre os quais escolheu, nascer, viver e morrer. Todo esse grande Mistério está perfeitamente incorporado, sublimado, no Presépio de Belém.

Ao nascer tão pobremente, Nosso Senhor Jesus Cristo santificou a pobreza, senão a material, ao menos a de espírito, sem a qual é impossível entrar nos Céus. Pois que Deus Nosso Senhor fazendo-Se Homem, santificou, sem dúvida, a matéria, mas concomitantemente apresentou e sublinhou a superioridade essencial da vida espiritual e Sobrenatural – rumo à Eternidade.

Nascendo no seio de uma Família Humana, enalteceu-a como célula fundamental da sociedade, na Ordem Natural e na Ordem Sobrenatural, e mais ainda: Fazendo-Se Criança no seio de uma Família, Nosso Senhor, que enquanto Verbo Divino é membro da Consubstancial Família da Eterna Trindade Santíssima, ratificou sobrenaturalmente a Lei Natural de que todo o ser humano tem direito a nascer e a desenvolver-se no seio de uma família composta por pai e mãe – e não de qualquer outra entidade.

Ao nascer virginalmente de uma Mulher, Nosso Senhor sacralizou a vida desde a concepção, e mesmo antes da concepção, pois que Nossa Senhora e São José apenas se uniram por causa do seu Divino Filho, para O acolherem e protegerem; consequentemente o matrimónio existe apenas e só para a procriação e educação de novos seres humanos.

Nosso Senhor, que É o Rei Eterno do Universo, aceitou submeter-Se à Autoridade de uma Família Humana, precisamente para demonstrar COMO SÓ NA SANTIDADE A AUTORIDADE E A LIBERDADE SE ADEQUAM PERFEITAMENTE. Exactamente também por isso é que a família possui total ascendente – lógico e ontológico, natural e sobrenatural – face à sociedade.

O santo Presépio encerra assim toda a Sabedoria que dele queiramos haurir: PORQUE É A PARTIR DELE QUE A SANTIDADE INCRIADA E SUBSTANCIAL IRRADIA COM MÁXIMA EFICÁCIA OS BENS DA SANTIDADE CRIADA E ACIDENTAL.

Não olvidemos que a felicidade Sobrenatural do santo Presépio, da Sagrada Família – não esquecendo que o Menino Jesus possuiu a idade da razão logo desde a concepção – é um verdadeiro Céu na Terra, mas que pode e deve ser em nós reproduzido pela recepção piedosa da Sagrada Eucaristia. Porque o Menino Jesus não deixou de existir quando Jesus Se fez Homem, pois que uma das propriedades verdadeiramente maravilhosas dos corpos gloriosos consiste precisamente na faculdade de poderem assumir, realmente, qualquer idade.

O Menino Jesus, Nossa Senhora e São José, ESTÃO E ESTARÃO ETERNAMENTE CONNOSCO NO PRESÉPIO DE BELÉM!

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 22 de Dezembro de 2016

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica

%d blogueiros gostam disto: