Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

VIRTUDE FORMAL SOBRENATURAL E RESULTADO CONCRETO E MATERIAL

 

 

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

Escutemos o Papa Pio XII, num trecho da sua encíclica “Haurietis Aquas”, promulgada em 15 de Maio de 1956:

«E assim, do elemento corpóreo, que é o Coração de Jesus Cristo, e do Seu natural simbolismo, é legítimo e justo que, levados pelas asas da Fé, nos elevemos, não só à contemplação do Seu Amor sensível, porém a mais Alto, até a consideração e adoração do Seu excelentíssimo Amor infuso, e finalmente, num voo sublime e doce ao mesmo tempo, até à meditação e adoração do Amor Divino do Verbo Encarnado, já que à Luz da Fé, pela qual cremos que na Pessoa de Cristo estão unidas a Natureza Humana e a Natureza Divina, podemos conceber os estreitíssimos vínculos que existem entre o amor sensível do Coração físico de Jesus e o Seu duplo amor espiritual – o humano e o Divino. Em realidade, não devem esses amores ser considerados simplesmente como coexistentes na adorável Pessoa do Redentor Divino, mas também como unidos entre si com vínculo natural, visto que ao Amor Divino está subordinado o humano, espiritual e sensível, OS QUAIS SÃO UMA REPRESENTAÇÃO ANALÓGICA DAQUELE. Com isso não pretendemos que no Coração de Jesus se deva ver e adorar a chamada Imagem Formal, quer dizer, a representação perfeita e absoluta do Seu Amor Divino, não sendo possível, como não é, representar adequadamente, por qualquer Imagem criada a íntima essência desse amor; mas a alma fiel, venerando o Coração de Jesus, adora juntamente com a Igreja o símbolo e como que a marca da Caridade Divina, Caridade que com o Coração do Verbo Encarnado chegou até a amar o Género Humano, contaminado com tantos crimes.

Portanto, neste assunto tão importante como delicado, é necessário ter sempre presente que a verdade do simbolismo natural, que relaciona o Coração físico de Jesus com a Pessoa do Verbo, repousa toda na Verdade primeira da União Hipóstatica; quem isto negasse renovaria erros mais de uma vez condenados pela Santa Igreja, por contrários à Unidade da Pessoa de Cristo em duas Naturezas íntegras e distintas.

Essa Verdade fundamental permite-nos entender como o Coração de Jesus é o Coração de uma Pessoa Divina, quer dizer, do Verbo Encarnado, e que, por conseguinte, representa e nos põe ante os olhos todo o Amor que Ele nos teve e ainda nos tem. E aqui está a razão por que, na prática, o culto do Sagrado Coração de Jesus é considerado como a mais completa profissão da Religião Cristã. Verdadeiramente, a Religião de Jesus Cristo funda-se toda no Homem-Deus Mediador; DE MANEIRA QUE NÃO SE PODE CHEGAR AO CORAÇÃO DE DEUS SENÃO PASSANDO PELO CORAÇÃO DE CRISTO, CONFORME O QUE ELE MESMO AFIRMOU:”EU SOU O CAMINHO, A VERDADE, E A VIDA. NINGUÉM VEM AO PAI SENÃO POR MIM” (Jo 14,6). Assim sendo, fàcilmente deduzimos, que pela própria natureza das coisas, o culto ao Sacratíssimo Coração de Jesus é o culto ao Amor com que Deus nos amou por meio de Jesus Cristo, e ao mesmo tempo o exercício de Amor que nos leva a Deus e aos outros homens; ou dito de outra forma, este culto dirige-se ao Amor de Deus para connosco, propondo-O como Objecto de adoração, de acção de Graças e de Imitação; e tem por fim A PERFEIÇÃO DO NOSSO AMOR A DEUS E AOS HOMENS, mediante o cumprimento cada vez mais generoso do “MANDAMENTO NOVO”, que o Divino Mestre legou como Sagrada Herança aos Seus Apóstolos quando lhes disse:”UM NOVO MANDAMENTO VOS DOU, QUE VOS AMEIS UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI”.»

 

Este paupérrimo mundo não concede importância alguma à verdadeira Virtude Sobrenatural, nem hoje, nem ontem, nem  em tempo algum, em lugar algum; EXACTAMENTE PORQUE O ÓDIO À VIRTUDE CONSTITUI PARTE ESSENCIAL DA NATUREZA MORAL DO MUNDO, TAL COMO NOSSO SENHOR JESUS CRISTO O DEFINIU: O PRIMEIRO E MAIS TERRÍVEL INIMIGO DA ALMA.

Uma realidade quase sòmente mobiliza as pessoas do mundo: A EFICÁCIA MATERIAL; POIS SÓ ESTA É GERADORA DE RIQUEZA E PODER. Ora, Nosso Senhor Jesus Cristo admoestou-nos severamente para a caducidade intrínseca dos meios materiais, ainda que legítimos, face ao valor Eterno dos Bens Sobrenaturais. A casa sobre rocha da parábola Evangélica, consiste precisamente numa vida edificada sobre o ascendente absoluto da bondade Sobrenatural das nossas acções face à sua eficácia material.

Na escola, nos empregos, sempre houve pessoas que, com a Graça de Deus, se esforçavam por executar, um trabalho, um serviço, que embora ficasse, materialmente, muito longe da perfeição, incorporava e irradiava a Caridade Sobrenatural, a vontade de cumprir, o melhor possível a Lei de Deus, ou seja, precisamente aquela disposição celestial de que este mundo mau se ri e despreza afrontosamente.  

É inteiramente falsa aquela concepção que concebe a Teologia Moral como abrangendo as realidades necessárias apenas à salvação Eterna, remetendo para a Teologia Ascética e Mística tudo o que é necessário para a Santidade. É falsa esta concepção, em primeiro lugar porque no Céu só há santos, e depois porque quem não trabalhar a sério para a santidade e se detiver dizendo: “Isto já basta”; essa alma condenar-se-á quase de certeza. PORQUE, NA VIDA ESPIRITUAL, QUEM PÁRA – RECUA!

Consequentemente, a nossa vida tem que reflectir, o mais possível, a Imagem de Deus Nosso Senhor, Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem; é imperioso que a nossa alma se insira nos pensamentos e nos afectos Soberanos do Verbo Encarnado. Certamente, mesmo que Deus nos conceda uma vida longa na Terra, e por mais que, com o auxílio de Deus, meditemos e contemplemos os Mistérios Sobrenaturais, permaneceremos sempre infinitamente aquèm da realidade Divina em Si mesma. E a própria visão Beatífica não é plenamente compreensiva, porque é metafìsicamente impossível ao finito compreender o Infinito. Mas tal não nos dispensa, bem pelo contrário, de procurarmos tender, sempre e cada vez mais, para Deus; porque quanto mais ascendermos rumo à Verdade Infinita, MAIS NECESSIDADE TEREMOS DELA, E MAIS INTENSAMENTE A ELA NOS ORDENAREMOS.

Santa Bernadette de Lourdes (1845-1879) era uma religiosa doente, com muito pouca serventia, mesmo dentro do Convento, mas tudo o que realizava era plenamente com espírito e intenção verdadeiramente Sobrenatural; e foi assim que se santificou, ajudando no que podia as irmãs enfermas, oferecendo a Deus os seus próprios padecimentos, incluindo as humilhações que sofria. São Domingos Sávio (1842-1857) também possuía pouca saúde, mas só procurava elevar-se para Deus. Numa redacção escolar versando o tema dos maiores desejos alimentados pelos pequenos alunos, ele escreveu: “Peço a Deus que me faça santo”. Repare-se que ele não afirmou que queria ser santo, mas que queria que Deus Nosso Senhor o fizesse santo. E o que é facto é que se tornou o confessor mais jovem da História da Igreja.

A  SANTIDADE NÃO DEPENDE DA GRANDEZA E EFICÁCIA DAS OBRAS FEITAS. ESSE MÉRITO, PURAMENTE MATERIAL, PRIVADO DA GRAÇA, DEIXÊMO-LO PARA O MUNDO MAU. ALÉM DISSO, A GRAÇA ATRAI A GRAÇA, OS DONS DO ESPÍRITO SANTO ATRAEM OS DONS, PORQUE OS BENS SOBRENATURAIS CONSTITUEM CONDIÇÃO INTRÍNSECA PROVIDENCIAL DE NOVOS BENS. E NÃO HÁ, NEM PODE HAVER, CONSOLAÇÃO MAIOR DO QUE AQUELA QUE PROMANA DA CONSCIÊNCIA SOBRENATURAL DO DEVER CUMPRIDO.   

Certamente, neste mundo é legítima e necessária a perfeição técnica, sem a qual é impossível o exercício de determinadas profissões, não é isso que está em causa, na exacta medida em que se pode ser um óptimo profissional e um óptimo católico. Mais ainda, a Graça de Deus, o organismo Sobrenatural, aperfeiçoam e nobilitam de tal modo, extrìnsecamente, todo o composto corpo-alma, que a competência profissional, frequentemente, muito se enriquece. Todavia, não possuindo carácter milagroso, esse organismo Sobrenatural não pode suprir certas carências essenciais da natureza. Mas como Deus Nosso Senhor criou o mundo  reflectindo natural e contingentemente as perfeições Incriadas, e na Ordem Sobrenatural como participando delas mesmas; é por demais evidente, que enquanto os homens, a título individual e colectivo, cumprirem as determinações Divinas, O MUNDO PROSPERARÁ, MESMO NUMA ORDENADA E SUFICIENTE EFICÁCIA TEMPORAL E TÉCNICA. Muito pelo contrário, o real e concreto progresso técnico que verificamos, totalmente desacompanhado da necessária forma Religiosa e Moral, em vez de edificar, trucida as almas, projectando-as no abismo. Monsenhor Lefebvre recordava muitas vezes como no seu apostolado africano testemunhara como o progresso religioso e moral das aldeias era indissociável de um certo bem estar temporal, mas numa perfeita proporção, nunca um progresso temporal que comprometesse o Bem Sobrenatural.

Mesmo aqueles que por dever familiar, hierárquico e orgânico, são obrigados a possuir e a transmitir riqueza aos seus descendentes, podem e devem cumprir o dever religioso de sobriedade e desapego dos bens terrenos considerados em e por si mesmos. Os ricos condenados por Nosso Senhor no Evangelho são aqueles que nutrem um apreço desordenado pelas coisas da Terra, QUER AS POSSUAM DE FACTO, QUER NÃO. Uma pessoa pode ser materialmente pobre e amar descompassadamente os bens que não tem – e queria, DESENFREADAMENTE, ter!

A grande ruína religiosa e moral dos homens reside, essencialmente, na ausência daquele equilíbrio material de operação que, sobrenaturalmente, assumido faz os santos. O pecado original transtornou profundamente a hierarquia dos seres e dos fins que deve presidir a toda a vida intelectual e moral. Neste quadro conceptual, a História Universal apresenta-se como o reino da força e da bestialidade, e jamais como o Reino da inteligência elevada pela Graça e preparando-se para a Eterna Glória. E a imensa tristeza que recobre essa hegemonia da força bruta face aos valores do espírito que conhece, ama e serve a Deus, operou no Coração do Verbo Encarnado, imensamente mais sensível do que o de qualquer outro homem, aquela intraduzível e Sagrada Agonia do Horto, em que a Sua Inteligência humana contemplou a História Universal, que com todo o seu oceano negro de pecados, de crimes de toda a espécie, faz resplandecer, apesar de tudo, com inefável fulgor, a Caridade perfeitíssima dos eleitos, bem como a Luz Sobrenatural da Santa Madre Igreja, inexoràvelmente sempre perseguida, MAS SEMPRE E ETERNAMENTE DIVINA.       

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 21 de Junho de 2017

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

OS ESPINHOS CRAVADOS NOS SAGRADOS CORAÇÕES

Pro Roma Mariana

Sagrados Corações

Arai Daniele

Cada espinho no Coração de Jesus e no de Maria corresponde a um mau pensamento de quem ignora, despreza ou contraria a verdade da salvação, pela qual Cristo sofreu o Sacrifício de Amor que funda Sua Igreja.

Esta verdade foi pregada ao mundo todo a partir do Ocidente cristão, mas na segunda metade do século XX justamente ai passou a predominar um novo espírito que se estende a toda a terra. E assim, mais e mais pastores da Igreja comprometeram-se direta ou indiretamente com o ateísmo e os erros que a Rússia difundiu no mundo, como foi advertido na mensagem de Fátima, na qual foi pedida sua consagração ao Imaculado Coração de Maria, para a obtenção da paz no mundo.

Depois desse período não se tratou mais das guerras no Ocidente, que haviam favorecido o governo soviético, no tempo de Bento XV e Pio XI. Até então, porém…

Ver o post original 1.758 mais palavras

A PROFECIA DE FÁTIMA ILUMINA OS MEGA CASTIGOS DA HISTÓRIA PRESENTE

Arai Daniele  

Repetirei sempre aqui que a aparição de Nossa Senhora no dia 13 de maio em Fátima é lógica e cronologicamente a resposta divina ao apelo do Papa Bento XV que recorreu à Sua universal intervenção numa hora terrível para os homens.

E ficou bem evidente que, na hora dos piores perigos a ajuda divina era proporcional através a Mediação da Mãe de Deus e nossa. Basta considerar a dimensão do Milagre do sol e o teor da promessa da conversão de um país como a Rússia para entendê-lo; Não bastou, infelizmente, para que o Papa e a Igreja pudessem reconhecer logo o poder que lhes fora oferecido em Fátima, contra um mal sem freios. Mas essa dificuldade a «captar» um tal auxílio sobrenatural já era sinal de uma falha espiritual na grande escala que vai até o ápice.

Vejamos como poderia hoje ser representado esse grande mal. Há de fato um aspeto simbólico sinistro na arquitetura do edifício da União Européia (UE); parece a «torre de Babel» que foi truncada no seu desafio a Deus!

Desde que foi concluída em 1999, a idéia subjacente à construção do parlamento da UE levantou suspeitas no seu aspeto inacabado semelhante ao da “Torre de Babel” pintada por Pieter Brueghel the Elder em 1563. A referência bíblica é a empresa ciclópica, nunca concluída por Nimrod, o tirano infame, cuja construção devia servir para desafiar a Deus. Terá sido esta a fonte de inspiração para a instituição e o edifício da EU? Observe-se que essa idéia de desafio a Deus se repete em outras culturas antigas, além da hebraica e da Cabala, na grega e na islâmica.
Nimrod aparece como fundador do primeiro império depois do Dilúvio, origem de Babel, cuja confusão de línguas era também confusão religiosa, devida a um cobiçado poder humano sobre a matéria. E o governo de Nimrod foi tirânico, na intenção de anular a religiosidade humana e o temor de Deus, impondo a escalada ao desafio em pedra.
Na Bíblia, Babel era a cidade que devia reunir a humanidade, e assim, todos, migrando do Oriente e alhures e falando uma única língua ali estariam congregados. Era a cidade natal de Nimrod e ele decidiu que a cidade deveria ter uma torre tão grande que “seu topo deveria estar nos céus”. Essa torre, porém, longe de ser como alguns pensaram para a adoração e louvor a Deus, foi dedicada à glória da idéia de um homem, com o motivo de fazer famoso e decantado o nome de seus construtores.

A versão do Midrash desta história ainda acrescenta o que os construtores da Torre disseram: “Deus não tem o direito de escolher o mundo superior para Si mesmo, e deixar o mundo inferior para nós, por isso vamos construir uma torre para nós, com o ídolo do topo erguendo uma espada, de modo que ele possa aparecer como se pretendesse guerrear contra Deus.”

Leia mais: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-lugares-sinistros-o-parlamento-europeu#ixzz4gVksHdfq

Ao expormos a verdadeira fonte de inspiração por trás do edifício Louise Weiss da EU, estamos revelando a crença esotérica da «elite» mundial cujas aspirações e interpretações sinistras remontam às antigas escrituras no que estas trazem de lembranças anti-cristãs.
Vamos direto ao ponto dizendo que o edifício Louise Weiss é feito para se parecer com a pintura “A Torre de Babel”, de Pieter Brueghel the Elder, 1563, que retratava, porém, o desfio falhado a Deus. A história diz que a Torre de Babel nunca foi concluída. Assim, o Parlamento da ONU, e hoje da EU, continuariam basicamente o trabalho inacabado de Nimrod, o tirano infame, que levou à construção da Torre de Babel para desafiar a Deus.

A esse ponto qual cristão pode pensar que esta seja uma boa sede para governos baseados na inspiração para uma “instituição” respeitosa do Direito Natural e Divino? Leia mais: http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-lugares-sinistros-o-parlamento-europeu#ixzz4gViFgbnC

A guerra próxima futura

Não há necessidade de estar familiarizado com os planos da CIA ou do Pentágono ou de qualquer nação atual para saber que os poderes reais não deixam que seja um governo em vias de substituição a decidir o desencadear de uma grande guerra, do tamanho da que vai ser a próxima, de há muito preparada contra a Rússia. Mas esta terá, porém, o apoio de uma potência emergente como a China. Logo, será um guerra ainda mais mundial que as outras.
As campanhas eleitorais para a eleição de presidente de países chave para esta guerra, como a América e a França, representando a EU, foram estreitamente pilotadas para a guerra. Não adianta o que eles, os candidatos mesmos, pensavam ou diziam: o espírito de Nimrod vagava soberano no poder do dinheiro de líderes anti Deus e anti-cristãos e pela guerra total.
Claro que, no meio do impressionante descrédito irreversível para o poder americano que esta sucessão de fatos vai desvelando, esta criminosamente hipócrita cobertura dos assassinos do estado islâmico, já por si só revela o fim desse poder hegemônico mundial. A guerra poderia servir para obscurecer alguma vergonha interna, mas então o preço a pagar seria o de, numa crucial conjuntura militar, ter que manter ineptas e contraditórias meias figuras para que a «opinião pública mundial» pense que são eles que comandam campanhas decisivas para aniquilar nações, come de há tempo tentam no Médio Oriente e no Mediterrâneo. Já se viu qual lobby é pela guerra sem fim na Síria, que decidiu ser conflito que deve continuar até que os russos deixem de lá ter uma base.

Quero dizer que hoje não importa o que os candidatos a postos presidenciais digam, o que vai ser o programa militar já está traçado, e no espírito de Nimrod. Vejam o «tigrinho» do Trump que finge estar no comando de uma administração que está bem ou mal cumprindo a agenda da Killary, até no favorecer os carniceiros anti-Assad no Médio Oriente. Poderá ser diferente com o recém montado jovem manequim francês, deslumbrado pela maciça doação de popularidade provinda do deus acaso? Macron fará o que lhe dirão, como Sarkosy e Hollande, especialmente em matéria de guerra.

É claro que a agenda secreta pode variar um pouco devido a que a situação possa flutuar, por exemplo devido ao acordo petrolífero entre Putin e Erdogan, importante para a Rússia porque sem o consenso da grande Turquia, fortemente apoiada à NATO, ataques de surpresa para mutilar a Síria e enfraquecer a Rússia continuariam sem limites, indefinidamente, porque tudo faz parte do plano da guerra devastadora que serve a fazer avançar passo a passo, canalhice a canalhice, na lógica de uma «cultura do caos global»!
Da mesma forma, não é segredo que o «Ocidente» em geral e a EU em particular seguem uma política comandada em sedes alheias. Todavia, continuam felizes e despreocupadamente a associarem-se a esses jogos de guerras sem fronteiras morais, que julgam guiados pelo programa a longo termo do governo-americano.
E assim o crime internacional de guerras de interesses escusos, tem lugar em cadeia, como a chamada “Primavera Árabe”, para mudar, não só o equilíbrio mediterrâneo, mas dos países europeus, que se vêem expostos a uma onda migratória de dimensões bíblicas, organizadas quem sabe por quem, mas a qual participaram, mesmo se uns contra os outros, numa Europa alienada.

Voltando à eleição nos EUA, fato é que os milhões de milhões empregados pelos belicistas sem pátria nem escrúpulos na campanha da Killary provavelmente darão frutos com Trump, que ameaçou, pensem, caçar esses criminosos e aposentar os planos de guerra da NATO. Neste momento, pois, há duas razões para adiar o início da Guerra: – não porque foi eleito Trump, mas por que nada indica que a iniciativa de guerra parta da Rússia. A segunda razão é que ainda não sabem o peso militar nem a intenção da outra potência emergente, isto é a China, que acaba de se associar ao Irão nas manobras militares no estreito de Ormuz.

Importa, pois, que o plano reste armado, até que na hora ditada pela «criminal mind» global, esta consiga realizar a «false flag» portentosa que autorize a tal «opinião pública mundial» (dirigida pela grande comunicação) não só a querer, mas a pedir o «set fire to the powder» dos arsenais já posicionados e de prontidão contra o «desumano inimigo» !

Que não se fale de «teoria da conspiração»; tais arsenais existem como também tropas nas fronteiras da Rússia. Como os outros que concernem a Religião na fronteira da Cristandade católica.

No entanto, aqui, há quem não conseguiu esperar pela comemoração da rebelião em 1517 de Lutero Assim, já neste ano revelou querer antecipá-las, provavelmente a fim de evitar perder a ribalta destacada de sua presença nesses festejos; quem senão Jorge Bergoglio? Mas se for saudado como “o Papa”, não será o chefe que foi classificado por Lutero como Anticristo?

De fato, sua «nova teologia do ambiente» não excita nem mesmo o mais fanático «papaboy», e a recuperação da “paz” de acordo com a teologia da libertação, aplicada às FARC da Colômbia, não convenceu, nem mesmo com mil sorrisos do Castro e do Santos, Prêmio Nobel da Paz. Deixo a lista mais completa das distorções e fracassos bergogliosos para especialistas nesse gênero macabro, como Antonio Socci e tantos outros porque seu número só tem aumentado.

Por ora, bastaria lembrar o que Socci revela do dia 13 de outubro passado, do grande milagre do sol em Fátima, Bergoglio no Vaticano, junto a uma estátua de Lutero recebeu os luteranos numa reunião. Trata-se de mais um passo no sentido de ”justificação” proposta da heresia do Luterano II, que é contemplado na infame “Dignitatis humanis”, do direito reconhecido a todos os erros.

Sim, porque o maldito V2 antecipou-se às revoluções do mundo moderno e chegou de fato em 1965 em tempo de antecipar as convulsões libertárias de 1968! Quanto a Paulo 6 foi a Medellín, na Colômbia, em 1967, para antecipar o espírito de revolução latino-americano com a sua «Populorum Progressio», socializante! Quanto a João Paulo 2º, foi ao templo luterano em Roma para rezar no profundo espírito religioso de Lutero. Eles sempre antecipam! Wojtyla, tomando iniciativas como a de Assis, Ratzinger na elaboração das justificações de acordo com o seu erudito verbo luterano. Vão apressados, sempre, porque movidos pela idéia de progresso da fraternidade iluminista, sem limites? Ou talvez porque sabem ter pouco tempo para desfrutar do brilho fosforescente do fugaz mundo moderno que está de fato evoluindo no seu estado avançado de putrefação?

Agora cabe a Bergoglio completar a descida à “espiritualidade fortiter de Lutero”! No retorno do vôo para a Armênia, interrogado sobre o seu envolvimento nas comemorações do 500º aniversário da Reforma Protestante com os luteranos, Bergoglio explicou: • “Acredito que as intenções de Martinho Lutero não estavam erradas. Naquela época, a Igreja não era exatamente um modelo: houve corrupção, houve alta sociedade, apego ao dinheiro e ao poder. Por isso ele protestou. Então sendo inteligente deu um passo em frente, justificando porque fez isso. E hoje luteranos e católicos, com todos os protestantes, estamos de acordo sobre a «doutrina da justificação»: neste ponto tão importante não esteve errado. Ele deu um “remédio” para a Igreja, então este se consolidou num estado de coisas, numa disciplina etc. “

Estas palavras contêm uma série de falsidades, uma vez que nenhum “diálogo” pode mudar a posição católica sobre a «doutrina da justificação» condenada dos protestante e luteranos. Pelo contrário, a Igreja Católica já sentenciou sobre este e vários outros erros de Lutero com sentença definitiva. Na verdade, este é só um dos pontos de ruptura com que Lutero cavou a fossa de separação com a doutrina ensinada pela Igreja ao longo dos séculos; a falsa doutrina da salvação, a “justificação do pecador” diante de Deus, através de sua própria “fé”, sem as obras realizadas com seu livre arbítrio. No Concílio Ecumênico de Trento, o Decreto sobre a Justificação de 13 de Janeiro 1547, infligiu 33 anátemas com suas sentenças. Aqui está a 9a:
• “Se alguém afirmar que o ímpio é justificado só pela fé, de modo a entender que não precisa de nada mais com a qual a cooperar para alcançar a graça da justificação e que de modo algum é necessário que ele se prepare e se disponha com um ato de sua vontade: seja anátema “. Esta é a doutrina condenada de Lutero, também contrária ao livre arbítrio. É claro que todo o que rejeita expressamente as definições do dogmático Concílio de Trento, doutrina sempre professada pela Igreja, que a esclareceu explicando-o, a favor das idéias de Lutero, nada faz senão confirmar participar em seu anátema. Isto reforçado pela infâmia porque diante de ponto doutrinário tal, que diz respeito à salvação das almas, nenhum clérigo pode alegar desculpa de ignorância.

Na história da Igreja houve num período turbulento alguma tentativa de contornar o problema com o texto de uma “justificação dupla» desse terremoto luterano.

Já escrevi sobre a hora “quando Roma corria o risco de se tornar um protestante”, narro de como esta questão esteve no centro da sedição “protestante” no seio da Igreja Romana, mas foi enfrentado por Papas verdadeiros Santos; Paulo IV e São Pio V. E os acusados não eram clérigos indignos, como no presente, mas eram os desviados cardeais Reginald Pole e Giovanni Morone.

Pois bem, esse terrível risco de protestantização do mundo apesar da presença da Igreja foi superado no século XVI, mas volta hoje em plena força com aparência pontifícia e até apostólica. E note-se que na sua versão ecumenista é o exato contrário de Fátima. Com isto descrevemos o maior mal que ameaça a Fé nesta terra e ao mesmo tempo a sua solução providenciada por Nosso Senhor.

A luz de Fátima no meio dessas trevas humanas

A este ponto deixamos o relato das manobras desses governos cujo nível de canalhice não têm precedentes devido ao seu acumulo de armas letais, em toda a história, assim como a sedição religiosa em ato com a ocupação de Roma, para passar a falar da luz suave trazida pela Profecia de Fátima, para prevenir guerras e massacres, mas sem ter sido considerada, razão porque o mundo, de Roma a seus confins, passou a ser dominado por criminosas mentiras e desvios religiosos sem par. Em suma, tal teatro do pior horror preparado para breve pode esperar o fim de 2017, que é o ano centenário de fatídicos 17 e do maior fato profético do tempo cristão ocorrido em 1917 em Fátima. Sua última aparição ocorreu dias antes da atroz revolução comunista russa, autora de erros e males espalhados pelo mundo, como ali profetizado.

Mas a sedição russa vinha coroar 400 anos de revoluções contra a Igreja e contra a Cristandade, sendo a primeira, de 1517 proclamada por Lutero e em seguida a muitas guerras desastrosas a de 1717 da fundação oficial da Maçonaria, que desde então opera para completar a revolução anterior, luterana.

Todas elas, ainda são a causa de uma perda elevadíssima de almas, através de sucessivas convulsões históricas, cuja gravidade tentei esboçar acima tendo em vista o quadro presente. Só o Cristianismo defende o homem, como foi criado por Deus. Porque ele fala às almas sobre o bem que Deus quer, contra os males da rebelião humana. Esta é a matriz de todos esses castigos.

Não pode haver dúvida, sem o Cristianismo e portanto sem a Igreja Católica e o Papa com autoridade apostólica, não há civilização que defenda a natureza do homem, feito de corpo e de uma alma imortal que só tem sossego no retorno ao Pai. Seu Reino é o que devemos aspirar também neste mundo.

Tal «guerra final» no «espírito de Nimrod» é o seu contrário, tramada pelo inimigo de Deus e nosso, ligada a tais precedentes, que indicam este ano de 2017. Mas agora podem encontrar Quem recebeu o poder fazer recuar todo poder do mal com a Sua divina Intervenção de Mediatriz de todas as graças.

Nossa Senhora só espera que os católicos testemunhem, por meio das devoções pedidas e do Santo Rosário o poder de Seu pedido de Consagração para a conversão da Rússia. Mas esta deve seguir necessariamente a conversão de Roma com o retorno do Papa.

Sim, porque se o testemunho calar sobre a longa vacância do Papa católico, este silêncio não vai atrair castigos? Que intervenção superior se pode suplicar e esperar de Nosso Senhor para a restauração de Sua Igreja calando sobre a ruinosa realidade de uma Igreja sem o Vigário de Cristo e ocupada por anticristos?

 

INCÊNDIO DE MONSTRUOSAS DIMENSÕES EM PORTUGAL NO ANO CENTENÁRIO DE FÁTIMA

Pro Roma Mariana

O incêndio de Pedrógão Grande ficará marcado como um dos mais mortíferos de que há memória em Portugal.

Em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, lavra desde a tarde de sábado, 17 de junho um incêndio de tremendas dimensões.

O fogo teve origem num terreno florestal causado, como apuraram as autoridades, por uma série de raios secos, um fenômeno muito infrequente e imprevisível.

O primeiro alerta foi dado cerca das 15 horas. Mas logo em seguida já se registravam diversas mortes.

O incêndio continua a alastrar-se às localidades vizinhas e há uma frente de fogo calculada em 58 km, razão porque, com as altas temperaturas locais, que chegaram a 43º C., associadas ao vento forte, torna a ação dos bombeiros deveras impossível.

Por isto na tarde de hoje, dia 20, todo o esforço foi principalmente de evacuar as zonas povoadas ameaçadas pelas chamas. Já são nada menos que 40 aldeias evacuadas.

Depois de constatar a morte de 64 pessoas e mais de 160 feridos, muitas das quais surpreendidas com seus veículos em estradas cercadas pelo incêndio deflagrado em ambos os lados, o esforço agora é no sentido de poupar vidas, pois o monstruoso incêndio ainda está em plena fase de expansão.

Para se ter uma idéia de sua virulência, alguns dos meios aéreos empregados para combatê-lo acusaram que entre o calor da atmosfera e o aquecimento da água, esta quando despejada nem sempre atinge o solo porque muitas vezes evapora-se, tornando o voo inútil.

Este desastre colossal pede muitas orações pelas populações atingidas. Que o Céu mande cedo o benefício de sua chuva.

QUE FAZER COM AQUELES  QUE, PARA PARECEREM MAIS TRADICIONALISTAS, CAEM EM HERESIA?

 

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral

 

Escutemos o Papa Gregório XVI, numa passagem da sua encíclica “Mirari Vos”, promulgada em 15 de Agosto de 1832:

«Dizemos coisas. Veneráveis irmãos, que vós tendes contìnuamente sob vossos olhos, e que por isso deploramos com pranto comum: Triunfa soberba a improbidade, insolente a ciência, licencioso o descaramento. A santidade das coisas sacras é desprezada, e a Augusta Majestade do culto Divino, que possui grande força e influxo sobre o coração humano, indignamente, é rejeitada, contaminada, e tornada objecto de escârnio por homens tratantes. Então se distorce e perverte a sã doutrina e se disseminam de modo audaz erros de todo o género. Não há leis sagradas, nem direitos, nem instituições,   nem disciplinas, por santas que sejam, que sejam protegidas do ardil deles, que expelem apenas malvadezas da sua boca imunda.   Esta nossa Sede Romana do Beatíssimo Pedro, na qual Nosso Senhor Jesus Cristo estabeleceu a sólida base da Sua Igreja, é feita alvo de incessantes, duríssimos vexames ; os vínculos da unidade fragilizam-se e se diluem, dia a dia, sempre mais. Combate-se a Divina autoridade da Igreja, e conculcando seus direitos, SE QUER SUJEITÁ-LA A RAZÕES TERRENAS, E COM GRANDE INJUSTIÇA SE TENTA TORNÁ-LA ODIOSA AOS POVOS, ENQUANTO FICA REDUZIDA A IGNOMINIOSO CATIVEIRO. Viola-se a obediência devida aos Bispos, oprimindo-lhes os direitos. AS ACADEMIAS E AS ESCOLAS ECOAM HORRÌVELMENTE AS MONSTRUOSAS NOVIDADES DE OPINIÃO, com as quais, não mais de modo oculto, e com secretas ameaças  se ataca a Fé Católica, mas abertamente, e sob os olhares de todos, move-se-lhe horrível e nefanda guerra. Afinal, corrompido o espírito dos jovens alunos, pelos ensinamentos viciados e pelos maus exemplos dos mestres, espalhou-se o desgaste da religião e os costumes perverteram-se. Sacudido assim o freio da Santa Religião, QUE É A ÚNICA RESPONSÁVEL POR MANTER DE PÉ OS REINOS E A FORÇA DA AUTORIDADE DE CADA DOMÍNIO; vê-se aumentar a subversão da ordem pública, a decadência dos principados e a dissolução de todo o Poder legítimo. Mas tão grande acúmulo de desventuras DERIVA DE MODO ESPECIAL DA CONSPIRAÇÃO DAQUELAS SOCIEDADES NAS QUAIS PARECE TER-SE RECOLHIDO, COMO EM IMUNDA FOSSA, QUANTO HÁ DE MAIS SACRÍLEGO, ABOMINÁVEL E ÍMPIO, NAS HERESIAS E NAS PIORES SEITAS.»

 

A miséria humana, já de si muito profunda, torna-se ostensivamente tão desoladora, tão confrangedora, tão repugnante, que como o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo sublinhou, revelar-se-ia capaz, se acaso não fosse abreviada, de desviar até os próprios eleitos.

A Fé Católica, no seu Dogma e na sua Moral, constitui um Todo de Unidade, Verdade e Bondade, Infinitas; logo também infinitamente coerente; sem que seja possível alterar-lhe um só ponto sem comprometer esse mesmo Todo. A corrupção da Verdade Católica produz na realidade remanescente um dolorosíssimo travo a conto de fadas, invenção de mau gosto, ou pretexto para causar nas almas, um atroz, um espantoso, naufrágio Religioso, intelectual e moral.

Particularmente, a tendência a pretensamente compensar a apostasia liberal e modernista, com verdadeiras heresias, as quais já foram combatidas e vencidas pela Santa Igreja Católica, noutros tempos e noutras circunstâncias, paralelamente à depravação moral que demonstra, constitui uma manobra de diversão da maçonaria internacional para agravar a situação dos verdadeiros católicos, encurralados entre apóstatas liberais e modernistas, de um lado, e apóstatas, de má fé, que para se afastarem de uma heresia – caem noutra, DE IGUAL GRAVIDADE.

Vem isto a propósito de uns tais irmãos Peter e Michael Dimond que pretendem ressuscitar a heresia do Fineísmo, a qual exige absolutamente a recepção do Baptismo de água para a salvação Eterna, negando despudoradamente o denominado Baptismo de sangue e o Baptismo de desejo, tombando assim na mais requintada das heresias, ou antes, apostasia, visto que transformam a Fé Católica numa horrenda superstição; pois que a salvação Eterna jamais poderia ficar exclusivamente dependente de contingência de um evento temporal, o que significaria que a causa instrumental secundária possuiria hegemonia absoluta sobre a Causa Eficiente Principal da Graça e da Salvação. Tudo isto só demonstra a sevandija, o analfabetismo teológico completo desses irmãos Dimond, que não são sacerdotes, e que se intitulam sedevacantistas porque assim lhes ordenou a maçonaria internacional.

Leonard Finney (1897-1978) foi excomungado pela Santa Sé em 13 de Fevereiro de 1953, por rebelião contra a autoridade eclesiástica, pois que arregimentara um grupo, que persistente e obstinadamente, contestava Dogmas de Fé definida, EXPLICITADOS DESDE A MAIS REMOTA ANTIGUIDADE CRISTÃ. Efectivamente, os primeiros a morrerem por Nosso Senhor Jesus Cristo foram os Santos Inocentes; e a Santa Madre Igreja celebrando os seus mártires, jamais distinguiu entre catecúmenos e baptizados. Negar a possibilidade de almas rectas – MESMO VIVENDO MATERIALMENTE NA HERESIA, MAS QUE SEM CULPA, JAMAIS OUVIRAM FALAR DE NOSSO SENHOR E DA SUA IGREJA – serem beneficiadas directamente pela Graça Divina que lhes foi merecida por Jesus Cristo, e assim ordenarem-se Sobrenaturalmente à vida Eterna, mediante o próprio Organismo Sobrenatural formado pela Caridade Perfeita, negar isso, corresponde a RENEGAR e destruir a Fé Católica desde os seus mais íntimos fundamentos.

A Fé Teologal Habitual encerra no plano lógico Sobrenatural, Transcendental, ao menos virtualmente, toda a Revelação; por isso mesmo a recepção do Santo Baptismo é DE NECESSIDADE DE MEIO RELATIVA PARA A SALVAÇÃO. Por exemplo: A Graça Santificante é de necessidade de meio absoluta para a salvação, PORQUE NADA A PODE SUPRIR. Mas o santo Baptismo pode ser suprido, pelo Baptismo de desejo, que já referimos, e pelo Baptismo de sangue; na realidade o catecúmeno que, tendo atrição dos seus pecados, sofre o martírio, formal e materialmente considerado, recebe a Graça Santificante com o perdão de todos os seus pecados, e inclusivamente é-lhe perdoada toda a pena temporal devida a esses pecados, o que não acontece no Baptismo de desejo em que essa pena temporal não lhe é perdoada.

Sabemos que antes do pecado original, e sem o pecado original, não existiriam, nem podiam existir, Sacramentos; e a razão profunda reside no facto do pecado haver, de alguma maneira, submetido a vida espiritual do homem ao império da criatura, e consequentemente ser justo que ele, homem, receba a Graça de Deus, também com o concurso instrumental da mesma criatura.

Mas tal não significa que a Graça não venha até nós, mesmo sem os Sacramentos; cumpre todavia assinalar que, mesmo nesse caso, a Graça irradia da Natureza Humana de Nosso Senhor Jesus Cristo, como Causa Instrumental absolutamente eminente e primária de todos os Bens Sobrenaturais.

Os ditos irmãos Dimond atrevem-se a proclamar que o Baptismo de desejo e o Baptismo de sangue constituem “TRADIÇÕES DO HOMEM”???. Seria até o caso de obrigar esses senhores A ESCREVEREM COM O PRÓPRIO SANGUE TODO O CATECISMO DE SÃO PIO X. Registe-se, que apenas o Baptismo de água é Sacramento, e só este imprime Carácter.

O Sagrado Concílio de Trento declarou que: “Após a promulgação do Evangelho, o lavacro da regeneração é necessário para a salvação, in re ou in voto.

Outra aberração destes senhores Dimond é a asserção de que “as almas das crianças mortas sem baptismo VÃO PARA O INFERNO!”

Como já se referiu, tudo isto é para que os julguem mais tradicionalistas; coitados, caíram na mais repugnante das aberrações.

Não houve jamais evolução no magistério da Santa Madre Igreja referente ao Limbo das crianças, pois que se manteve plena continuidade específica na negação da visão beatífica para todos aqueles, mesmo adultos doentes, que falecessem sem Baptismo e sem o uso da razão. Acontece apenas que alguns Padres, mesmo até Santo Agostinho, realmente colocaram no Inferno essas almas, ainda que sem a pena do sentido. O engano provinha em parte do termo “Inferno” designar, em princípio e genèricamente, as zonas inferiores da Terra, cuja parte superior seria ocupada pelo denominado “Seio de Abraão,”lugar de permanência dos justos do Antigo Testamento até à morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Todavia os grandes paladinos da Teologia Católica, tais como São Tomás, explanaram claramente que sendo o pecado original, cujas consequências se transmitem por via da natureza – São Tomás refere o sémen de Adão como veículo – de espécie diferente do pecado pessoal, as penas têm igualmente de ser especìficamente diferentes. E isto é tanto mais verdade quanto a privação da visão beatífica em seres NÃO ELEVADOS AO ESTADO SOBRENATURAL PELA GRAÇA, não produz sofrimento algum, não podendo de forma alguma ser equiparada a essa mesma privação em seres Sobrenaturalmente tocados pela mesma Graça. Consequentemente, não houve evolução do Dogma, mas dificuldade, sobretudo terminológica, em proceder à explicitação do mesmo Dogma, aliás não definido, porque integrante do Magistério Ordinário da Santa Madre Igreja.  Como é que agora esses senhores vêm com essa tese asinária de meter as criancinhas abortadas no Inferno, mesmo sem pena do sentido. É que o limbo não é lugar de sofrimento mas de felicidade natural, felicidade idêntica aquela que os homens virtuosos gozariam se o mundo tivesse sido criado num estado de pura natureza, e consequentemente não fosse, nem sobrenaturalmente elevado, nem decaído, nem remido.

Todavia, os referidos irmãos Dimond, também para simularem maior integrismo, insistem em críticas a Pio XII, muito menos graves, mas mesmo assim colocadas de má fé.

Em primeiro lugar, afirmam que Pio XII aprovou a evolução darwinista, o que é medularmente falso e calunioso, pese embora a inexactidão e debilidade manifestadas por Pio XII na encíclica “Humani Generis”quando afirmou: “Quanto à proveniência do corpo do homem, o qual teria tido origem nalgum organismo inferior”. Ora isto não é aprovar a evolução, até porque Pio XII ressalva essencialmente “que a alma espiritual foi directamente criada por Deus, porque assim no-lo ensina a Fé Católica”. Contudo, é certo que Pio XII perdeu uma rica oportunidade de reafirmar – E ATÉ MESMO DE DEFINIR –  irrevogàvelmente o ensino Bíblico, quando expende que o corpo do homem se formou a partir do “pó da terra”, ou seja, da matéria inorgânica.

Os ditos irmãos acusam igualmente Pio XII de “promover o controlo da natalidade por meios naturais”. Ora isso é rotundamente falso, porque Pio XII, na esteira de Pio XI, apenas manifestou a plena legitimidade do acto conjugal, também em período agenésico, acrescentando, todavia, que em caso de impossibilidade permanente de procriação, por razões de saúde ou económicas, o único meio imaculado para tal reside na perpétua continência.

No que concerne, porém, ao problema do Baptismo, os ditos irmãos, na sequência da seita fineista, acusam a Igreja pré-conciliar de haver abandonado a tese de que “fora da Igreja não há salvação” e também acusam diabòlicamente Monsenhor Lefebvre da mesma “heresia”.

Evidentemente que quem pensa, ou finge pensar, que sem o Baptismo físico de água é totalmente impossível a Salvação Eterna, não pode aceitar a asserção católica DE QUE É POSSÍVEL, EMBORA MUITO DIFÍCIL, ALGUÉM VIVER MATERIALMENTE NO SEIO DO PAGANISMO, E SEM ADERIR FORMALMENTE A ELE, PERMANECER DÓCIL À GRAÇA DE DEUS, E AOS DONS DO ESPÍRITO SANTO, E EMBORA SEM CONHECIMENTO ACTUAL DE JESUS CRISTO E DA SUA IGREJA, SER VERDADEIRAMENTE CATÓLICO NA FÉ, NA ESPERANÇA, E NA CARIDADE, POIS POSSUI O PRINCÍPIO TEOLOGAL SOBRENATURAL NA SUA ESSÊNCIA TRANSCENDENTAL E VIRTUAL SUPERIOR – E POSSUINDO ISSO, POSSUEM TUDO.

Mas os fineístas e quejandos não possuem, em absoluto, a Fé Católica, E INSISTE-SE – ESTÃO DE MÁ FÉ.

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

Lisboa, 12 de Maio de 2016

Alberto Carlos Rosa Ferreira das Neves Cabral         

 

Blondet & Friends

Il meglio di Maurizio Blondet unito alle sue raccomandazioni di lettura

AMOR DE LA VERDAD

que preserva de las seducciones del error” (II Tesal. II-10).

Pro Roma Mariana

Fátima e a Paixão da Igreja

Radio Spada

Radio Spada - Tagliente ma puntuale

Catholic Pictures

Handmaid of Hallowedground

Hallowedground

Traditional Catholic Visualism

Acies Ordinata

"Por fim, meu Imaculado Coração triunfará"

RADIO CRISTIANDAD

La Voz de la Tradición Católica